Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Saiba o que esperar de X-Men: Fênix Negra, o último filme da franquia

Longa estrelado por Sophie Turner estreia nesta quinta (6) nas salas de BH. Atriz foi destaque na última temporada da série Game of thrones


postado em 06/06/2019 04:07

Sophie Turner é a estrela do último filme da série X-Men(foto: Fox/divulgação)
Sophie Turner é a estrela do último filme da série X-Men (foto: Fox/divulgação)

“Parece que Game of  thrones foi a escola secundária e X-Men é a universidade”. Curiosamente, a Escola do Professor Charles Xavier Para Jovens Superdotados forma adolescentes mutantes na ficção criada em quadrinhos por Stan Lee e Jack Kirby na década de 1960. Porém, para a inglesa Sophie Turner, de 23 anos, o papel em X-Men: Fênix Negra foi “o grau superior” em sua carreira, conforme declarou ao The New York Times. Mundialmente conhecida pela atuação no seriado recém-encerrado da HBO, a atriz tem a chance de mostrar seu talento pela primeira vez como protagonista de uma grande produção cinematográfica. Fênix Negra, o último longa da franquia, chega nesta quinta-feira (6) às salas brasileiras.

A estrela costuma brincar, dizendo que se chama “Sansa Stark, também conhecida como Sophie Turner”. Em Game of thrones, ela teve seu primeiro papel profissional – filmou a primeira temporada aos 13 anos. Chegou à idade adulta diante das câmeras, paralelamente ao arco de sua personagem, que deixa de ser uma garota inocente e fútil para se tornar a mulher poderosa que sobreviveu a terríveis provações e torturas. Nesse período, Turner fez outros papéis no cinema, inclusive em X-Men: Apocalypse (2016), interpretando Jean Grey pela primeira vez, mas como coadjuvante. Pouco tempo depois, foi confirmada como protagonista no capítulo final da saga iniciada nos anos 2000 pelos estúdios Fox, adquiridos recentemente pela Disney.

Turner comentou o desafio, sem meias palavras, ao jornal americano. “Caguei nas calças ali mesmo”, brincou a quase sempre irreverente atriz, referindo-se ao aviso do cineasta e roteirista Simon Kinberg sobre a importância de sua missão. A trama, que marca o début do até então produtor na direção, começa em 1975, mostrando a chegada de Jean à escola do Professor Xavier (James McAvoy). Depois, salta para 1992, quando os X-Men são celebrados como heróis, apoiados pelas autoridades. Jean é parte do time, assim como Hank/Fera (Nicholas Hoult), Tempestade (Alexandra Shipp), Mercúrio (Evan Peters), Kurt/Noturno (Kodi Smit-McPhee), Raven/Mística (Jennifer Lawrence) e Scott/Ciclope (Tye Sheridan), com quem ela tem um caso de amor.

EXPLOSÃO Durante missão espacial para resgatar astronautas à deriva devido a uma explosão solar, Jean é atingida pelo fluxo de energia, que modifica perigosamente seus poderes. As habilidades da ruiva já eram bem acima da média dos outros mutantes, mas controladas por Xavier desde que era criança, justamente por ser um risco para ela própria e todos em seu redor. Ao sobreviver ao acidente, Jean ganha o apelido de Fênix, mas perde o controle do imenso poder que concentra em seu corpo. Com isso, atrai seres perigosos de outro planeta, que desejam usá-la para destruir a Terra. Jessica Chastain surge como a principal vilã, líder dos alienígenas que incorporam formas humanas. Ela se aproxima de Jean em um momento de extrema vulnerabilidade emocional da jovem para tentar manipulá-la.

No conflito entre Jean com ela mesma e com os outros X-Men, o estrelado elenco é reforçado por Michael Fassbender, novamente como Erik/Magneto. Vilão em outros filmes, ele agora vive em paz numa comunidade hippie exclusiva para mutantes, em trégua com autoridades que os perseguiam. Porém, os acontecimentos o devolvem à rotina de embates – o último ato traz muita ação e longa cena de explosões e pancadaria, além do show de poderes dos mutantes a bordo de um trem.

Apesar da estrutura de roteiro simplória comparada a outros filmes de X-Men, com elementos batidos de filmes de heróis (a exemplo do inimigo de outra galáxia que planeja destruir a Terra), Fênix Negra tenta explorar com tons mais sombrios os conflitos psicológicos da poderosa protagonista. Um dos motivos dessa aposta foi a experiência de Sophie Turner como a Sansa Stark de Game of thrones – prisioneira da família que assassinou seu pai, forçada a se casar com o integrante do clã que matou sua mãe e estuprada na noite de núpcias, ela se vinga e vira rainha.

DEPRESSÃO
Ao longo da série – dos 13 aos 22 anos de idade –, a atriz chegou a ter depressão. Relatou ao podcast inglês Phil in the Blanks que sofreu muito com críticas nas redes sociais, dirigidas à sua atuação e ao fato de ter engordado. “Só chorava, chorava, e pensava: ‘Não posso sair. Não quero fazer nada.” No entanto, aprendeu a lidar com tudo isso para seguir em frente. “Agora gosto mais de mim, ou mais que antes, acredito. Não penso que goste muito, mas estou com alguém que me ajuda a ter consciência de que tenho certas qualidades positivas, acho”, contou a jovem atriz, recém-casada com o músico Joe Jonas.

Destaque na última temporada de Game of thrones, ela ganhou elogios do diretor de Fênix Negra. Simon Kinberg revelou que Sophie estudou livros, artigos e vídeos sobre esquizofrenia e transtornos mentais para construir a personagem partindo de algo real. “Sempre sou ‘puxada’ por mulheres fortes e independentes. Sansa e Jean são assim. Às vezes usam as coisas terríveis que acontecem com elas para se tornarem incrivelmente fortes”, disse a estrela em vídeo exibido pela HBO.


Publicidade