Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Keith Flint tira a própria vida

Mundo perde dois ícones dos anos 1990. Keith Flint, cantor da banda The Prodigy, renovou a música eletrônica. O ator americano Luke Perry era o rebelde sem causa de Barrados no baile


postado em 05/03/2019 05:06

Keith Flint chamou a atenção por mesclar punk e dance music(foto: Ed Jones/AFP - 18/7/15)
Keith Flint chamou a atenção por mesclar punk e dance music (foto: Ed Jones/AFP - 18/7/15)


Keith Flint, vocalista do The Prodigy, banda inglesa que injetou o punk na música eletrônica, morreu ontem (4), aos 49 anos. O corpo foi encontrado em sua casa no condado de Essex, Leste de Londres. Flint, que começou no grupo como dançarino e depois foi alçado ao posto de vocalista (quando gravou o sucesso Firestarter), se matou.

Quem confirmou o suicídio foi o tecladista Liam Howlett, fundador do Prodigy. “A notícia é verdadeira, não posso acreditar que estou dizendo isso, mas nosso irmão Keith tirou a própria vida no fim de semana”, postou ele no Instagram. “Estou chocado, com raiva, confuso e com o coração partido.”

A morte coincide com o início da turnê para promover o sétimo álbum da banda, No tourists (2018). Há shows previstos na Colômbia e na Áustria no início de abril, além de várias datas nos Estados Unidos, em maio, e na França, durante o verão europeu.

Com sua estética punk de piercings, cabelo espetado e olhar intenso, Flint se tornou uma das figuras musicais mais relevantes do Reino Unido nos anos 1990. Mesclando elementos do punk e da dance music, ele ajudou a fazer do The Prodigy uma das bandas mais influentes na cena rave underground, após o lançamento, em 1997, do álbum The fat of the land. Esse disco foi responsável por levar a moderna música eletrônica do gueto para as massas.

O trabalho incluiu o polêmico hit Smack my bitch up. Na época, a faixa foi considerada a música mais controversa de todos os tempos pela PRS Music, organização inglesa que controla direitos autorais. Acusado de misoginia, o clipe, que mostrava cenas de uso de drogas, insinuação sexual e escatologia, foi execrado por grupos feministas. Acabou proibido na BBC.

“Havia uma disposição real de não fazer concessões”, disse Flint, em 2015. “Nós, realmente, precisávamos de um antídoto para a cena DJ, daí uma certa brutalidade”, explicou. Crítico à ordem estabelecida, The Prodigy tomou para si a batalha contra lei aprovada em 1994 pelo Parlamento britânico proibindo as festas rave. A banda veio ao Brasil pela última vez em 2011.


Publicidade