UAI
Publicidade

Estado de Minas ASTRONOMIA

Bingo e James Webb: como as descobertas dos telescópios mudam a ciência

Relação entre as informações dos dois telescópios traz mapeamentos novos e mais detalhados para o estudo das estruturas do universo


14/07/2022 15:08 - atualizado 14/07/2022 16:27

Estrutura do Bingo
Projeto Bingo, radiotelescópio brasileiro, que está sendo construído no interior da Paraíba, e fará o mapeamento na parte escura do universo (foto: Projeto Bingo/Divulgação)

O físico teórico brasileiro Elcio Abdalla, coordenador do Projeto Bingo, radiotelescópio brasileiro que está sendo construído no interior da Paraíba, fará o mapeamento na parte escura do universo.

De acordo com seus estudos, é possível perceber as semelhanças entre o Bingo e o James Webb, telescópio espacial que teve suas descobertas divulgadas pela Nasa nos últimos dias. Em entrevista a reportagem do Estado de Minas, o professor buscou explicar quais os impactos do Bingo e do James Webb para os estudos astronômicos, e como essas descobertas vão auxiliar o avanço da vida em sociedade. 


O ponto comum é a observação de estruturas


“Ambos olham para regiões distantes do universo. Na verdade, o James Webb vai mais longe (o Bingo vai até 5 bilhões de anos luz de distância, o James vai até 13 bilhões de anos luz de distância, pouco depois do Big Bang). O importante para nós em olhar o espaço, além dos detalhes, é saber qual a estrutura do universo, como funciona a distribuição de matéria”, explica o professor. Basicamente, seria possível entender melhor e distinguir diferentes modelos já existentes.


Élcio Abdalla explica que o universo tem três componentes principais, um deles é a matéria (chamada Bárion), os outros dois componentes fazem parte do lado “escuro”, que compõem cerca de 95% do universo, que são a energia e matéria escura. Os dois instrumentos vão oferecer informações de todos os lados do universo, assim, a ciência será feita de modo efetivo e importante, com informações de lado a lado. "Poderemos incorporar as informações do James Webb com as informações a serem obtidas pelo telescópio Bingo."


“As consequências são maiúsculas”


De acordo com o professor, essas descobertas trazem respostas a perguntas quase que religiosas para as pessoas: “de onde eu vim? Para onde vamos? Do que eu sou feito?". "O ser humano se pergunta isso desde quando começou a pensar. Queremos saber de onde viemos, para onde vamos, o que será do futuro e qual o nosso papel no universo. As consequências são maiúsculas.” 


A questão central não é saber o que os cientistas podem fazer com a energia escura, mas é extremamente necessário entender porque ela constitui 95% do universo. Além disso, Élcio também destaca a importância desses projetos para o aperfeiçoamento de técnicas na ciência. “No caso do Bingo, técnicas de construção foram aprimoradas, e já são usadas em iniciativas privadas como a metalurgia e construção de filtros de eletromagnetismo. Outra questão importante é a melhora dos conhecimentos de estatística”, disse. 

 

 

 


Ele conta que já teve vários alunos, que, com o conhecimento adquirido no desenvolvimento do projeto, foram trabalhar em outras áreas, como finanças, devido ao conhecimento estatístico muito específico. “A educação alcança níveis muito altos”, argumentou Élcio. 


Outra técnica que pode ser aperfeiçoada com as descobertas desses telescópios é o sensoriamento remoto, popularmente conhecido como GPS. “Esse tipo de sensoriamento remoto é uma das consequências práticas do James Webb. E, em se tratando da Nasa, ele pode coletar informações importantes para o governo americano, que vai privilegiar decisões”, contou. 


Rajadas rápidas de rádio 


O físico explica que há uma observação chamada Rajada rápida de rádio (disparos explosivos em ondas de rádio, muito intensos, liberando quantidades enormes de energia pelo universo). “Esse fenômeno tem uma energia enorme. Meio grama de matéria transformada em energia, dá o equivalente a uma bomba de Hiroshima. Toda essa energia sai pelo espaço. O James Webb, como vai mais longe, pode nos dar mais detalhes sobre isso”, disse Élcio.

 

Nebolusa Carina
Nebulosa Carina, imagem captada pelo James Webb, localizada a 7.500 anos-luz da Terra e é caracterizada pelas estrelas que aparecem ao seu lado, formando uma nuvem de gás e poeira estelar (foto: Nasa/ Reprodução)
 


Além de toda essa energia, pode ser possível observar civilizações ou resquícios de civilizações extraterrestres em lugares muito distantes, com pouca informação. “Temos que ter cuidado com essas informações, caso ele observe um planeta ou uma nova biologia, pode ser muito importante para a vida humana. Pode vir algo para a medicina, não tem como saber ainda. Só tenho a certezade que as consequências serão muito grandes”, conta o professor. 


Observando o passado do universo


Para o físico, essa viagem feita pelo James Webb representa uma visualização do passado do universo. “Quando dizemos que ele vai mais longe do que o Bingo, quero dizer que ele foi ainda mais além no passado do universo. Esse passado nos trás vários pontos sobre várias teorias, que vão descrever tudo. Sendo assim, elas terão traços influentes no presente e no passado, são vínculos diferentes em diferentes regiões.” 


O cruzamento das informações do Bingo e do James Webb é feito a todo momento, para que novas conclusões possam ser feitas e que as antigas sejam aprimoradas. 


Por fim, o físico faz um apelo à valorização da ciência. “As pessoas têm que levar em conta que é necessário ouvir a ciência. Em 10 anos, as universidades perderam mais de 90% de suas verbas. Eu não tenho certeza se é isso mesmo, mas se foi 90%, 70% ou 50%, entenda que já é muito a perder. Estamos depauperando o nosso futuro. A ciência mudou o planeta.”

 

*estagiária sob supervisão  


 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade