Publicidade

Estado de Minas MITOLOGIA

Túmulo de Rômulo é revelado na Itália

Arqueólogos apresentam o que pode ser o sarcófago do rei fundador da cidade de Roma. Descoberta foi feita por meio de escavações no Fórum Romano e remonta ao século VI a.C.


postado em 22/02/2020 04:00

Tumba antiga que pertenceria a Rômulo, encontrada sob o Fórum, no coração da capital italiana, foi apresentada ontem ao mundo, depois de meses de investigação arqueológica. Sarcófago de pedra (no detalhe) é ladeado por um altar circular(foto: Fotos: FILIPPO MONTEFORTE/AFP)
Tumba antiga que pertenceria a Rômulo, encontrada sob o Fórum, no coração da capital italiana, foi apresentada ontem ao mundo, depois de meses de investigação arqueológica. Sarcófago de pedra (no detalhe) é ladeado por um altar circular (foto: Fotos: FILIPPO MONTEFORTE/AFP)


A descoberta é considerada “excepcional” pelos arqueólogos. O que poderia ser o túmulo de Rômulo, o rei fundador de Roma, foi apresentado ao público pela primeira vez ontem, recuperando as origens da Cidade Eterna, há 3 mil anos.

O sítio arqueológico era conhecido pelos especialistas e, em particular, pelo italiano Giacomo Boni (1859-1925), que desde o século 19 havia levantado a hipótese de que, no Fórum Romano, ao redor do Comício – espaço previsto para reuniões públicas na Antiguidade –, poderia haver um “heroon”, monumento erguido em memória de um personagem ilustre, ou heroico, que poderia ter sido o fundador da cidade.

Escavações recentes, realizadas pelo Parque Arqueológico do Coliseu, confirmaram essa hipótese ao trazer à luz “um sarcófago de tufo (já conhecido por Boni) com cerca de 1,40 metro de comprimento, associado a um elemento circular, provavelmente um altar”. De acordo com o Parque, esses dois elementos remontam ao século 6 a.C.

“Em suas obras, Giacomo Boni não interpretou esse lugar, apenas o descreveu dizendo que tinha visto uma caixa ou uma bacia (que corresponde ao sarcófago) e um cilindro de pedra”, declarou a diretora do Parque, Alfonsina Russo, apresentando o sítio à imprensa pela primeira vez.

“Essa informação foi esquecida por um século, assim como a localização exata do local, e foi uma grande descoberta encontrá-la como Boni a havia descrito”, acrescentou.

Os responsáveis do Parque Arqueológico esclareceram que é impossível “afirmar cientificamente” que se trata, de fato, do túmulo de Rômulo. “É apenas uma sugestão baseada em fontes antigas que evocam a presença da tumba de Rômulo”, explicou a responsável pelas escavações, Patrizia Fortini. “Sem dúvida, é um monumento importante. A forma da caixa faz pensar em um memorial, um lugar de memória, mas não tem como dizer o que era realmente”, acrescentou a arqueóloga.

A fundação lendária de Roma foi estabelecida em 21 de abril do ano 753 a.C. por Rômulo. Ele matou o irmão Remo por ter atravessado a demarcação que desenhara para marcar o recinto da nova cidade. Popularizada por autores antigos como Tito Lívio (59 a.C. - 17 d.C.), Ovídio (43 a.C. - 17 d.C.), e Plutarco (46 d.C. - 125 d.C.), a existência dos dois gêmeos amamentados por uma loba – figura que se tornou símbolo de Roma – sempre dividiu historiadores.

Em vez de uma verdade histórica, certos autores, como o alemão Theodore Mommsen (1817-1903), consideraram essa geminação como o símbolo do duplo consulado romano, enquanto o italiano Ettore Pais (1856-1939) viu a oposição entre patrícios e plebeus.
 
 
 
Mito e realidade 

Um episódio dessa lenda foi revelado pela arqueologia no final dos anos 1980 por uma equipe de cientistas liderada pelo arqueólogo italiano Andrea Carandini. Em uma área pouco explorada do Fórum, descobriu-se uma marcação longa e profunda contornada de pedras grandes. Para Carandini, seria o “pomoerium”, o “sulco sagrado” traçado por Rômulo.

A morte de Rômulo também oscila entre mito e realidade. A versão mais comum é que ele foi morto por senadores irados que, depois de desmembrá-lo, teriam espalhado pedaços de seu corpo por diferentes partes da cidade. Uma teoria sustentada pela ausência de cadáver e, portanto, de um túmulo.

Segundo outra tradição, defendida pelo autor antigo Varron (no século 1 a.C.), a tumba de Rômulo estaria em um local no Comício, onde o primeiro dos sete reis de Roma teria sido morto.

“O fato de Romulus ter, ou não, existido não é essencial. O que importa é que esse personagem é considerado o ponto de partida escolhido pelos antigos para marcar o nascimento político da cidade”, comenta o arqueólogo Paolo Carafa.

“Os arqueólogos do Parque do Coliseu se propõem a reconhecer esses dois objetos – o sarcófago e o cilindro de pedra – como o túmulo de Rômulo, mas eu diria que, com base nessa descoberta, um debate científico deve ser aberto”, afirma o especialista em antiguidade romana na Universidade La Sapienza, em Roma.


enquanto isso...
...Peru recupera manuscrito perdido há 140 anos
O Peru resgatou um valioso manuscrito, encontrado no Brasil, com as memórias de antigos governantes incas, que tinha desaparecido durante a ocupação de Lima pelas tropas chilenas na Guerra do Pacífico (1879-1884). O manuscrito Memórias da monarquia peruana ou esboço da história dos incas foi escrito na década de 1830 por Justo Apu Sahuaraura Inca (1775-1853), descendente por linha materna do imperador inca Huayna Cápac (1493-1525) e do príncipe Cristóbal Paullo Inca (1518-1549). “O valor desse documento do ano de 1838 é incalculável. Uma joia documental extremamente rara”, disse Gerardo Trillo, diretor de Proteção de Coleções da Biblioteca Nacional, de onde o manuscrito foi extraído pelo Exército chileno, durante a Guerra do Pacífico – em que Peru e Bolívia lutaram contra o Chile.  “Ele desapareceu da biblioteca e chegou ao Chile, mas foi parar nas mãos de colecionadores”, explicou Trillo. Em novembro de 2019, a família brasileira Mindlin, que o detinha desde 1970, aceitou devolvê-lo à Biblioteca Nacional do Peru. Agora, ele está digitalizado e pode ser consultado na internet.


Publicidade