Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

A incrível jornada da Super Sofia na luta contra o câncer

Aos 8 anos, ela já superou dois tratamentos contra a doença com garra e determinação: 'Aprendi a sempre ser guerreira e nunca desistir'


postado em 02/02/2020 04:00 / atualizado em 01/02/2020 21:14

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Vestida de joaninha, com uma máscara devido ao tratamento oncológico, a pequena Sofia Medeiros Nunes, à época com 4 anos, brincava com o amiguinho Jonathan Arthur Prudêncio de Jesus, também de 4, quando foram fotografados pelo Estado de Minas no carnaval de 2016. A cena publicada no Instagram do jornal chamou a atenção de leitores e internautas pela delicadeza da imagem, que em poucas horas do dia da postagem recebeu cerca de 2,5 mil curtidas e mais de 600 compartilhamentos.

A euforia e os batuques do Bloco Angola Janga, na Rua da Bahia, no Centro de Belo Horizonte, serviram de palco para a cena que estampou a primeira página do EM em pleno domingo de carnaval. “Minha mãe sempre me mostra a capa do jornal, apesar de não me lembrar muito bem do dia”, comenta. Na época, a vida da menina do sorriso cativante e fora do comum e a sua gana de viver se entrelaçou com o bloco de carnaval.

Sofia saiu do apartamento na Rua da Bahia, onde morava com a mãe, Ana Emília Martins Nunes, para curtir a festa. Afinal, o carnaval era uma oportunidade a mais para se divertir e desfilar com suas fantasias e aproveitar um momento longe de um quarto de hospital. O carnaval, para além de ser uma importante festividade no cenário cultural nacional, ocupa lugar diferenciado na estrutura emocional de todos.

Por causa do tratamento contra o câncer, a menina teve de se mudar para Belo Horizonte e acabou se afastando dos familiares. Segundo ela, essa foi a pior parte do tratamento. “Quando podia, eu dava uma voltinha em BH. Passeava no shopping e nos parquinhos. Não tinha uma rotina, porque ou estava em casa ou internada”, conta.

Arma poderosa contra o câncer

“Não me lembro direito de como foi porque só tinha 3 anos, mas guardo que foi muito triste”, recorda a pequena Sofia, hoje com 8 anos, do dia em que foi diagnosticada com um neuroblastoma, tipo raro de câncer que acomete principalmente crianças com menos de 5 anos e atinge regiões do corpo como pescoço, tórax e abdômen. No caso de Sofia, o tumor se instalou na parte cervical do corpo. Apesar de não saber o que estava porvir, a garota carregava dentro si uma arma poderosa para enfrentar o câncer: a alegria de viver estampada em um sorriso que contagiava todos à sua volta.



Porém, mesmo após o tratamento e o retorno para a casa, em São Domingos do Prata, Região Central de Minas, a doença retornou. E, novamente, a menina se viu em um quarto de hospital. “Fiquei muito triste. Mas, apesar disso, como já sabia como era, fiquei mais relaxada”, conta. Na volta para o tratamento, Sofia teve de se submeter a um transplante de medula. Apesar de os médicos sempre explicarem para ela como seria o tratamento, o medo tomava conta dos pensamentos dela. “Mas, graças a Deus, deu tudo certo e agora é só voltar a ter uma vida normal”, agradece.
 
Hoje, ela se diverte fazendo vídeos para plataformas de redes sociais, onde é conhecida como Super Sofia. Conta que está animada para o retorno às aulas e para a escola de balé. “Estou muito alegre, apesar de ter umas regrinhas. Só de voltar para uma vida normal, já fico muito feliz.” Para ela, foi preciso muita fé e força para superar os obstáculos impostos desde pequena.

Ao lado da mãe e da médica que acompanha seu caso, Sofia não deixa de manter seus seguidores atualizados(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Ao lado da mãe e da médica que acompanha seu caso, Sofia não deixa de manter seus seguidores atualizados (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Nesta edição do Bem Viver, celebraremos a vida no olhar de uma pequena menina – a verdadeira garota superpoderosa – que luta diariamente, apesar da pouca idade, e mantém acesa a alegria de simplesmente viver. “Aprendi a sempre ser guerreira e nunca desistir. E para as crianças que passam pela mesma situação que eu, peço para não desistirem e continuar fortes. Porque um dia todos vamos conseguir vencer.”

Momento de catarse

O momento de espera para saber o diagnóstico de um filho é sempre desesperador. E quando o resultado traz consigo uma carga negativa, essa situação envolve, além de enfrentamento, um momento de catarse. Ana Emília Martins, mãe da pequena Sofia, conta que a descoberta do neuroblastoma na filha foi um processo de reflexões para ela e toda a família.

'Para as crianças que passam pela mesma situação que eu, peço para não desistirem e continuar fortes. Porque um dia todos vamos conseguir vencer'(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
'Para as crianças que passam pela mesma situação que eu, peço para não desistirem e continuar fortes. Porque um dia todos vamos conseguir vencer' (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Em meio a tantas idas e vindas ao hospital, a família teve papel muito importante para o processo de tratamento da menina. “Eu trabalhava e não se consegue afastamento para cuidar de crianças doentes. Mas aqui em casa todo mundo ajudou e tudo foi se encaixando”, conta.

“Para mim, que sou mãe e pai da Sofia, quando você recebe uma notícia dessas não dá para acreditar. Como uma menina indefesa, com 3 anos, sem maldade nenhuma no mundo, se torna refém disso? Você fica pensando o porquê.” O momento de entender todo esse processo foi fundamental para vencer quaisquer obstáculos que pudessem impedir a felicidade da filha. “É uma reviravolta muito grande, mas Sofia sempre foi uma menina alegre e feliz. Hoje, acredito que tudo tem o seu propósito”, afirma.

O começo do tratamento

Sofia começou a fazer o tratamento em maio de 2015 e até a volta do câncer, antes do transplante, passou por 11 internações. O primeiro tratamento durou de maio de 2015 até junho de 2017. “Ao todo foram 19 internações, sendo que só a do transplante foram 56 dias dentro do hospital”, conta Ana Emília, que mantém todas as informações da vida hospitalar de sua filha anotadas em um caderno. “As outras internações alternaram de quatro a 30 dias.”

Processo que resultou em um acompanhamento médico que envolveu todos os profissionais do hospital em que a criança estava internada. A oncologista pediátrica Fernanda Rodrigues Tiburcio foi uma das médicas que participaram de todo o tratamento da pequena Sofia. “Ela é uma criança muito especial. Enfrentou com cabeça erguida diferentes tipos de tratamentos pesados, como a quimioterapia e radioterapias, até chegar ao transplante. É uma criança disposta a lutar”, ressalta a médica.

Sofia Medeiros e Jonathan Arthur, na época ambos com 4 anos, no carnaval de BH em 2016(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Sofia Medeiros e Jonathan Arthur, na época ambos com 4 anos, no carnaval de BH em 2016 (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Fernanda Tiburcio conta que Sofia era luz para as outras crianças que passavam por traumas parecidos. “Ela conquistava as outras crianças em tratamentos sempre com um astral pra cima. Elas viam nela um exemplo. A Sofia emanava luz em meio a tanto sofrimento”, relembra. A profissional ainda afirma que a gana para viver contagiava outras famílias que estavam passando pela mesma situação. “Sofia mostrava para os pais e familiares de outras crianças que era possível vencer e passar por aquela situação.”

A especialista explica que o câncer da pequena era muito agressivo e intenso e que não adiantava apenas um tipo de intervenção. “O neuroblastoma tem quatro níveis diferentes e Sofia enfrentava o pior deles e o mais avançado.” A mãe da super Sofia lembra que todas as cirurgias feitas pela filha eram de risco. “O caso dela foi muito bem estudado”, complementa Ana Emília.

Nova luta contra a doença

Depois de resultados positivos com as retiradas da massa tumoral e da volta para uma vida longe de um quarto de hospital, a menina percebeu um novo caroço na região do pescoço um ano depois do fim do primeiro tratamento. “Ela me disse: Mamãe, tem alguma coisa doendo no meu pescoço durante o banho”. Coloquei a mão e percebi o caroço. Gelei toda na hora”, relembra a mãe. A família novamente se viu lutando com todas as forças contra o câncer.

Apesar da recidiva, todos os familiares e a própria Sofia se viram mais confiantes. “Em meio a isso tudo, o transplante era o que mais assustava. Porque sempre os médicos eram sinceros e diziam que era uma montanha-russa”, ressalta Ana Emilia. “Sofia foi a primeira criança na Santa Casa a fazer um transplante autólogo”, informa Fernanda Tiburcio, processo em que as células-tronco são retiradas da própria paciente.

A mãe conta que os dias após os transplantes foram de muitas incertezas e sofrimento, devido à demora para “a medula pegar”. “Eu a via sem se alimentar e mesmo assim ela sorria para produzir os vídeos dela para as redes sociais. A gente tira forças dela. Ela tem uma bagagem de vida enorme”, conta. Mesmo sem a doença estar ativa em seu corpo hoje, a oncologista pediátrica afirma que Sofia está em constante monitoramento. “Sofia hoje vive uma vida com certas restrições, mas aos pouquinhos ela vai enxergando a vida com um novo olhar”, frisa a médica.
 

Show das Poderosinhas

A pequena Sofia conquistou a atenção da cantora Anitta, quando estava no primeiro tratamento contra o câncer(foto: Instagran/Reprodução da Internet)
A pequena Sofia conquistou a atenção da cantora Anitta, quando estava no primeiro tratamento contra o câncer (foto: Instagran/Reprodução da Internet)
A pequena Sofia conquistou a atenção da cantora Anitta, quando estava no primeiro tratamento contra o câncer. A cantora convidou a super Sofia para ir ao camarim e subir ao palco no Show das Poderosinhas, em 21 de agosto de 2016, em Belo Horizonte. A cantora registrou o momento em sua rede social. Por causa da doença, a garota não poderia ir ao show. “Ela não pode ficar no meio da multidão, então, pedi pra trazerem ela para o camarim e ela não sabe que vai me ver”, disse a artista na ocasião. Logo depois do transplante de medula, Anitta visitou Sofia no hospital.

* Estagiário sob supervisão da editora Teresa Caram






Publicidade