Publicidade

Estado de Minas

Parque da Gameleira será reinagurado este mês

Obras de revitalização do Parque de Exposições Bolivar de Andrade, mais conhecido como Parque da Gameleira, serão concluídas neste mês. Espaço receberá 50 mil pessoas na 57ª Exposição Agropecuária, em junho


postado em 22/05/2017 06:00 / atualizado em 22/05/2017 07:47

Remodelação envolveu reconstrução de 80 currais e instalação de balanças, além de melhoria da infraestrutura(foto: Governo de Minas/Divulgação - 5/3/17)
Remodelação envolveu reconstrução de 80 currais e instalação de balanças, além de melhoria da infraestrutura (foto: Governo de Minas/Divulgação - 5/3/17)

Espaço tradicional de Belo Horizonte, principalmente quando se pensa em exposições e eventos em geral relacionados ao agronégocio, o Parque de Exposições Bolivar de Andrade – conhecido popularmente como Parque da Gameleira –, passou por melhorias e obras de revitalização. Foram investidos aproximadamente R$ 4,4 milhões pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig). A previsão é de que as obras estejam concluídas no fim deste mês, para que o parque já receba de 1º a 4 de junho a 57ª Exposição Agropecuária.

A revitalização envolveu quase todos os espaços do empreendimento. Foram executadas a pintura geral de 16 pavilhões para bovinos, com capacidade para abrigar 800 animais; 16 baias para o alojamento de equídeos (cavalos), com capacidade para cerca de 400 animais, e a pintura do pavilhão que pode alojar cerca de 150 cabras, bodes, ovelhas e carneiros. Além disso, o projeto de remodelação do parque incluiu a reconstrução de 80 currais e a instalação de balanças para pesagem de animais.

Nas áreas de apoio, houve adaptações nos banheiros para garantir a acessibilidade para portadores de necessidades especiais. A estrutura também recebeu melhorias, como a impermeabilização das lajes da arquibancada em frente à pista de julgamentos e o isolamento acústico do Pavilhão Redondo, local com capacidade para receber 600 pessoas e onde são realizados os leilões de animais. As obras dão condições melhores para a realização de eventos no local.
O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Pedro Leitão, afirma que o local extrapola a característica de um espaço para eventos. “O Parque da Gameleira é o local para a realização de eventos agropecuários, mas é, sobretudo, um espaço de identidade do produtor no meio urbano”, afirmou. As edições da exposição agropecuária estadual no parque reúnem milhares de visitantes. A expectativa dos organizadores é de que neste ano cerca de 50 mil pessoas participem do evento.

Quem também comemora a revitalização do espaço é o diretor-geral do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Marcílio de Sousa Magalhães. “É de suma importância esse gesto do Estado, uma vez que há mais de 20 anos o parque não sofria qualquer tipo de intervenção ou manutenção física”, destacou. No entendimento de Roberto Simões, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), a crise na economia, prolongada pela turbulência política, prejudicou vários setores, mas o agronegócio conseguiu driblar a recessão.

PROJEÇÃO NACIONAL Minas Gerais tem destaque no agronegócio nacional, liderando a produção brasileira de leite, com 9,3 bilhões de litros por ano, e mais da metade da produção de café  no país. Detém o segundo maior rebanho bovino, com 23,7 milhões de cabeças, e o maior plantel de equídeos, com cerca de 700 mil animais. O estado também se destaca no ranking nacional da produção de cana-de-açúcar, sorgo, feijão, banana e tomate.

As exportações do agronegócio mineiro parecem desconhecer os efeitos da crise, avançando 9,8% de janeiro a abril passado, quando comparado com o mesmo período de 2016. A participação da agricultura foi de 28,7%. De acordo com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), o valor comercializado soma US$ 2,47 bilhões. Levando-se em consideração o período de janeiro a março, os dados foram ainda mais animadores. Apesar de a participação do agronegócio ter sido um pouco menor, de 27,9%, a expansão de janeiro a março, ante idêntico trimestre do ano passado, foi maior e alcançou 16,9%.

1,2 mil animais


Os organizadores da feira agropecuária esperam receber no parque cerca de 50 mil pessoas, número que foi registrado na edição de 2016, com a presença de pecuaristas, produtores rurais, profissionais do agronegócio, estudantes de áreas afins ao setor e público em geral. A 57ª Exposição vai reunir cerca de 1,2 mil animais, incluindo, além dos caprinos e ovinos, exemplares de bovinos das raças brahman, guzerá, nelore, senepol e sindi; búfalos e equídeos das raças árabe, campolina, jumento pêga, manga-larga marchador, pampa e pônei. Estão previstos eventos técnicos e atividades nos galpões da agroindústria, piscicultura e floricultura.

Ovelhas e cabras de volta


Um dos destaques da 57ª edição da Exposição Agropecuária neste ano, além das diversas raças de bovinos e equídeos, é a volta dos rebanhos ovino e caprino. Os animais representam mercado em expansão em Minas Gerais. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em 2016, Minas detinha 81 mil cabeças de caprinos, sendo que 22% estão concentradas no Norte do estado. A participação de ovinos é representada por rebanho de 209 mil animais, cuja maior participação, com 18% do plantel, está no Triângulo Mineiro. O estado, ainda segundo o IBGE, é o sexto no ranking nacional de ovinos tosquiados, com 5 mil cabeças, e produziu 6,5 toneladas de lã em 2015.

Rivaldo Nunes, presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos do Estado de Minas Gerais (Caprileite), observa que o setor está em pleno crescimento. “Há grande demanda por produtos como queijo de cabra. É um mercado promissor e que se destaca pela produção de matrizes e reprodutores de rebanhos”, afirma.

Durante a exposição, será feito o lançamento do 2º sumário de avaliação genética de caprinos da raça saanen, resultado de parceria entre a Caprileite, Embrapa Caprinos e Ovinos e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Um dos destaques da 57ª edição da Exposição Agropecuária neste ano, além das diversas raças de bovinos e equídeos, é a volta dos rebanhos ovino e caprino. Os animais representam mercado em expansão em Minas Gerais. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em 2016, Minas detinha 81 mil cabeças de caprinos, sendo que 22% estão concentradas no Norte do estado. A participação de ovinos é representada por rebanho de 209 mil animais, cuja maior participação, com 18% do plantel, está no Triângulo Mineiro. O estado, ainda segundo o IBGE, é o sexto no ranking nacional de ovinos tosquiados, com 5 mil cabeças, e produziu 6,5 toneladas de lã em 2015. Rivaldo Nunes, presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos do Estado de Minas Gerais (Caprileite), observa que o setor está em pleno crescimento. “Há grande demanda por produtos como queijo de cabra. É um mercado promissor e que se destaca pela produção de matrizes e reprodutores de rebanhos”, afirma. Durante a exposição, será feito o lançamento do 2º sumário de avaliação genética de caprinos da raça saanen, resultado de parceria entre a Caprileite, Embrapa Caprinos e Ovinos e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade