Publicidade

Estado de Minas

Safra de milho será menor no país e com preço recorde

Colheita da primeira safra é feita com produto a preços 77% maiores do que em igual período de 2015. Oferta menor com a seca e exportações impulsionam valorização


postado em 16/05/2016 00:12 / atualizado em 24/05/2016 15:56

Pedro Pezutti é produtor de milho em Ibiá, no Alto Paranaíba (foto: Pedro Pezutti/Arquivo pessoal)
Pedro Pezutti é produtor de milho em Ibiá, no Alto Paranaíba (foto: Pedro Pezutti/Arquivo pessoal)
A esta altura do ano está entrando na reta final a colheita da primeira safra de milho. A cultura de verão tem preços recordes, impulsionada pela redução da área plantada, pela estiagem que provocou quebra da safrinha (ou segunda safra) em grandes regiões produtoras, e ainda por um boom das exportações, que encurtam o estoque nacional. Este mês, o preço da saca de 60 quilos, comercializada por R$ 42,80 na média do estado, registrou alta de 77% frente ao mesmo período do ano anterior.


Oferta menor no mercado interno somada às vendas aquecidas para o exterior é uma equação que tem como resultado a valorização do grão no ambiente doméstico. Para se ter ideia, no primeiro quadrimestre do ano, o país já exportou 15% da produção estimada para esta safra. O crescimento das exportações é recorde. Em Minas as vendas externas, de janeiro a abril, alcançaram alta surpreendente de 1.242%, calcula o superintendente de política econômica e agrícola da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), João Ricardo Albanez. “Com a desvalorização do real, houve uma demanda forte do mercado externo pelo milho brasileiro”, observa.

De janeiro a abril do ano passado, Minas Gerais exportou 9 mil toneladas do grão. Este ano o volume chegou a 120 mil toneladas. Já o total do país, que em 2015 vendeu ao mercado externo 5,1 milhões de toneladas, alcançou 12,2 milhões nos primeiros quatro meses do ano. Na avaliação do superintendente da Seapa, apesar da pressão internacional, o abastecimento interno está garantido, já que o consumo doméstico é estimado em 58,3 milhões de toneladas/ano para uma safra de 80 milhões.

Não há no horizonte expectativa de queda de preços a curto prazo. “Os preços devem seguir firmes até a colheita da segunda safra ganhar ritmo. Ou seja, até começo e meados de junho não estão descartadas altas. A disponibilidade interna é baixa e o clima tem prejudicado as lavouras de milho de segunda safra, em especial no Centro-Oeste”, comenta Rafael Lima Filho, analista da Scot Consultoria.

Segundo o analista, a partir de junho, a pressão de alta deve perder força, mas o patamar de preços será bem acima do verificado no mesmo período de 2015. “A BM&F Bovespa fala em um milho próximo de R$ 41 a R$ 42 por saca em setembro, frente aos R$ 29, R$ 30 por saca no mesmo período de 2015”, reforça Lima Filho. A partir de setembro, o que vai determinar o ritmo dos preços são as exportações e expectativas para a próxima safra.

Produtor de grãos em Ibiá no Alto Paranaíba, Pedro Pezzuti explica que muitos optaram por aumentar a área da soja, o que, junto com a seca que afetou a segunda safra e a demanda externa, está pressionando os preços. “A saca de milho valorizou bem e este ano ajuda o produtor, que vem de dois anos muito ruins, a recompor prejuízos passados”, argumenta. Segundo Pezzuti, a planilha do grão também vem sendo pressionada pela valorização do dólar e alta dos fertilizantes, insumos importados que representam 30% do custo da produção e são cotados de acordo com a oscilação da moeda norte-americana.

PRESSÃO NA CADEIA Se por um lado o milho dá um bom refresco para os produtores, aperta os custos na cadeia animal, como aves e suínos. No país, 60% da ração animal tem como base o milho. Até o ano passado, o grão representava 30% do custo da ração, e nos últimos 12 meses passou a representar perto de 50%. “A ração representa 70% do custo da produção”, diz José Arnaldo Cardoso Penna, vice-presidente da Associação dos Suinocultores de Minas Gerais (Asemg). Segundo ele, com a alta do insumo o custo da produção está acima de R$ 4 por quilo, enquanto o produto vem sendo comercializado a R$ 3,25, portanto, com prejuízo ao suinocultor.

Este ano, como as perspectivas apontam para preços firmes, José Arnaldo calcula que será necessário importar o produto, principalmente da Argentina, com a isenção do PIS e Cofins. Segundo o executivo, as associações de todo o país estão elaborando um documento a ser entregue ao novo ministro da Agricultura. “Defendemos que seja tomada alguma medida também para preservar as exportações brasileiras de aves e suínos. O preço do milho vem prejudicando enormemente o produtor. Muitas granjas já estão descartando as matrizes”, alerta.

SAFRA DE GRÃOS
Colheita menor do milho ajudou a puxar para baixo a safra brasileira de grãos, que deverá sofrer este ano a primeira queda em seis anos. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revisou suas estimativas, prevendo agora a colheita de 202,4 milhões de toneladas, um decréscimo de 2,5% ou de 5,3 milhões de toneladas frente a 2014/2015.

O milho da segunda safra foi fortemente afetado pela seca e a previsão é de uma colheita de 52,9 milhões de toneladas, resultado 3,1% menor que o do ano passado. No total, o país deve colher próximo de 80 milhões de toneladas, uma queda de 5,6% frente à safra 2014/2015, segundo a Conab. Em Minas Gerais, a colheita total, somando as duas safras, deve crescer 1,5%, alcançando 6,9 milhões de toneladas. No ranking da produção, Minas ocupa a quinta colocação, depois de Mato Grosso, Paraná, Mato Grosso do Sul e Goiás.

 

FESTA DOMILHO

Em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, onde há mais de meio século é realizada a Festa Nacional do Milho (Fenamilho), a previsão da organização é que apesar da crise que afeta a economia brasileira, o público se mantenha firme, com a participação de 40 mil pessoas por dia. A festa, que está em sua 58ª edição, será de 20 a 29 de maio. Os shows e rodadas de negócios devem movimentar diretamente perto de R$ 100 milhões, nos cálculos do Sindicato dos Produtores Rurais de Patos de Minas, organizador da festa agropecuária.

A festa do milho vai contar com mais de 20 shows de bandas, principalmente Munhoz & Mariano, Fernando & Sorocaba e Anitta, que abrem o primeiro dia. Outros artistas nacionais, como Lucas Lucco, Claudia Leitte, Zezé Di Camargo & Luciano, Matheus & Kauan, Wesley Safadão, Jorge & Mateus e Luan Santana também integram o roteiro. Segundo Elhon Cruvinel Borges, presidente do Sindicato Rural, a festa já conta com 20 mil passaportes vendidos e espera receber público, semelhante ao do ano passado, perto de 40 mil pessoas/dia.

Devido à crise que tem freado os gastos das famílias, a organização já prevê um menor tíquete médio no consumo. “Calculamos que a média de gastos do público deve cair em até 30%, como efeito da crise”, diz Cruvinel. A Festa do Milho, além da agenda de shows, espaço para comidas típicas, vai leiloar mais de 4 mil cabeças de gado nos leilões comuns e de elite. Este ano, a feira não vai contar com a Agrofena, onde há exposição de novidades no ramo de maquinários agrícolas e venda de tratores. A feira foi transferida para agosto.

As comidas típicas também fazem a festa dos participantes, de pamonhas a pratos gourmet feitos a partir da espiga. A festa também elege tradicionalmente a Rainha do Milho. Segundo Elhon Cruvinel, atualmente, Patos de Minas se destaca na produção de milho para sementes, que é, em sua maioria, comercializado para multinacionais do agronegócio.

 

Por dentro da safra

 

Veja a evolução do preço médio

Saca de 60 quilos

2015
Maio – R$ 24,1
Junho – R$ 22,1
Julho  – R$ 22,7
Agosto – R$ 23,4
Setembro – R$ 25,6
Outubro – R$ 29,5
Novembro – R$ 29,9
Dezembro – R$ 31,2

2016
Janeiro – R$ 37,4
Fevereiro  – R$ 39,8
Março – R$ 41,1
Abril – R$ 41,9
Maio  – R$ 42,8

No campo

Safra de milho 2015/2016 Resultado frente ao ano anterior

 

No Brasil 79,9 milhões de toneladas -5,6%
Em Minas 6,9 milhões de toneladas 1,5%


Maiores produtores

Estado     Produção em milhões de toneladas
Mato Grosso     19,8
Paraná             16,2
Mato Grosso do Sul     8,3
Goiás                7,7
Minas Gerais     6,9


Exportações de milho

De janeiro a abril

Brasil Minas
2015 5,1 milhões 9 mil
2016 12,2 milhões 120 mil

 

Produção X Consumo

 

 

79,9 milhões
é safra prevista para 2015/2016


58,3 milhões
é o consumo interno anual


15%
é o montante da produção exportado no primeiro quadrimestre


Ao redor do mundo

Maiores produtores (Em milhões de toneladas)

EUA     346,8
China     225
Brasil     *81,5
União Europeia     57,7
Argentina     25,6


Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg)

*Diferença entre a previsão da Conab e USDA, devem-se a metodologia da pesquisa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade