Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

A real lição do Chile

Se quisermos evitar o tipo de insurreição que ora incendeia o Chile, não basta a prontidão das forças da ordem. A agenda do país precisa mudar e com urgência


postado em 28/10/2019 04:00 / atualizado em 28/10/2019 07:15

Aqui do nosso lado, o Chile, tão celebrado como o modelo a ser imitado por toda a América Latina, enfrenta as maiores convulsões de sua história(foto: CLAUDIO REYES/AFP)
Aqui do nosso lado, o Chile, tão celebrado como o modelo a ser imitado por toda a América Latina, enfrenta as maiores convulsões de sua história (foto: CLAUDIO REYES/AFP)
A globalização é um fenômeno causado pela tecnologia e não uma mera escolha política. Depois que os meios de transporte  neutralizaram os custos das distâncias, e a comunicação digital eliminou as fronteiras do tempo, os homens e mulheres do mundo não estão mais separados por nada. Ninguém está mais protegido do mundo, ou do outro. Vivemos a mesma vida em todos os lugares e nada mais está muito longe de nós.

Os últimos dias têm sido o testemunho dessa nova realidade. Em lugares muito diversos, povo e governo estão em conflito nas ruas, por razões aparentemente diferentes, mas que, no fundo, são as mesmas: um profundo mal-estar econômico. Começou no local mais improvável, Hong Kong,  uma cidade rica e sujeita à soberania da China, um Estado autoritário e repressivo, onde o protesto político pode custar caro e exige uma coragem muito rara. Ir para as ruas ali não é uma aventura inconsequente, mas uma escolha existencial desesperada, que pode marcar as pessoas para sempre.

Em todas as partes do mundo a mídia vem transmitindo em tempo real o drama político que se desenrola naquela ilha longínqua. De repente, outras populações despertaram e saíram às ruas para protestar. Primeiro foi no Equador e paralisou o país, obrigando o governo a se refugiar fora da capital; em seguida, do outro lado da terra, no Líbano, o povo se rebelou, exigindo a mudança radical de tudo. Agora, aqui do nosso lado, o Chile, tão celebrado como o modelo a ser imitado por toda a América Latina, enfrenta as maiores convulsões de sua história, com o Exército nas ruas, toque de recolher e muitos mortos e feridos. O que é que está havendo, afinal? São culturas e economias muito diversas agindo do mesmo modo!

A primeira coisa a ser reconhecida é que finalmente somos uma aldeia global. Antigamente, os navios mercantes propagavam doenças de um extremo a outro da terra. Hoje, os sinais elétricos que carregam dados e imagens transmitem a todas as terras a raiva, a inquietação e até a esperança que são os agentes das convulsões políticas que arrastam as populações. Ao que parece, os governos e os sistemas políticos não estão preparados para lidar com esses fenômenos e as crises não dão sinal de arrefecer. O mundo ficou transparente e não basta mais cuidar apenas do nosso quintal.

''Hoje, os sinais elétricos que carregam dados e imagens transmitem a todas as terras a raiva, a inquietação e até a esperança que são os agentes das convulsões políticas que arrastam as populações''

Esse tipo de rebelião pode surgir hoje em qualquer país. O que acontece em outro lugar pode de repente acontecer conosco. Nosso mundo, apesar do progresso técnico e da abundância de bens de consumo, está se tornando um mundo infeliz. Depois de 100 anos de crescimento econômico e de aumento  da riqueza, a maioria dos países defronta-se  com declínio demográfico e estagnação da economia. Acomodar as expectativas das pessoas num ambiente de baixo crescimento já é uma tarefa muito difícil. Ela se torna impossível quando percebemos que o modo de funcionamento das economias modernas está elevando exponencialmente as desigualdades econômicas e a ação compensatória dos Estados está em pleno recuo em toda a parte.

Embora a pobreza extrema tenha diminuido globalmente, de um modo geral as pessoas, cuja renda está acima das linhas de pobreza, estão ficando mais pobres na maioria dos países, inclusive no Brasil. A economia global está cada vez mais desumana e o mal-estar pode alastrar-se e se  tornar intratável.

Nessas horas, é preciso abrir nossa imaginação e pensar além das crenças e da sabedoria convencional. O exemplo do Chile veio para nos despertar. Se seguirmos apenas os dogmas do capitalismo financeiro, que nos domina, nosso futuro pode ser a pobreza da população e a sua revolta desorganizadora.

Se quisermos evitar o tipo de insurreição que ora incendeia o Chile, não basta a prontidão das forças da ordem. A agenda do país precisa mudar e com urgência. O crescimento da economia brasileira é agora uma exigência existencial e é preciso encontrar um equilíbrio entre o Estado e o setor privado, O  crescimento sem Estado é um crescimento para poucos e um caminho muito perigoso, que pode levar ao abismo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade