Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Moído por almirante, Bolsonaro deveria se retratar ou renunciar de vergonha

Horas após ser humilhado publicamente, presidente finge que nada aconteceu e se mantém calado


10/01/2022 14:54 - atualizado 10/01/2022 15:07

O presidente Jair Bolsonaro participa de solenidade no Palácio do Planalto
Cartas se tornaram um instrumento de tortura para Bolsonaro (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
No Brasil, especialmente neste desgoverno miserável, escândalos e vexames políticos se sucedem como a noite e o dia. Mal termina um, e lá vem o outro. Às vezes, não respeitam nem mesmo as 24 horas do relógio e eclodem em um mesmo turno.

Para piorar, por aqui, tudo passa. Mesmo que demore, passa. Vejam Lula - o meliante de São Bernardo - e seu bando, o PT. Criaram o mensalão e mesmo assim ficaram no Poder durante anos, após o esquema de compra de votos ser descoberto. 

Daí, veio a Dona Doida - Dilma Rousseff - e nos brindou com o petrolão. Mas, tudo certo! Foi reeleita. Hoje, apesar de tudo o que fizeram de mal ao país, o lulopetismo segue firme e favorito para retomar o poder em 2023, depois da hecatombe bolsonarista.

BOLSONERO

Jair Bolsonaro - o verdugo do Planalto - é uma fábrica de escândalos, vexames e 'merdas' ambulante. De vez em quando, as fezes biológicas não saem, é verdade, e o idiota tem de desemtupir no hospital, mas as faladas... ôxe! Essas não cessam nunca.

Dias atrás, em mais um de seus virulentos e falsos ataques contra as vacinas, o amigão do Queiroz acusou, veladamente, a Anvisa de corrupção. Indignado, seu presidente, um militar reformado, o Almirante Barra Torres, publicamente desafiou Bolsonaro a provar.

Leia: 
Presidente da Anvisa desafia Bolsonaro a apresentar provas de corrupção


Numa carta direta, clara e cristalina, de forma brilhante, o presidente da Anvisa desnudou o ser (asqueroso), o pensamento (tosco) e a conduta (abjeta) que identificam o presidente da República. Uma humilhação pública raras vezes vistas na história.

CARTAS

Aliás, cartas se tornaram um instrumento de tortura para Bolsonaro. Primeiro, foi a carta de 'arrego', de rendição à sanha golpista, escrita por Michel Temer e assinada pelo maridão da 'Micheque', em que o mesmo rastejou aos pés do Ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Agora, vem essa maravilha do presidente da Anvisa. Um pá de cal definitiva sobre a cabeça oca e imoral do patriarca do clã das rachadinhas e das mansões milionárias. O idiota irá pensar duas vezes, daqui em diante, antes de acusar levianamente alguém.

Bolsonaro, se tivesse um pingo de vergonha na cara - e não tem! -, pediria desculpas ao militar pela acusação infundada. No limite, faria como os orientais, após vexames públicos, e (politicamente) cometeria suicídio; renunciaria. De novo: seria preciso vergonha. 

Mas, na lama em que chafurdam os bolsonaristas, nada é tão grave que não tratem como brincadeirinha de verão. Ou melhor: nenhum escândalo é tão grave que não o tratem como tratam suas rachadinhas e seus amigos milicianos.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade