Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Ricardo Valadares Gontijo recebe homenagem do Baleia

Engenheiro fundador da Direcional recebeu diploma de Amigo da Baleia. Hospital também batizou a ala 3 com o nome do CEO da empresa


postado em 13/02/2020 04:00 / atualizado em 12/02/2020 19:09

(foto: Direcional/divulgaÇÃO)
(foto: Direcional/divulgaÇÃO)

Hospital da Baleia
Homenagem à Direcional

O engenheiro Ricardo Valadares Gontijo, fundador da Direcional Engenharia, foi homenageado ontem pela direção do Hospital da Baleia, que deu à empresa o diploma de Amigo da Baleia. A homenagem se deve à cooperação que a Direcional vem dando ao hospital na realização de obras de reforma e melhoramento da instituição. A empresa reformou a ala de internação 2 e instalou novo telhado na unidade Baeta Vianna. Recentemente, reformou a ala 3, inaugurada no início do mês, que ampliou sua capacidade de atendimento mensal para 300 pessoas. O hospital batizou a ala 3 com o nome do CEO da empresa, Ricardo Valadares Gontijo.

Bom senso
Ministra Tereza Cristina

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, nascida em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, é uma líder ruralista de bom senso, que tem suas opiniões moldadas pelo lado pragmático, e não por orientação política. Esse espírito prático da ministra talvez pode se explicado pelo fato de que ela se formou em agronomia na Universidade Federal de Viçosa (UFV) e tenha adquirido um pouco da prudência mineira e independência de opinião em seus julgamentos. Por exemplo, no que toca à liberação do uso de agrotóxicos, ela já se declarou contra esse projeto do governo Bolsonaro, afirmando que o ministério não pode aprovar mais agrotóxicos simplesmente na base do “mais por menos”.

***

Vê com desconfiança a instalação da embaixada do Brasil em Jerusalém, porque sabe que os países árabes, grandes compradores de produtos agrícolas do Brasil, vão se afastar do país. É a favor de que a opinião dos povos indígenas seja respeitada e que eles tenham sua agricultura própria. Não aprova também a implantação do “imposto do pecado”. E justifica: o açúcar está sobrando no mundo, as bebidas alcoólicas já são supertaxadas e o cigarro nem se fala. E tem o cultivo do tabaco, importante para o Brasil. Também é contra a privatização da Embrapa, órgão essencial para a pesquisa no país. Com ela não tem coré-coré.

Fasano
Carnaval de luxo

Como o primeiro baile pré-carnavalesco a ser promovido neste sábado (15) pelo Hotel Fasano de BH será de gala, exigindo-se fantasia de luxo (de leve),os preços dos ingressos individuais foram cotados em R$ 300 para damas e R$ 400 para os cavalheiros. Para compensar, o regime vigente será de open bar premium. Menu à la carte. Início da festa à la Cinderela: meia-noite.

Sociedade Rural
Queda de barreira

A Sociedade Rural Brasileira, um dos redutos mais resistentes do país ao avanço feminino, que em 2019 completou 100 anos de existência, na reunião na segunda-feira, em São Paulo, para escolha de sua nova diretoria, capitulou. Pela primeira na história da instituição superconservadora foi eleita uma mulher para a presidência: a pecuarista Teresa Vendramini. Fica no posto até 2023. A resistência masculina está desmoronando.

Caminhada ecológica
Serra do Rola-Moça

Vem aí uma nova caminhada ecológica no Parque da Serra da Rola-Moça, promovida pela organização Zeladoria do Planeta, que este ano será acrescida com corrida de resistência. A caminhada será no domingo (16). Terá início às 7h e vai até as 12h. A entrada será no Barreiro de Cima, antes da fábrica da Precon. Inscrição gratuita. Participação aberta a todos os ecologistas. Mais informações no site www.zeladoriadoplaneta.com.br. Haverá venda de camisas para compra de mudas de árvores para o Rola-Moça.

Dez Tenores
No Palácio das Artes

Com a morte de Pavarotti, em 2007, o famoso show Os três tenores é só saudades há 13 anos. No entanto, para quem gosta do gênero, existe um outro espetáculo que vem satisfazendo o público com ferventes exibições desde 1995, quando foi fundado. Trata-se do grupo Ten Tenors, formado por cantores norte-americanos, que já deu 2.500 shows em todo mundo. É especializado no chamado “classic crossover”. Em março, o Ten Tenors (Dez Tenores) inicia turnê pelo Brasil. O espetáculo em Belo Horizonte está marcado para dia 20, no Palácio das Artes. Repertório extenso. Timbres vocais diferenciados.

Carro elétrico
Apresentação festiva

Um dos mais agitados badalos da temporada chuvosa em São Paulo, que ocorreu freneticamente impávido na terça-feira, foi o Mercedes-Benz Night, no Parque Estaiada, que reuniu mais de mil pessoas, inclusive as mulheres mais bonitas da Pauliceia desenfreada. A noitada foi para apresentação do carro 100% elétrico da montadora alemã, o EQC 400 4MATIC, o ápice do transporte sem produção de gás carbônico. O único defeito do carro é que é muito caro. Aconteceram manifestações ecológicas.

Genéricos
Negócio da China

Com os remédios cada vez mais caros, com os originais tendo seus preços reajustados três ou quatro vezes por ano, as indústrias farmacêuticas estão nadando de braçada. O aumento nas vendas dos genéricos no ano passado foi de 15%, alta que os analistas dizem que foi camuflada. O setor faturou R$ 10 bilhões o ano passado. Mais de 4 bilhões de medicamentos foram vendidos. No setor, o ruim para o pessoal de baixa renda é que até os preços dos genéricos estão aumentando.

Vale
Com pandeiro ou sem...

A Vale, surpreendendo o mercado, acaba de divulgar que sua meta de produção de minério de ferro para 2020 será a mesma que foi divulgada anteriormente, ou seja, de 340 milhões a 355 milhões de toneladas, superior à de 2019, que foi de 302 milhões. Isso quer dizer que sem pandeiro ou com pandeiro, ou seja, mesmo com as chuvas em Minas Gerais, com suas preocupações com as indenizações de Brumadinho e Mariana, com o coronavírus que afeta a China (sua principal compradora) e coisas assim, a empresa vai em frente. No seu balanço, a ser publicado dia 20, informará que em 2019 aprovisionou  verba de R$ 6 bilhões para Brumadinho: R$ 4 bilhões para reparações e compensações e R$ 2 bilhões para a desativação das barragens. A propósito, a Vale tem em Minas 40 milhões de toneladas de minério de ferro “paralisadas”.








*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade