Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Ex-governador Eduardo Azeredo vai lançar livro de memórias

Lançamento da obra está previsto para o primeiro semestre de 2020. O político mineiro traçará um panorama de sua vida pública


postado em 01/12/2019 04:00 / atualizado em 29/11/2019 16:34

(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press)
(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press)

O ex-governador Eduardo Azeredo retoma as atividades, readaptando-se à vida civil. Tem dedicado boa parte de seu tempo a escrever a parte final de um livro de memórias. Conta com a cooperação do jornalista Chico Brant e pretende lançar a obra no primeiro semestre de 2020. Aborda passagens interessantes e importantes de sua vida política, desde os tempos em que foi presidente da Prodemge, passando pelos cargos eletivos que ocupou: vice-prefeito e prefeito de BH, governador de Minas Gerais, senador da República e deputado federal. Azeredo tem trabalhado também na Fundação 
Amílcar Martins.

DOIS PAPAS
ENCONTRO DECISIVO

O filme Dois papas, do cineasta brasileiro Fernando Meirelles, que já rodou 30 festivais internacionais, terá sua estreia nos cinemas de BH em 6 de dezembro. Focaliza os papas Bento 16, prestes a renunciar, e o cardeal argentino Jorge Bergoglio, que logo depois foi eleito papa Francisco. Nos entendimentos entre os dois, Bento 16 procura convencer Bergoglio, que também queria renunciar ao cardinalato, a assumir o cargo de Sumo Pontífice. O grande ator Anthony Hopkins é Bento 16 e Jonathan Pryce interpreta Francisco. O lançamento na plataforma Netflix será em 20 de dezembro.

CONFRONTO
NO FÓRUM DE SP

O banqueiro mineiro Aloysio Faria, de 99 anos, no momento enfrentando desagradável batalha judiciária com o ex-genro Carlos Nascimento, que, por alta diletância, quer ficar com a metade da fortuna de US$ 2,5 bilhões do ex-sogro, contratou o escritório do renomado advogado Sérgio Bermudes para defendê-lo. Por sua vez, Nascimento, que não é bobo nem nada, contratou outro conhecido advogado paulistano para tocar sua causa: Modesto Carvalhosa, que nas eleições de 2018 foi candidato lame duck à Presidência da República. Portanto, teremos no Fórum de São Paulo um ardente terçar de lanças entre Bermudes e Carvalhosa.

BANCÁRIOS
A LUTA CONTINUA

O Comando Nacional dos Bancários continua em conversação com a Federação Nacional dos Bancos para acertar pontos referentes a mudanças estipuladas pela medida provisória do governo Bolsonaro que deu nova regulamentação ao setor, em vigor desde 12 de novembro. Três das mais importantes reivindicações dos bancários são manter a jornada de trabalho de seis horas diárias (e não de oito horas, como determina a MP), não trabalhar aos sábados, com agências permanecendo fechadas, e preservar a participação nos lucros e resultados. Nos próximos dias, algumas dessas reivindicações poderão ser resolvidas. Em outras deve haver impasse.
(foto: Mário Fontana/EM)
(foto: Mário Fontana/EM)

SEDE DA VALE
NO BELVEDERE

A Vale resolveu concentrar em um só local todos os escritórios de sua administração sediados em Belo Horizonte. Adquiriu 15 andares do Edifício Concórdia (foto), na região das Três Pistas, no Belvedere, o prédio mais alto de Minas Gerais, com 44 andares. A adaptação para receber a empresa já está sendo feita e deve se encerrar no início de 2020. Enquanto isso, sobram 29 andares a serem ocupados no magnífico prédio construído pela Caparaó.

CAMINHONEIROS
PREOCUPAÇÃO CONSTANTE

A greve dos caminhoneiros que ocorreu de 21 de maio a 1º de junho de 2018 deixou sequelas tão grandes que até hoje o governo se inquieta quando há suspeita de que algo semelhante possa se repetir. A fim de evitar repeteco do movimento, o governo Bolsonaro criou benesses para a classe, muitas das quais, curiosamente, vêm sendo ignoradas pelos caminhoneiros.

• • •

Por exemplo, foi aberta linha de crédito de R$ 500 milhões a juros baixos e outras vantagens para a categoria, que não deu a mínima. Apenas 12 caminhoneiros se interessaram pelo empréstimo. Como o total emprestado foi de R$ 350 mil, estão sobrando R$ 499,6 milhões a serem emprestados. Até mesmo o “cartão caminhoneiro”, que garante preço fixo do diesel, é pouco procurado.

PROTESTO
ÍNDIOS AMEAÇADOS

Sociólogo de BH e estudioso dos povos indígenas brasileiros, que pede para não ter o nome citado, enviou extenso estudo à coluna. Afirma que está alarmado com as atuais diretivas que o governo federal dá à política voltada para os indígenas. Esclarece que esses povos se encontram no Brasil há mais de 40 mil anos, vindos da Ásia depois de cruzar o Estreito de Bhering. Durante milhares de anos, criaram o modo de vida e a estrutura social, religiosa e econômica que lhe são convenientes. Adaptaram-se à vida na floresta, a qual respeitam. Foram violentados pelos brancos desde o início da colonização. Eram cerca de 5 milhões, mas hoje não passam de 400 mil a 600 mil. De acordo com o especialista, esse sistema de vida não pode ser mudado de uma hora para outra, atendendo a interesses mercantilistas. Não dá para a coluna abordar todo o arrazoado. Resumindo, o e-mail 
é de protesto.

TEATRO FELUMA
DETALHES TÉCNICOS

O Teatro Feluma, que será inaugurado amanhã no sétimo andar do prédio da Faculdade de Ciências Médicas, vai presentear Belo Horizonte com uma casa de espetáculos de 410 lugares, dotada de todos os recursos técnicos para abrigar peças, shows e balés. Conta com camarins, sala de ensaios, coffee shop e amplo hall de entrada, que pode receber mostras de arte e lançamentos literários. Quatro dias depois de inaugurado, já entra em ação, com a estreia da peça O palco iluminado. O diretor artístico da casa é o médico Jair Raso. O realizador da obra é o médico Wagner Eduardo Ferreira, presidente da Fundação Educacional Lucas Machado (Feluma).

Alessandro e Umberto Cerri com o presidente da Casa Fiat de Cultura, Fernão Silveira, e Valentino Rizzioli na abertura da mostra Percorsi italiani (foto: Leo Lara/Divulgação)
Alessandro e Umberto Cerri com o presidente da Casa Fiat de Cultura, Fernão Silveira, e Valentino Rizzioli na abertura da mostra Percorsi italiani (foto: Leo Lara/Divulgação)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade