Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Simone Tebet é pré-candidata do MDB, mas o apoio do PSDB ainda é incerto

Senadora do Mato Grosso do Sul diz ter certeza de que poderá contar com tucanos em sua campanha


26/05/2022 04:00 - atualizado 26/05/2022 07:58

Baleia Rossi, Simone Tebet e Roberto Freire
Simone Tebet posou para foto com Baleia Rossi e Roberto Freire (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Ao lado dos presidentes do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), e do Cidadania, ex-deputado Roberto Freire, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse ontem que contará com apoio do PSDB para consolidar sua candidatura de “centro democrático”, como preferiu denominar a chamada “terceira via”. O presidente do PSDB, deputado Bruno Araújo (PE), grande artífice da retirada da candidatura do ex-governador tucano João Doria, não participou da entrevista coletiva. Há tensões ainda no PSDB, embora o grupo responsável pela remoção de Doria da disputa, encabeçado pelo governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, apoie o nome de Simone.

A reunião da cúpula do PSDB, que havia sido adiada de terça para hoje, também foi suspensa. A Pesquisa CNN/RealTime Big Data para as eleições presidenciais de 2022, divulgada ontem, sem o nome de Doria entre os candidatos, foi um banho de água fria nas articulações internas da legenda a favor da peemedebista. A pesquisa mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 40% das intenções de voto no primeiro turno, seguido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), com 32%; e por Ciro Gomes (PDT), com 9%. Depois aparecem André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB), com 2%, e Luciano Bivar (União Brasil), com 1%.

Na pesquisa com todos os candidatos, Doria aparecia com 4%. Esses votos foram redistribuídos entre Lula (1%), Bolsonaro (1%), Ciro Gomes (1%) e Simone (1%). Não pontuaram os pré-candidatos Vera Lúcia (PSTU), Pablo Marçal (Pros), Sofia Manzano (PCB), Felipe d’Avila (Novo), Leonardo Péricles (UP) e José Maria Eymael (DC). Branco ou nulo somam 9%. Os indecisos e os que não responderam são 5%. Foram ouvidas por telefone 3 mil pessoas entre segunda-feira (23) e terça (24). A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Com esses números, a ala do PSDB que defende uma candidatura própria ganhou novo fôlego, com o argumento de que seria preciso aguardar mais algumas semanas para decidir os rumos da legenda, apesar das expectativas das cúpulas do MDB e do Cidadania de que o apoio a Simone Tebet se consolide logo. O adiamento dessa decisão reforça a percepção de que o objetivo principal da maioria dos deputados tucanos seria cuidar da própria reeleição e da manutenção dos governos estaduais, principalmente o de São Paulo.

O presidente do MDB, Baleia Rossi,  é o grande patrono da candidatura de Simone, não apenas porque controla 20 dos 27 diretórios regionais do MDB, mas porque também tem um papel importante nas eleições em São Paulo. O governador Rodrigo Garcia está numa situação difícil, em quarto lugar nas pesquisas, atrás de Fernando Haddad (PT), que lidera, Márcio Franca (PSB) e Tarcísio Freitas (PR). Precisa do apoio do prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB), para garantir uma base de apoio robusta na maior metrópole do país. Sem isso, corre o risco de não ir sequer ao segundo turno.

São Paulo

Rodrigo Garcia é a principal âncora da candidatura de Tebet no PSDB, mas isso pode não se traduzir em intenções de votos. É o que as pesquisas estão mostrando. No momento, a prioridade de Garcia é construir uma aliança pirata com Márcio França, que passou a ser o principal obstáculo para que chegue ao segundo turno. O ex-governador divide mais votos com o tucano do que com Haddad. Isso explica a razão de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o próprio PT não se esforçarem para remover a candidatura de França ao Palácio dos Bandeirantes.

A situação é tão dramática que a eventual candidatura de França ao Senado, na chapa de Haddad e na aba do chapéu do vice de Lula, o ex-governador Geraldo Alckmin, já seria de grande serventia para Garcia, pois amplia as condições para que ultrapasse Freitas, o candidato do presidente Jair Bolsonaro, o que está sendo muito difícil. A verdade é que o xadrez eleitoral paulista continua sendo um vetor decisivo das articulaçoes da “terceira via”, porém, não é a prioridade dos tucanos paulistas. A preocupação maior é manter o controle do Palácio dos Bandeirantes. Doria pagou por isso.

Em contrapartida, bem ao estilo dos caciques do MDB, a cúpula da legenda endossou a candidatura de Simone Tebet. Nem os que apoiam o ex-presidente Lula, a maioria do Nordeste, nem os que estão defendendo a reeleição do presidente Jair Bolsonaro, no Sul do país, têm força para impor suas orientações ao partido. A candidatura de Simone se equilibra nessa igualdade dos contrários, num partido que tem tradiçao de cristianizar candidatos, como aconteceu com Ulysses Guimarães, em 1989; Orestes Quércia, em 1994; e Henrique Meirelles, em 2018.

Simone Tebet é uma novidade na disputa eleitoral, por seu perfil liberal progressista e por  carregar a bandeira do empoderamento das mulheres, além um olhar feminino sobre os problemas nacionais. Sobretudo a agenda dos direitos humanos, do combate à exclusão e às desigualdades sociais.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade