Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Indicação de Ciro Nogueira para a Casa Civil pode ter subido no telhado

Não se deve subestimar a aliança de Bolsonaro com o Centrão, que dar estabilidade ao governo no Congresso


27/07/2021 04:00 - atualizado 27/07/2021 07:10

Senador Ciro Nogueira deve se reunir com Bolsonaro hoje para decidir se assumirá ministério(foto: JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO - 5/5/21)
Senador Ciro Nogueira deve se reunir com Bolsonaro hoje para decidir se assumirá ministério (foto: JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO - 5/5/21)
A reunião do presidente Jair Bolsonaro com o senador Ciro Nogueira (PI), presidente do PP, foi transferida de ontem para hoje, na versão oficial, porque o avião no qual retornou do México atrasou. Nos bastidores, porém, a ida do parlamentar para a Casa Civil do Palácio do Planalto está no telhado.

O presidente da República cogitaria dar “meia-volta, volver” no deslocamento do general Luiz Ramos (aquele que foi “atropelado por um trem”) para a Secretaria-Geral da Presidência, com o argumento de que a Casa Civil tomaria muito tempo de Nogueira, cuja principal tarefa seria a articulação política.

A ida de Ciro Nogueira para a Secretaria-Geral da Presidência só fará sentido se for um desejo do próprio; se for um recuo de Bolsonaro, porém, mesmo que o senador aceite a tarefa, será um sinal de que o empoderamento do Centrão no Palácio do Planalto foi apenas uma flor do recesso.

A entrega da Casa Civil ao Centrão descontenta os seguidores de Bolsonaro nas redes sociais e os militares que controlavam a Esplanada, pois a Casa Civil tem um papel estratégico na coordenação da administração federal. Entretanto, na Secretaria-Geral, Ciro Nogueira não terá a força política que seus aliados no Congresso esperam.

Não faltam motivos para a mexida no Palácio do Planalto na metade do terceiro ano de mandato. O tempo ruge para Bolsonaro, que lidou com o relógio como se esse não fosse o recurso mais escasso de seu mandato. O presidente da República perde o foco com atos de repercussão de negativa e assuntos que não são prioritários, ainda que emulem seus seguidores. O tempo perdido já cobra seu preço nos indicadores do governo. Basta olhar para os problemas reais do país, a começar pela crise sanitária.

Ontem, nove capitais registraram falta de vacinas – Belém, Campo Grande, Florianópolis, João Pessoa, Rio de Janeiro, Salvador e Vitória –, o que é um atestado de incompetência do ministro da Saúde. Marcelo Queiroga. Ou seja, quatro ministros depois, as falhas do governo federal na coordenação do combate à pandemia continuam. Mesmo com o Congresso em recesso, portanto, sem as sessões da CPI da COVID-19, Bolsonaro continua acumulando notícias negativas na Saúde.

A vacinação avança num ritmo lento, apesar dos esforços dos estados para controlar a pandemia. A edução do número de mortes diárias – foram 578 óbitos causados pela doença e 18.999 novos casos notificados nas últimas 24 horas –, não reduz o trauma de 550 mil mortos.

Aposta na galinha

O mau desempenho do governo é escandaloso na saúde, mas isso não significa que em outras áreas tudo esteja bem. Houve um desmonte de políticas públicas na educação, com universidades e outros estabelecimentos federais de ensino à míngua, crise de financiamento na rede privada e evasão escolar generalizada.

A ausência de uma política de habitação adequada somada à pandemia, apesar do bom desempenho do mercado imobiliário, multiplicou a população em situação de rua nas grandes e médias cidades. Na segurança pública, a liberação da venda de armas e a truculência policial fez explodir o número de mortes por arma de fogo, ou seja, a violência e a insegurança aumentaram.

Na área econômica, o agronegócio e a mineração vão bem, obrigado, porém, a política oficial de agressão ao meio ambiente cobra seu preço. As mudanças climáticas estão em toda parte e, com isso, as pressões internacionais sobre o governo aumentarão.

As enchentes na Alemanha, Holanda e outros países europeus farão recrudescer os protestos e retaliações contra o governo brasileiro e produtos brasileiros; ao mesmo tempo, aqui no Brasil, os incêndios provocados pela seca já começaram e ainda teremos uma crise energética. Bate à porta uma inédita onda de frio, para a qual muitos não estão preparados, e o governo não tem sequer um plano de contingência, apesar dos alertas dos meteorologistas.

Alta da inflação, juros subindo, 17 milhões de desempregados, mesmo com uma expectativa de crescimento em torno de 5% neste ano, o ambiente econômico é muito ruim para a maioria da população. Como acontece nas crises, os mais pobres estão mais pobres. Entretanto, a retomada do crescimento é um fator positivo, que alimenta as esperanças do mercado, do ponto de vista da rentabilidade das empresas, e do próprio Bolsonaro.

Um voo de galinha da economia, em ano eleitoral, pode embalar o projeto de reeleição. Por essa razão, não se deve subestimar a aliança de Bolsonaro com o Centrão. Além de dar mais estabilidade ao governo no Congresso, pode impactar seu desempenho eleitoral, turbinando candidaturas de seus aliados nos estados e o desempenho do governo na ponta do clientelismo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade