Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Entre Linhas

O rolo compressor do Planalto para tentar eleger Arthur Lira na Câmara

Bolsonaro pressiona e enfrenta cada vez a oposição de Rodrigo Maia


28/01/2021 04:00 - atualizado 28/01/2021 07:36

Arthur Lira é o candidato de Jair Bolsonaro para comandar a Câmara (foto: CÂMARA DOS DEPUTADOS/DIVULGAÇÃO)
Arthur Lira é o candidato de Jair Bolsonaro para comandar a Câmara (foto: CÂMARA DOS DEPUTADOS/DIVULGAÇÃO)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estima os gastos do Palácio do Planalto para anabolizar a candidatura do deputado Arthur Lira (PP-AL) à Presidência da Casa em R$ 20 bilhões. É muita grana em emendas extraordinárias para um orçamento já comprometido devido à dívida pública da União, que deve chegar a R$ 1 trilhão.

O toma lá dá cá é o abre alas de uma guinada populista do governo, para consolidar a base governista na Câmara e no Senado, num ambiente de queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

A outra opção é não cumprir os acordos, o que também pode acontecer, porque Bolsonaro já deu mostras de que nem sempre honra os compromissos assumidos por seus articuladores políticos.

Às vésperas de deixar o comando da Câmara, Maia queima os navios com o Palácio do Planalto. Tem criticado duramente a interferência direta do presidente da República nas eleições da Mesa e está praticamente rompido com o presidente do DEM, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, que fechou com Lira, de olho na sua candidatura a governador da Bahia.

O futuro de Maia é incerto, mas seus interlocutores estão convencidos de que o parlamentar fluminense pretende assumir uma posição de liderança no bloco de oposição ao governo. Especula-se até que esteja desembarcando do DEM. Parcela expressiva da sua bancada refuga o apoio ao deputado Baleias Rossi (MDB-SP), candidato de Maia ao comando da Câmara.

Rodrigo Maia teria sido convidado para assumir o comando da Casa Civil do governo de São Paulo, tornando-se o principal articulador da candidatura do governador João Doria (PSDB) à Presidência da República.

Faz sentido, porque o presidente da Câmara assumiu um discurso liberal-democrata radical de oposição ao governo. Com isso, o bloco que lidera vem sofrendo sucessivas defecções em razão do trabalho de sapa dos articuladores do governo e seu candidato, Arthur Lira.

Ao subir o tom contra o presidente Jair Bolsonaro, Maia aposta numa separação mais nítida entre o bloco governista e a oposição. Entretanto, isso estressa a bancada. Lira se aproveita da situação e pressiona para que os deputados do DEM que o apoiam forcem a bancada a romper formalmente com Rossi, o que deixaria Maia pendurado no pincel.

Uma situação como essa praticamente o empurraria para fora do DEM. Seria até meio desmoralizante, para quem já foi presidente da legenda. Lira já consolidou o apoio de 30 deputados do PSL, que ontem se encontraram com o presidente Jair Bolsonaro. Luciano Bivar (PE), presidente da legenda, também teria desembarcado da candidatura de Rossi.

Avulsos


Na guerra de informações sobre o comportamento das bancadas, a incógnita é a densidade. dos demais candidatos, que podem levar a disputa entre Lira e Rossi para o segundo turno.

Se forem somados todos os votos que os candidatos dizem ter, a Câmara teria muito mais do que 513 deputados. Os demais candidatos são: Alexandre Frota (PSDB-SP): Candidato avulso. Defende uma Câmara independente em relação ao Executivo e a abertura de processo de impeachment de Bolsonaro.

André Janones (Avante-MG): Candidato avulso. Promete pautar a volta do auxílio emergencial. Cinco deputados apoiam publicamente sua candidatura, mas calcula que pode chegar a 10 parlamentares nas eleições, que serão realizadas com voto secreto.

Capitão Augusto (PL-SP): Candidato avulso. Coordenador da frente parlamentar de segurança pública, conhecida como a bancada da bala, tem conversado com deputados de "bancadas vocacionadas", como a evangélica.

Fábio Ramalho (MDB-MG): Candidato avulso. Tem investido no contato individual com os parlamentares do baixo clero, onde transita muito bem.  Defende a independência da Câmara.

Marcel van Hattem (Novo-RS): Candidato oficial do Novo, partido que conta com 8 deputados. Aposta no diálogo e está empenhado em construir pontes com os parlamentares.

Luiz Erundina (PSOL-SP): A legenda contesta a aliança dos partidos de esquerda com Baleia Rossi, mas a candidatura da ex-prefeita de São Paulo não unificou a bancada.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade