Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DE JAECI CARVALHO

Atlético e Flamengo sempre protagonizam grandes jogos

Galo e Fla sem público, sem torcida, sem aquele charme de outrora, mas, ainda assim, é Atlético x Flamengo!


07/07/2021 05:00 - atualizado 06/07/2021 23:53

Galo, do técnico Cuca, tem duro adversário pela frente nesta quarta-feira(foto: Pedro Souza / Atlético)
Galo, do técnico Cuca, tem duro adversário pela frente nesta quarta-feira (foto: Pedro Souza / Atlético)


Hoje é dia de Atlético x Flamengo, no Mineirão. Quantos clássicos cobri, tanto no Gigante da Pampulha quanto no Maracanã com mais de 100 mil torcedores nas arquibancadas. 


Um dos mais marcantes, em 1986, eu estava atrás do gol do saudoso goleiro rubro-negro, Zé Carlos, trabalhando pela TV Manchete, e houve uma penalidade para o Galo. Nelinho ajeitou a bola e ouvi o goleiro dizer: “vou pegar”. Nelinho olhava para ele e para a bola. Todos conhecíamos o canhão que Nelinho tinha. E todos esperávamos aquela bomba, indefensável. Porém, o lateral surpreendeu. Deslocou o goleiro, bateu devagarzinho e a bola apenas passou da linha do gol, sem tocar na rede. Foi 1 a 0 para o Galo, e Nelinho deu o troco: “Busca lá, no fundo do gol”. Nelinho foi um dos maiores laterais-direitos do mundo. Tecnicamente eu aponto Leandro, depois Nelinho e, em terceiro, Carlos Alberto Torres, o saudoso Capita!

Lembro-me também de um clássico no Maracanã. Eu era estudante, mas adorava ver Reinaldo jogar. Éder bateu uma falta, a bola explodiu na trave e sobrou para Reinaldo fazer 1 a 0. Essa partida foi 3 a 1 para o Galo. Como esquecer aquela decisão do Brasileiro de 1980. Eu estava na arquibancada, entre os torcedores. Mais de 140 mil pessoas espremidas. O Flamengo fez 1 a 0, eu comemorava com os milhares de rubro-negros, e quando acabamos de comemorar, já estava 1 a 1. Não vimos o gol de Reinaldo, logo em seguida. Eram grandes jogos e grandes clássicos. O Flamengo fez 2 a 1, Renaldo, com “uma perna só”, pois estava machucado, empatou. O 2 a 2 dava o título ao Galo, e houve duas jogadas marcantes: a primeira quando Palhinha recebeu diante de Manguito e o bandeira, se não me engano, Agomar Martins, deu impedimento. Uma vergonha! Palhinha estava uns 3 metros antes de Manguito, em posição legal. O outro foi com Pedrinho, que, cara a cara com Raul, isolou a bola. O gol de Nunes, aos 38 do segundo tempo, selou o primeiro título brasileiro do Flamengo. 

Em entrevista a mim, Nunes disse: “Olhei para o Silvestre e mostrei o Cristo, quando ele voltou a bola já estava na rede” (risos)

Houve aquele fatídico jogo no Serra Dourada, no qual José Roberto Wright expulsou meio time do Atlético e estragou um grande clássico. Daí para a frente, a torcida alvinegra tomou ódio do Flamengo e dos flamenguistas, como se os jogadores ou torcedores tivessem culpa. 

Em entrevista com Zico, ele disse: “Nós queríamos jogar, eram dois grandes times e a base da Seleção de 1982. Éramos amigos. Ninguém queria que aquilo acontecesse. Não temos culpa. Qualquer um dos dois que passasse, seria o campeão, como foi o Flamengo”.

Em 1987, na Copa União, o Galo ganhou os dois turnos. O técnico era Telê Santana. Pelo regulamento, o Flamengo ficou em segundo lugar e enfrentou o próprio Atlético na semifinal. No Maracanã, 1 a 0, gol de Bebeto. No Mineirão, Flamengo 3 a 2. O rubro-negro foi à final de venceu o Inter por 1 a 0, gol de Bebeto, sagrando-se campeão. 

Depois, em vários jogos, o Galo levou vantagem. Aquele 6 a 1, em Ipatinga, os 4 a 0, do ano passado, no Brasileiro. Enfim, Fla e Atlético sempre fazem grandes jogos. Rivalidade à parte, é um dos maiores, senão o maior clássico interestadual.

Hoje, teremos mais um, no Mineirão, às 19h. O Flamengo terá as voltas de Arrascaeta, Islas e Pires da Mota. O Galo não terá seu grande cérebro, Nacho Fernández, machucado, mas terá Hulk, que mesmo sem fazer gol há 7 jogos, tem contribuído para os companheiros marcarem. 

Galo e Fla sem público, sem torcida, sem aquele charme de outrora, mas, ainda assim, é Galo x Flamengo! Um jogo que não define título, a exemplo do ano passado, quando o Flamengo perdeu as duas e acabou campeão, com o Atlético em terceiro lugar. 

Tenho um amigo que diz que quando vale taça, o Flamengo ganha. Quando vale apenas pontos, dá Galo. Os títulos conquistados pelo rubro-negro mostram isso. Então, resta saber se o torcedor atleticano prefere golear o Flamengo, ou ficar com a taça no fim do ano ou, quem sabe, as duas coisas. Bom jogo aos torcedores do bem. Mesmo com o futebol brasileiro na lama, é e sempre será  Atlético x Flamengo!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade