Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Robson, um inocente prestes a ser condenado

Fernando, será que seus milhões de dólares deixarão você ter uma vida livre, sabendo que há alguém pagando por um crime que sua família cometeu?


postado em 26/03/2020 04:00

Volante Fernando, que começou no Grêmio, já defendeu a Seleção Brasileira e agora está no Beijing Guoan, da China(foto: China OUT / AFP / STR)
Volante Fernando, que começou no Grêmio, já defendeu a Seleção Brasileira e agora está no Beijing Guoan, da China (foto: China OUT / AFP / STR)


Fernando foi um volante medíocre e inexpressivo no Brasil. Mas, do Grêmio, onde se formou, foi jogar na Rússia e ganhou dinheiro e projeção, sendo um dos reservas de Felipão na Copa das Confederações. Uma dessas aberrações que os ultrapassados técnicos brasileiros cometem. Mas o assunto não é esse especificamente, e sim a covardia que esse jogador e sua família fazem com Robson, contratado como motorista, e sua mulher, Simone, como cozinheira da família de Fernando.

Eles embarcaram para Moscou há um ano e, lá, foram detidos no aeroporto, por transportarem uma mala, enviada pela família da mulher de Fernando, contendo caixas do remédio cloridrato de metadona, que seriam usados pelo sogro de Fernando, Willian Pereira de Faria. Essa substância é considerada droga na Rússia, e Robson foi preso e está confinado numa penitenciária a 80 km de Moscou, com a perspectiva de ser condenado a 15 anos de cadeia.

Fernando foi jogar na China e abandonou o funcionário, a quem não pagou um centavo sequer, num país, frio, com uma língua que ele não entende. O Esporte Espetacular falou sobre o assunto e, além de Fernando, as autoridades brasileiras podem ajudar, na diplomacia. Os advogados de Robson dizem que se ele confessar o crime pode pegar uma pena inferior a sete anos, e poderia ser extraditado para o Brasil, onde não seria punido, já que essa substância não é considerada crime em nosso país. Em resumo, é isso.

Meus amigos e minhas amigas, como pode um ser humano deixar que alguém pague por ele um crime que a pessoa não cometeu? É sabido que os jogadores brasileiros, em sua maioria, se sentem acima do bem e do mal, mas é um ato desumano, covarde, mesquinho e cruel.

Robson e Simone foram contratados com a promessa de salário em torno de R$ 14 mil mensais, com casa e comida de graça. Era a chance de conseguirem juntar um dinheirinho e melhorar a vida da família. Humildes e simples, nunca haviam voado de avião, nem tampouco cruzado o Atlântico. Era a viagem e o emprego dos sonhos, mas o pesadelo começou depois de 18 horas de viagem, assim que entraram na imigração russa.

Robson e a mulher ficaram detidos no aeroporto por mais de 17 horas, foram liberados para entrar no país. Porém, o processo contra Robson começava ali e alguns dias depois, ele foi preso e mandado para a penitenciária, onde está até hoje. Um ano depois, o rapaz e sua família estão desesperados. Fernando, mulher, sogro e sogra saíram da Rússia. Hoje o jogador atua na China, no Beijing Guoan, mas na época atuava no Spartak Moscou. Ele deve estar ganhando milhões de dólares, mas será que consegue dormir depois de abandonar alguém inocente pagando por um crime que sua família cometeu?

O drama de Robson é de todos nós. Eu, que trabalho no futebol há décadas, sei muito bem como funciona isso. Os jogadores gostam de ter os mais humildes sob suas ordens e não medem consequências. A sogra de Fernando pôs os remédios na mala, misturados com roupas, e não avisou a Robson, nem a sua mulher, do que se tratava.  Ele não fez a mala e nem a abriu. Simplesmente a levou, por determinação dos novos patrões. Curioso é que uma semana depois que o casal chegou à Rússia, o sogro de Fernando saiu do país, com destino ao Brasil, e nunca mais pisou lá. Com certeza sabia que se assumisse o crime estaria agora na cadeia, no lugar do inocente Robson.

As autoridades brasileiras deveriam entrar no circuito e cuidar do rapaz. Uma carta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pode começar a acelerar o processo de extradição. Não é possível que as autoridades brasileiras façam o mesmo que o Fernando fez, e abandonem um filho da nossa terra. A Rússia está no seu papel. Se a substância é proibida, realmente eles têm o direito de deter a pessoa. O único problema é que os remédios não eram de Robson, e nem para seu uso, e sim para o sogro de Fernando.

Não me lembro desse medíocre jogador, pois realmente ele não tem histórico no futebol. Mas, se for alguém pelo menos religioso, que ponha a mão na consciência, volte a Moscou e assuma que aquilo foi enviado pela sogra e que Robson e a mulher não sabiam o que estavam transportando, pois a mala lhes foi entregue fechada e continuou assim até que eles chegassem à imigração russa.

Fernando, será que você consegue dormir? Será que seus milhões de dólares deixarão você ter uma vida livre, sabendo que há alguém pagando por um crime que sua família cometeu? Cara, tenha dignidade de assumir o erro. Não deixe um justo pagar por um pecador. Tenha honradez e volte a Moscou para libertar o rapaz. É o mínimo que esperamos. Ou então mande seu sogro assumir que os remédios eram para ele e que as pessoas que o transportavam não sabiam o que estavam levando. Não se esqueça que a Justiça dos homens pode até falhar, mas a divina, dessa meu caro, você não vai escapar. Não adianta você querer pagar advogados e assumir as custas do processo. A única coisa certa a fazer é desembarcar em Moscou e assumir a culpa. Não há outro caminho, sob pena de um inocente apodrecer na cadeia por um crime que não cometeu. Você tem filhos, pense neles. Imagine se isso estivesse acontecendo com um filho seu?

EM CASA

Eu, minha mulher e meus filhos estamos confinados, em casa, cumprindo à risca as determinações das autoridades de saúde dos Estados Unidos com relação à pandemia do Coronavírus. Não há outro remédio a não ser ficarmos juntos, evitando contrair a doença ou propagá-la. Acreditamos nas autoridades da saúde, em ninguém mais!



Publicidade