Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Reflexão sobre o Natal

Por que os temas natalinos gravados por artistas brasileiros têm pouca repercussão? Talvez por utilizarem elementos pouco adaptados para um Natal em pleno verão%u2019


postado em 26/12/2019 04:00

(foto: James Devaney/FilmMagic )
(foto: James Devaney/FilmMagic )



Na maioria dos momentos marcantes de nossa vida temos uma trilha sonora associada. Isso normalmente acontece com a primeira namorada, uma viagem de férias onde todos cantavam a mesma música ou alguma cantiga de ninar que marcou a sua infância. No momento de formação da nossa personalidade, também formamos o nosso gosto musical e isso é um registro eterno, como se fosse uma tatuagem, que não se apaga. Quanto mais velhos ficamos, menos paciência temos para conhecer novos artistas ou mudar nossos hábitos. É a frase que sempre escutei dos meus pais. “A música do meu tempo era bem melhor.” Estamos na época do ano onde passamos por uma variação incrível de ritmos e temas. Começamos com músicas natalinas e suas letras reflexivas. Passamos para ritmos mais animados no verão e chegamos à apoteose com os sucessos instantâneos do carnaval.

Como o ano ainda não acabou, fiz um resumo do que encontrei com temas natalinos. O álbum mais conhecido por aqui foi gravado pela cantora Simone e recebeu muitas criticas na época. Achei músicas de Ivan Lins com o mexicano José Feliciano, Chitãozinho e Xororó, Agnaldo Rayol, Luan Santana, Daniel, um álbum completo do Roupa Nova, Roberto Carlos e uma versão que o Skank fez para o programa da Xuxa que nem eu me lembrava.

Mas nada se compara com artistas ingleses ou americanos. Aqui, uma pequena lista de quem já gravou temas de Natal: Paul McCartney, Frank Sinatra, Justin Bieber, Elvis Presley, Michael Bublé, Ariana Grande, Bruce Sprinsteen e a famosa Happy Xmas de John Lennon, que tem uma letra mais voltada para a paz do que para o Menino Jesus. O álbum mais conhecido na terra de Donald Trump é da cantora Mariah Carey (foto) lançado em 1994. Recentemente, conversando com meu amigo e produtor musical Ruben di Souza , descobri que esse álbum foi produzido por um brasileiro, filho de estrangeiros, pouco conhecido por aqui chamado Walter Afanasieff.

Fiz toda esta reflexão pois não consigo entender por que os temas natalinos gravados por artistas brasileiros têm pouca repercussão. Talvez por utilizarem elementos poucos adaptados para um Natal em pleno verão. O Papai Noel é um senhor de barba branca todo encapotado para se proteger do frio. A árvore é um pinheiro, símbolo de regiões frias, e o boneco mais utilizado é um urso com cachecol. Sempre achei essas referências um pouco estranhas.

Mas, independentemente da língua, gosto de escutar canções temáticas. Ao decorar a casa nesta época sinto a necessidade de  uma trilha sonora associada. Claro que montar a árvore de Natal é importante, mas a música é o complemento perfeito para estes momentos. Diria que é a cereja do bolo.

Nesta época, sempre separo um tempo sozinho para pensar sobre o que acertei e errei durante o ano. Mas principalmente para agradecer o que já conquistei. A correria de nossa vida consome o nosso tempo e às vezes nos impede de lembrar de quem foi parceiro, quem nos ajudou e quem nós ajudamos. Comemore mais, viva mais, se possível escutando música. Que venha 2020.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade