Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Como a tecnologia rompeu a barreira do idioma

"Entre as novidades tecnológicas que mudam as nossas vidas, uma das que mais utilizo são as de tradução%u201D


postado em 14/11/2019 04:00 / atualizado em 13/11/2019 21:47

Gratuitos ou pagos, existem no mercado vários aplicativos de tradução de texto e imagens úteis na hora de se comunicar em uma língua desconhecida(foto: Infoapp/divulgação)
Gratuitos ou pagos, existem no mercado vários aplicativos de tradução de texto e imagens úteis na hora de se comunicar em uma língua desconhecida (foto: Infoapp/divulgação)

Durante algumas décadas, foi comum escutarmos no Brasil canções em outros idiomas. Mercedes Sosa era frequente em nossas terras em duetos com Chico Buarque e Milton Nascimento. Roberto Carlos ganhou o Festival de San Remo em 1968 cantando em italiano. Nossos pais escutaram canções em francês interpretadas por Charles Aznavour. Essas conexões praticamente desapareceram a partir dos anos 1980 e a única língua que se ouvia no rádio, além do português, era o inglês. Não vou entrar na discussão dos motivos dessa mudança, mas a minha aposta vai para a dominação americana sobre a cultura mundial. O que me chama a atenção é que, desde o sucesso de Despacito, fomos invadidos por canções cantadas em espanhol. Sempre gostei da cultura latina e meu grande ídolo é Fito Paez, um pianista argentino que rasga sua voz para interpretar letras muito interessantes. Neste mundo hiperconectado, onde não existem distâncias, o acesso a diferentes culturas é imediato. Há 20 anos, era praticamente impossível conhecer bandas como a francesa Mano Negra e a minha recente descoberta, a banda colombiana Monsieur Periné.  Mas ainda ficava uma barreira imposta para a compreensão do que cada artista canta. Entre as novidades tecnológicas que mudam as nossas vidas, uma das que mais utilizo são as de tradução. Se, antes, você não dominar uma língua era uma barreira intransponível, hoje ficou muito mais fácil. O Instagram e o Twitter têm a tecla para tradução automática. O Google tem um tradutor nativo no seu navegador.  O YouTube tem esse tipo de recurso para os vídeos, mas ainda precisa melhorar um pouco. Agora podemos entender o que o mundo inteiro está dizendo. Pela Wikipedia, temos de 3 mil a 6 mil línguas no mundo. Existem alguns aparelhos, como Muama, com preços bastante acessíveis, que já traduzem, de forma imediata, mais de 40 idiomas. Viajar para qualquer lugar do planeta e não se sentir um ET ficou mais fácil. Aqui, vale um comentário pessoal: toda vez que entro num táxi em outra cidade no Brasil, a primeira pergunta que escuto é “você é mineiro?”. Pra mim, a maior característica do nosso sotaque é “comer” algumas letras no final das palavras.O que aprendi ao estudar outros idiomas é a necessidade de entender a cultura local dos países onde eles são falados. Mas já encurtamos bastante o caminho. Como bem diziam os nossos avós, “não tenha tanta pressa, um passo de cada vez”. 






Publicidade