Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas HIT

O craque Reinaldo, o produtor Gegê Lara e Fagner em BH

Amigos de longa data, Gegê e Reinaldo prestigiaram o cantor e compositor cearense no lançamento do livro 'Raimundo Fagner %u2013 Quem me levará sou eu'


postado em 23/09/2019 04:00

Reinaldo, Gegê Lara e Fagner no lançamento do livro Quem me levará sou eu, de Regina Echeverria, na Leitura(foto: Arquivo pessoal)
Reinaldo, Gegê Lara e Fagner no lançamento do livro Quem me levará sou eu, de Regina Echeverria, na Leitura (foto: Arquivo pessoal)


Dos cerca de 200 fãs que passaram na quinta-feira pela Leitura do BH Shopping para prestigiar a noite de autógrafos de Fagner, que lançava a biografia Quem me levará sou eu..., dois deles – o produtor Gegê Lara e o craque Reinaldo – têm ligação pra lá de especial com o artista cearense. Desde o início dos anos 1980, Gegê assina a produção de espetáculos do cantor em BH. “Foi dele um dos shows de inauguração do Mineirinho. Lotou mais que Roberto Carlos”, recordou. Antes disso, Fagner já fizera bonito na cidade. “Em 1976, com voz e violão, ele lotou três dias no Chico Nunes, com gente sentada no palco”, diz Gegê. Na opinião dele, os três primeiros discos do amigo – Manera frufru manera (1973), Ave noturna (1975) e Raimundo Fagner (1976) – são fundamentais para a música brasileira. “Não só como intérprete, mas como compositor”, reforça. Fã do cearense desde os anos 1980, o craque Reinaldo levou de presente para Fagner o livro Punho cerrado – A história do Rei, escrito por Philipe van R. Lima, filho dele.

o trio em seus 'bons tempos' em BH (foto: Arquivo pessoal)
o trio em seus 'bons tempos' em BH (foto: Arquivo pessoal)


NO CENTRÃO
ÓPERAS URBANAS

A partir da próxima semana, quem passar pela Rua São Paulo terá um bom motivo para lançar outro olhar para o Hipercentro de BH. A convite do Projeto Centrão BH, às segundas, quartas e sextas-feiras, em três horários, a atriz Rita Clemente fará apresentações de 15 minutos dos três atos da peça Para desencadear reviravoltas na Indonésia, cuja estreia ocorrerá em fevereiro.

• • •

Rita explica que atuar no Centro é uma forma de fazer o público se apropriar da obra. “Queremos que as pessoas percebam a loja/galeria como algo que faz parte daquele universo, mesmo com sua especificidade, mesmo diante de sua diferença. Não é uma extensão da rua. Contrasta, mas faz parte. Sempre percebi que algumas pessoas que não vão ao teatro pensam: 'Teatro não é para mim'. Não pretendo diminuir o valor daquilo que desenvolvo para que outras pessoas entendam. Prefiro dizer que o que crio é para elas. Não é necessário entender, não precisa fazer prova depois, responder a questionário”, afirma a atriz.

PARA FÃS
ELA ESTÁ DE VOLTA

Considerada o maior tributo brasileiro ao Pink Floyd, a banda mineira Ummagumma – The Brazilian Pink Floyd fará única apresentação da turnê The essential Floyd em 16 de novembro, no Grande Teatro do Palácio das Artes. O set list reunirá sucessos dos discos Dark side of the moon (1973), Wish you were here (1975), Animals (1977) e The wall (1979). Com 17 anos de estrada, o grupo é formado por Bruno Morais (guitarra e voz), Felipe Batiston (teclado e voz), Wayne (baixo e voz) e Otávio Pieve (bateria).

Renata Cabalero, Maria Tereza Geo e Cristiane Guerra na Copa de Tênis Jam, em Tiradentes(foto: Carla Lima/Divulgação)
Renata Cabalero, Maria Tereza Geo e Cristiane Guerra na Copa de Tênis Jam, em Tiradentes (foto: Carla Lima/Divulgação)



ANIVERSÁRIO
BH GANHA PRESENTE

Para marcar o sexto ano de reabertura do Cine Theatro Brasil Vallourec, em 8 de outubro será lançado o livro Na cultura e na memória da cidade. Obra importante para reafirmar a importância daquele espaço cultural para a capital mineira.


Publicidade