Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

A incrível história da garotinha que reagiu para a vida ao som da torcida do Cruzeiro

O som da Nação Azul, o azul e branco, as cinco estrelas haviam estimulado o cérebro desativado da filhinha de Cleuza e Neném


29/07/2020 04:00 - atualizado 29/07/2020 00:54

Carla é torcedora fanática do Cruzeiro e aguarda ansiosa a possibilidade de retornar ao Mineirão para ver o time do coração jogar(foto: Arquivo pessoal)
Carla é torcedora fanática do Cruzeiro e aguarda ansiosa a possibilidade de retornar ao Mineirão para ver o time do coração jogar (foto: Arquivo pessoal)


Cleuza e Neném moravam na comunidade da Ventosa, mas torciam para o Atlético de Lourdes, time elitista de Belo Horizonte. Era meados de 1991. O Cruzeiro havia acabado de conquistar sua primeira Supercopa da Libertadores. Novamente, levando Minas Gerais a ser maioral na América Latina. Mas na TV, a emissora tentava trazer um pouco de equilíbrio, onde já não existia, e para isso, reprisava lances do empate em 2 a 2 entre os dois clubes, acontecido no início daquele ano, pelo Campeonato Brasileiro.

Enquanto se arrumava para cozinhar, Cleuza colocou a cadeirinha especial da pequena Carla, de apenas oito meses, em frente a televisão. A filha tinha nascido com o cérebro desativado. Não tinha qualquer reação física. Não mexia o corpo, emitia sons ou mudava a expressão do rosto. Os médicos já haviam preparado os pais para o pior: nada poderia ser feito se a própria Carla não apresentasse algum estímulo. Ela poderia falecer a qualquer instante.

Na TV, a câmera mostrava a Turma do Sapatênis e seus puffs pretos e brancos. Nesse momento, na casa, o outro único barulho vinha da panela do feijão chiando no fogo. Corte de cena e a transmissão exibe a torcida do Cruzeiro. Eufórica, cantando nas arquibancadas do Mineirão. Esperançosa por um ano-bom. Foi quando algo fez Cleuza largar a louça. O corpo arrepiou, não pelo futebol, mas por uma algazarra vinda da sala. Seus olhos marejaram e as pernas bambearam ao presenciar o inacreditável. A pequenina, e até então imóvel, Carla soltava gritos; apontava os dedos para a torcida cruzeirense na tela da televisão; firmava os pezinhos na cadeirinha para vibrar no mesmo ritmo e olhava para a mãe com uma expressão de felicidade. O som da Nação Azul, o azul e branco, as cinco estrelas haviam estimulado o cérebro desativado da filhinha de Cleuza e Neném.

Poucos meses depois, Carla já andava e falava, sem qualquer sequela. Corria atrás da bola e ficava alucinada todas as vezes em que o Cruzeiro ia jogar. O pai, Neném, até tentou levá-la para o preto e branco, mas entendeu o destino: sua filha se tornaria uma das mais apaixonadas e barulhentas cruzeirenses das quebradas da Ventosa. E ele, atleticano, enquanto viveu, foi gigante ao respeitar os estímulos provocados pelo azul e branco.

Domingo passado, o Cruzeiro voltou a campo. Carla e nenhum de nós pudemos estar nas arquibancadas, cantando e estimulando o nosso escrete. Será assim durante toda a temporada, seja pelas punições ou pela pandemia. Caberá ao clube ter criatividade para tentar transformar esse esporte sem graça (jogadores correndo atrás da bola sem o grito da torcida) em algo ao menos parecido com o futebol. Contra a URT, além dos três gols, o ponto alto foi a inovação em colocar o DJ Filipe Ikis para reproduzir as vozes e cânticos da China Azul durante a partida no Gigante da Pampulha. Deu alento perceber que, mesmo no novo e chato mundo do “esporte” de likes, lives e redes sociais, o som da arquibancada ainda é a verdadeira alma do futebol raiz.

Hoje vamos para uma missão quase impossível contra a Caldense. Faltou-nos os pontos perdidos no turbilhão do início do ano. Mas, mesmo se a classificação não vier, esperamos ver a consolidação do estilo de jogo de busca incansável pela vitória, como está no DNA cruzeirense e foi demonstrado na rodada passada. Manter essa postura será estímulo para a Carla, para o Ikis e para os outros 8.999.998 cruzeirenses aguentarem a espera, fora do estádio, pelo grande dia, onde, finalmente, poderemos devolver ao clube de todas as gentes o som que vem do interior, dos rincões e das quebradas dessa Minas Gerais azul e branca. Pois, como diz o novo hino popular azul-celeste composto pelo rapper Das Quebradas:

“Tô com saudade de ver você jogar
Onde você for, eu vou te acompanhar”

Viva à cruzeirense Carla! Viva ao som da China Azul!



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade