Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas BOLA MÚNDI

Neymar não é mais insubstituível?

Seja por lesões ou suspensões, Neymar ficou fora de metade das partidas do PSG desde que foi contratado


postado em 24/10/2019 04:00 / atualizado em 23/10/2019 23:16

Pela primeira vez desde 2011, Neymar está fora dos 30 indicados ao prêmio de melhor do mundo(foto: Nicolas Tucat/AFP)
Pela primeira vez desde 2011, Neymar está fora dos 30 indicados ao prêmio de melhor do mundo (foto: Nicolas Tucat/AFP)


Se os gigantes do futebol europeu seguem sem maiores problemas ao término da terceira rodada da Liga dos Campeões, uma situação chama a atenção: o passeio do Paris Saint-Germain até aqui, com três vitórias, nove gols marcados e nenhum sofrido. E com um “detalhe”: sem contar com Neymar. Pode ser um pouco cedo para cravar, mas o time está provando que pode render bem sem o brasuca. O que só aumenta a pressão sobre o camisa 10.

É fato que quando esteve em condições de jogo, Neymar apresentou bons números, com 55 gols em 63 partidas. Mas dois fatos pesam contra ele: não ser decisivo na chamada hora H e deixar a equipe na mão com frequência... Seja por lesões ou suspensões, Neymar ficou fora de metade das partidas do PSG desde que foi contratado (em 126 jogos, não atuou em 64).

Com muitas opções ofensivas – além das estrelas Mbappé e Cavani, ainda há os argentinos Icardi e Di María, por exemplo –, o time do técnico Thomas Tuchel vem dando conta do recado e mostrando que “há vida sem Neymar”.

Fora dos 30 indicados ao prêmio de melhor do mundo pela primeira vez desde 2011, Neymar estará amanhã na lista de convocados por Tite para amistosos da Seleção Brasileira. Pode ser o primeiro passo para mostrar que é capaz de driblar também as lesões, retomar seu futebol e voltar a ser o fiel da balança. Mas ele só reconquistará o torcedor do PSG se brilhar em grandes jogos como, por ironia do destino, diante do Real Madrid, em 26 de novembro. Pode ser o dia D para Neymar. Confesso que estou pessimista. Tomara que ele queime minha língua.

Fator Galhardo

Após eliminar o arquirrival Boca Juniors, o River Plate assistiu de camarote ao duelo entre Flamengo e Grêmio em busca da outra vaga na final da Copa Libertadores. Que ninguém duvide que a parada será dura para o rubro-negro carioca. Afinal, não é por acaso que o River chega à terceira decisão nos últimos cinco anos. Sob o comando de Marcelo Galhardo nesse período, os argentinos já chegaram a 13 finais – e ganharam 10! Entre os principais, destacam-se Libertadores (2015 e 2018), Sul-Americana (2014) e Recopa (2015, 2016 e 2019). Mesmo sem dar show, exerce um futebol eficiente, apostando em uma mescla vitoriosa: talentos formados na base, manutenção de alguns veteranos e garimpo de jogadores no futebol sul-americano. Só dá para ter uma certeza: a final promete!

Fim de jejum

A Liga das Nações da Concacaf assistiu nesta semana à quebra de longo tabu: depois de mais de 30 anos, o Canadá venceu os EUA e segue 100% na competição. O último triunfo havia sido em 1985. Muitos podem pensar que a evolução veio pela presença de jogadores naturalizados (representantes de Gana, Sérvia, Chile, Portugal, Escócia, Suíça, Inglaterra e Bósnia), mas o segredo para mim é outro: o técnico inglês John Herdman, de apenas 44 anos e histórico de sucesso no futebol feminino – levou as garotas da Nova Zelândia a dois Mundiais e conduziu as canadenses a dois bronzes olímpicos (2012 e 2016). Assumiu o desafio com os marmanjos em 2018 e vem tendo resultados surpreendentes. É bom lembrar que o Canadá será uma das sedes da Copa 2026, ao lado de EUA e México. Até agora, só participaram da Copa de 1986.

Retomar o respeito

Após ficar fora até do hexagonal final do Sul-Americano Sub-17, a Seleção Brasileira ‘ganhou’ a vaga no Mundial da categoria depois que os peruanos abriram mão de sediar o evento. A partir de sábado, jogando em casa, o time comandado pelo técnico Guilherme Dalla Déa terá que provar que mereceu essa chance. No Grupo A, na primeira fase terá como adversários Canadá, Nova Zelândia e Angola. Sem Reinier, liberado para defender o Flamengo, o destaque brasuca é o atacante Talles Magno, do Vasco. Nas 17 edições anteriores do torneio, o Brasil foi campeão em 1997 e 1999, vice em 1995 e 2005 e 3º colocado em 1985 e 2017. França, Espanha, Argentina, México são apontados como candidatos ao título. A conferir.

Final brasuca?

Os representantes brasucas na Libertadores feminina estão nas semifinais da competição que está sendo disputada em Quito, no Equador, e podem garantir a decisão verde-amarela: a Ferroviária encara o Cerro Porteño hoje e o Corinthians enfrenta o América de Cali amanhã. Enquanto o Timão está invicto – e inclusive já venceu a equipe colombiana na primeira fase –, a Ferroviária só teve um tropeço, diante do Cuenca. A final será segunda-feira. Nossa hegemonia pode ser mantida.

Deu zebra

A Liga de Campeões da Ásia terá um azarão como campeão. Pouco cotadas no início, Urawa Reds e Al Hilal decidirão o título. Nas semifinais, derrubaram favoritos. Os japoneses não tomaram conhecimento do Guangzhou Evergrande (dos conhecidos Paulinho, Talisca e Elkeson): 2 a 0 na ida e 1 a 0 na volta. Já os sauditas eliminaram o Al Saad, comandados pelo ex-craque Xavi, mesmo perdendo em casa por 4 a 2... Na ida, no Catar, haviam vencido por 4 a 1. O vencedor garante vaga no Mundial de Clubes, em dezembro, no Catar.

Corda bamba

Em situação complicada na Premier League – 14º lugar com 10 pontos, apenas dois à frente da zona de rebaixamento –, o Manchester United aposta suas fichas na Liga Europa. Bom resultado amanhã, diante do Partizan, fora de casa, pode dar uma sobrevida ao técnico Solskjaer (em 22 partidas, venceu apenas cinco), já que o time assumiria a liderança do Grupo L. Agora, se o pior acontecer, será difícil segurar o comandante no cargo.

Domínio inglês

Após dominarem as competições européias na temporada passada (Liverpool x Tottenham na final da Champions e Chelsea x Arsenal na decisão da Liga Europa), os clubes ingleses também foram dominantes nos indicados ao prêmio Bola de Ouro. Dos 30 candidatos, 15 disputaram a Premier League. De longe, aparece a La Liga (6 candidatos), enquanto o futebol holandês tem quatro representantes, o italiano e o francês dois cada e o alemão apenas um. Diferente do The Best, que consagrou Messi, desta vez o premiado deve ser o zagueiro Van Dijk, do Liverpool, fazendo jus à supremacia inglesa. Cristiano Ronaldo corre por fora. Façam suas apostas.
 
 
De olho

Kang-in Lee

Filho de um instrutor de Taekwondo fã de Maradona, o sul-coreano Kang-in Lee, de 18 anos, parece ter feito a opção certa no esporte. Sua história começou aos 6 anos, quando participou de reality show de futebol. Passou por equipes locais (Yoo Sang-chul, Incheon United e Flyings) e, já aos 11, foi atuar na base do Valencia. Pouco depois de completar 16, foi disputar a Segunda Divisão espanhola com o Valencia B. No ano passado, antes mesmo de atingir a maioridade, subiu para o grupo principal. Neste ano, foi eleito o Bola de Ouro do Mundial Sub-20, levando sua seleção ao vice-campeonato inédito. No embalo do sucesso, já estreou até na seleção principal. Tem contrato com o Valencia até junho de 2022.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade