Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

'A lista negra do presidente'', Reportagem reforça preconceito


02/09/2020 04:00

Recado
“Uma frase longa não é nada mais que duas curtas.”

Vinicius de Moraes

Setembro Amarelo é sinal amarelo
Setembro se veste de amarelo. A cor não tem nada a ver com as comemorações da Independência. O objetivo é chamar a atenção para assunto pra lá de delicado. Trata-se do suicídio. O autoextermínio cresce no Brasil e no mundo. Tornou-se caso de saúde pública. Mas pouco se fala sobre ele. A razão é simples e compreensível: teme-se que a divulgação de histórias e números estimulem a prática. Valha-nos, Deus!

Falar sobre o tema trouxe um problema adicional. Ele se refere à gramática, não à psicologia. A questão: suicidar-se é sempre pronominal? É. Quem conhece a origem da palavra acha estranho. O verbo vem do latim. É formado de sui (= de si, a si) e cídio (= matar). Significa matar a si mesmo. No duro, não precisaria do se. Mas o teimoso bate pé. Exige o pronome e não abre. Como diz o outro, manda quem pode, obedece quem tem juízo: eu me suicido, ele se suicida, nós nos suicidamos, eles se suicidam. 

Pegadinha
Concurso tornou-se o sonho de consumo de gregos, troianos e roma- nos. A aprovação pode não garantir salário de marajá nem trabalho desafiador. Mas assegura estabilidade. Daí a concorrência crescente. As bancas examinadoras se esmeram em buscar questões que avaliem não só o conhecimento, mas também a atenção e a malícia do candidato. Outro dia, certame pra lá de disputado apresentou esta questão: “Qual é a cor do cavalo branco de Napoleão?” A moçada, sem pensar, respondeu “branco”. Errou. A pergunta pedia a cor – branca.

Por falar em cor...
A reforma ortográfica cassou o hífen de palavras compostas. Entre elas, as composições de dois ou mais vocábulos ligados por preposição, conjunção, pronome. Pé-de-moleque, mão-de-obra, tomara-que-caia se escreviam com hífen. Agora estão livres e soltas – pé de moleque, mão de obra, tomara que caia. 

As cores entraram na faxina. Antes, cor-de-laranja, cor-de-carne, cor-de-vinho, cor-de-abóbora, cor-de-creme se grafavam desse jeitinho. Agora, mandaram o tracinho plantar batata no asfalto. Ficaram assim: cor de laranja, cor de carne, cor de vinho, cor de abóbora, cor de creme.

Superexceção
Cor-de-rosa manteve o hífen. É a exceção que confirma a regra.

Tropeço da Veja
Matéria fala das condições impostas por Bolsonaro para se refiliar ao PSL. Empregar negro com conotação negativa não dá. Em vez de lista negra, lista dos inimigos(foto: EVARISTO SÁ/AFP )
Matéria fala das condições impostas por Bolsonaro para se refiliar ao PSL. Empregar negro com conotação negativa não dá. Em vez de lista negra, lista dos inimigos (foto: EVARISTO SÁ/AFP )
 
“A lista negra do presidente”, escreveu a Veja desta semana. A matéria fala das condições impostas por Bolsonaro para se refiliar ao PSL, partido que o elegeu. Entre elas, a expulsão de sete deputados e um senador da le- genda. A revista pisou o politicamente correto. Reforçou preconceito.

Sim
Negro é raça. Nessa acepção, é pra lá de bem-vindo. Pelé é negro, não é escurinho, crioulo, negrão, moreno ou de cor.

Não
Empregar negro com conotação negativa reforça preconceito. Xô! Xô! Xô! Dê nome aos bois. Em vez de lista negra, lista dos inimigos, lista dos maus alunos, lista dos maus pagadores. Em lugar de nuvens negras, prefira nuvens escuras. Passado negro? Nem pensar. Seja claro: passado de homicídios, passado de roubos, passado de traições.

Leitor pergunta
Hoje é dia da nota de R$ 200. O Banco Central vai exibi-la para o público. Tenho uma curiosidade. Qual a razão da escolha do lobo-guará?

Lúcia Gonzaga, Porto Alegre

A história começou em 2001. Naquele ano, foi lançado um concurso: os brasileiros deviam escolher animais ameaçados de extinção. Os vencedores seriam estampados nas novas cédulas. Em 1º lugar, ficou a tartaruga-marinha, que enfeitou a nota de R$ 2, criada em 2001. Em 2º, o mico-leão, que ganhou a nota de R$ 20, lançada em 2002. Em 3º, o lobo-guará, que abrilhanta a nota de R$ 200.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade