Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

'É gripezinha', disse Bolsonaro. Resultado: o diminutivo entrou na agenda

Os diminutivos são criaturas irracionais. Exprimem a linguagem do coração. Cheios de emoção, falam de carinho, ódio, ironia


postado em 29/03/2020 04:00

(foto: Sérgio LIMA/AFP)
(foto: Sérgio LIMA/AFP)
“É gripezinha”, diagnosticou Bolsonaro. Referia-se à COVID-19. Choveram críticas. Pancadas vieram da direita, da esquerda, do centro. Ufa! O presidente voltou atrás? Qual o quê! Gripezinha virou resfriadinho.

Resultado: o diminutivo entrou na agenda. Curiosos correram atrás do jeito camaleão de falar. Os diminutivos são criaturas irracionais. Exprimem a linguagem do coração. Cheios de emoção, falam de carinho, ódio, ironia. Chamar um livro pequeno de livrinho indica tamanho pequeno. Mas de amorzinho o gatão de 1,90m e 150kg denota afeto. Dizer que a garota é bonitinha não deve alegrá-la. Deu-se um jeitinho de afirmar que a moça é feia.

Ao referir-se a alguém como professorzinho, doutorzinho ou empregadinho, desqualifica-se o professor, o doutor, o empregado. Ofende-os. Se a gente adjetivar o substantivo, aumenta o poder da agressão. Quer algo mais pejorativo que advogadinho de porta de cadeia? Ou professorzinho do interior? Ou empregadinho de boteco? Mata sem dó.

Moral da história
O diminutivo enriquece a expressão. Mas não o faz de graça. Cobra preço. Vale a pena pagá-lo? Você decide. Você escolhe.

Fora!
Ao falar em gripezinha e resfriadinho, Sua Excelência reduziu a COVID-19 a zero à esquerda. Bobeou. Feliz, a gripezinha levantou a cabeça, esfregou as mãos e partiu pro ataque. Valha-nos, Deus! Vade retro, satanás! Xô! Xô! Xô!

Senhor diminutivo
Gripe deu gripezinha. Resfriado, resfriadinho. Por que a diferença? Guarde isto: o sufixo formador de diminutivos é –inho. Ele pede licença à vogal átona do fim da palavra e se emenda ao radical: casa (casinha), menino (menininho), garota (garotinha), livro (livrinho), gripe (gripinha), resfriado (resfriadinho).

A ponte
O zê, que aparece em -zinho e -zinha, é ilustre convidado. Ele funciona como ponte que liga o radical ao sufixo: café (cafezinho), sofá (sofazinho), caju (cajuzinho), mulher (mulherzinha), jornal (jornalzinho), lâmpada (lampadazinha).

Dois times
Há palavras flexíveis como cintura de político mineiro. Elas jogam nos dois times. É o caso de gripe. Uns dizem gripinha. Outros, gripezinha. É o caso, também, de resfriado. Ora é resfriadinho. Ora resfriadozinho. Também menino (menininho, meninozinho), mesa (mesinha, mesazinha), livro (livrinho, livrozinho).

Leitor pergunta
Li que pessoas foram às ruas para participar de "protestos a favor" do governo. Protesto não seria sinônimo de reclamação?
Walmir Lopes, Santos

Protesto joga em times opostos. Depende da preposição:
Protestos contra = oposição: Protestos contra o Congresso tomara
m as ruas.

Protesto por, a favor = clamor: Foram às ruas para participar de protestos a favor do governo.





Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade