Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO DE TRABALHO

Qual é a relação entre os jovens negros e negras e o mercado de trabalho?

A vivência em estágios e a procura pelo primeiro emprego têm mais desafios para jovens pretos e pardos


29/04/2022 11:58 - atualizado 29/04/2022 12:43

Três jovens negos, dois homens e uma mulher ao centro, sentados olhando para a câmera
39% dos estagiários negros confirmaram que não receberam suporte ou apoio do RH das suas empresas (foto: Carlos de Jesus no Pexels)

Com certeza existem muitos desafios durante a busca do primeiro emprego, não é mesmo? Mas, por conta do racismo estrutural e institucional, essa caminhada é ainda mais complicada para jovens negros e negras. Aliás, infelizmente pesquisas apontam que o desemprego continua crescendo entre essa população. Só para você ter uma ideia, jovens pretos e pardos representavam 78% dos desempregados no Brasil em 2020. 

Esse dado faz parte da pesquisa  Next Steps – Pela Carreira de Novos Talentos Negros, do Google, em parceria com a Cia de Talentos. O levantamento tinha como objetivo levantar dados quantitativos e qualitativos sobre as experiências e vivências de estagiários negros no Brasil. Foram entrevistadas 2182 pessoas.

Segundo a pesquisa, 42% dos jovens negros e 35% dos jovens brancos, acreditam que sua cor interfere diretamente nas chances de receber aprovação.

Ainda segundo o estudo, um dos fatos que parece distanciar jovens talentos negros de cargos ou responsabilidades mais desafiadoras nas empresas é o escopo de trabalho deles. Mais de 37% dos entrevistados dizem ocupar seu tempo com tarefas exclusivamente operacionais.

Jovem negro, com cabelo Black Power e usando blusa preta com listras amarelas, olhando para a câmera
33% dos estudantes negros acreditam que não serão efetivados após o estágio (foto: Carlos de Jesus no Pexels)


Quando se trata de liderança, o estudo aponta que existe um vácuo entre a expectativa desses jovens e a realidade no mercado de trabalho: 75% dos estudantes não têm um líder/chefe preto. 
Além disso, o estagiário sonha seguir carreira dentro da empresa, mas precisa lidar com bloqueios pessoais e estruturais:

- 33% dos estudantes negros acreditam que não serão efetivados após o estágio;
- 30% dos esturantes negros não se sentem confiantes pra liderar projetos ou tomar decisões dentro do escopo de trabalho.

Segundo o levantamento, as três principais metas que os estudantes buscam alcançar no estágio são: 
  1. Ganhar experiência;
  2. Criar plano de carreira;
  3. Ser efetivado.
Mas, para eles, trilhar esse caminho pode ser desafiador. Desde o processo seletivo até a rotina diária do estágio, os jovens encontram algumas barreiras, como pedidos por experiência na área e a exigência de um segundo idioma.

De acordo com a pesquisa, esses pré-requisitos imprimem "a sensação de não estar preparado para a vaga". Não à toa, o estudo traz os seguintes dados:

- 20% dos estadantes negros desepregados NÃO se sentem preparados para conseguir a vaga de estágio que estão buscando;
- 32% dos estudantes negros desempregados DISCORDAM da sentença: “a minha universidade me preparou para o mercado de trabalho”.

Além disso: 

- 39% dos estágiarios negros confirmaram que não receberam suporte ou apoio  do RH das suas empresas;
- 49% dos estudantes negros DISCORDARAM que “meu chefe me dá suporte em questões emocionais relacionadas ao trabalho” 

De acordo com a pesquisa, mapear e ouvir as diversas realidades e vivencias de novos profissionais negros no mercado é fundamental para descobrir como organizações, indivíduos e sociedades estão derrubando barreiras e paradigmas que impedem o avanço da carreira negra.

Quanto mais atenção e voz os talentos empregados tiverem, mais eles se desenvolvem com responsabilidade e segurança pessoal. Para isso, o estudo explica que é necessário que os jovens negros tenham mais proximidade com supervisores de estágio e com o RH. Isso é fundamental para se sentirem amparados quando tiverem alguma dificuldade — isso gera pertencimento.

Dentre todos os entrevistados, foram encontrados 4 principais desejos em comum: 
  • Representatividade em entrevistadores da mesma cor ou raça;
  • Mais vagas com ideias desenvolvidas especificamente para negros;
  • Desenvolvimento de carreiras;
  • Aprimoramento para ocupar cargos de destaque.

Da mesma forma que jovens brancos desejam crescer e alcançar cargos de destaque, esse sentimento também está presente nos jovens negros. É necessário criar ações práticas que ofereçam essas oportunidades e também ações que ofereçam acolhimento, escuta atenta e também o respeito para esses jovens negros. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade