Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Noite de abertura


postado em 11/04/2019 05:08 / atualizado em 11/04/2019 09:27

Com o tema %u201CEm dias de sol%u201D, desfile coletivo marca a 24ª edição do Minas Trend, no Expominas (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Com o tema %u201CEm dias de sol%u201D, desfile coletivo marca a 24ª edição do Minas Trend, no Expominas (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Mantendo uma tradição de 24 edições, fui assistir ao desfile de abertura do Minas Trend, realizado no Expominas. Idade é mesmo fogo, a moda corre e muda tanto que o que vi na passarela foi uma longa apresentação de déjà-vu. Ainda sou do tempo de desfiles de moda em que o coração batia, querendo um bom número dos modelos apresentados. Agora, tudo mudou, o que é mostrado é o que a moçada gosta de usar, então, quem monta a apresentação das roupas mistura peças para criar produções novas e que atraiam a plateia jovem. Para acompanhar o poder de compra do público-alvo, o máximo que se vê de tecido mais fino é o chifon estampado, no segmento destinado às roupas de noite.

Para o meu gosto, salvou um longo de fundo laranja e estampa grande, com pequeno drapeado na altura da cintura. O resto é naquela base de provou serviu, longe vai o tempo em que era preciso provar muito uma roupa, fazer retoques, apertar, alargar, subir bainha. Na modelagem atual, vale tudo, então a vida dos revendedores fica mais do que fácil, tipo gostou levou. Aliás, as butiques que revendem para os jovens não contam mais com funcionárias para retoques. A profissão está em extinção. Curiosidade: depois do desfile, sapatos e sapatilhas foram muito elogiados.

Outra coisa que também mudou foi o coquetel de abertura, em que os convidados se encontravam antes de descer para o desfile. Flávio Roscoe, presidente da Fiemg, estava presente, cumprimentando quem chegava. A decoração de Ronaldo Fraga, que é o atual coordenador o MT, atraiu muita gente com seu uso e abuso de peixes e piscina de plástico para criar o clima de verão, que é a tônica da feira. Legal a ambientação que criou para um dos espaços do Sebrae, carregando a mão na figura da estilista americana Iris Apfel, a rainha da overdose, cuja personalidade vai ser discutida em peça com Nathalia Timberg, que será mostrada este fim de semana no Teatro Sesiminas, na peça Através da Iris. Os óculos imensos e o excesso de bijuterias usados pela personagem atraíram muitas presenças – que por consequência deviam prestigiar a peça.

Novidade também foi o coquetel, patrocinado pela Skazi. Garçons circularam menos que o habitual e o diferencial foram os refrigerantes servidos nas garrafas pequenas, que deviam ser tomados como americano toma cerveja – no bico da garrafa. Como a tônica da noite foi a informalidade e proposta nova de funcionamento, o mulherio chique que estava presente evitou “quebrar o estilo”, bebendo no bico da garrafa. O coquetel ficou lotado de gente ligada à moda, mas a velha-guarda não prestigiou, o que é uma pena, já que acompanhar a moda mineira é uma boa política.

Outra novidade desta edição do MT foi a lista de convidados elaborada pela Fiemg, que ficou pau a pau com jornalista (50) e blogueiras (50). Não sei se as últimas cobraram a presença, uma vez que é disso a força da “profissão”. Mas outra coisa que foi notada é que aquelas figurinhas carimbadas que apareciam sempre, com cachê e salas especiais, este ano ficaram de fora. Ainda bem.


Publicidade