Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Paulo Guedes ganha estátua no coração financeiro de São Paulo

Apesar de a agenda liberal não ter emplacado na gestão do atual governo, o ministro da Economia tem seus admiradores no mercado financeiro


30/07/2021 04:00 - atualizado 30/07/2021 07:33

Estátua do ministro Paulo Guedes, vestido como o personagem Mandaloriano, da saga Star Wars, foi colocada em empresa de investimentos em São Paulo(foto: Twitter @cafecomferri/Reprodução)
Estátua do ministro Paulo Guedes, vestido como o personagem Mandaloriano, da saga Star Wars, foi colocada em empresa de investimentos em São Paulo (foto: Twitter @cafecomferri/Reprodução)
O governo produziu uma reforma tributária que aumenta impostos, as privatizações não saíram do lugar e o ambiente de negócios continua sofrendo com os velhos entraves. A agenda liberal, portanto, não emplacou nesta gestão.

Mesmo assim, boa parte do mercado financeiro continua de braços dados com o governo Jair Bolsonaro. O exemplo mais gritante veio da plataforma de investimentos TC (ex-TradersClub), sediada na região da Faria Lima, coração financeiro de São Paulo.

A empresa colocou em seu escritório uma estátua do ministro da Economia, Paulo Guedes. No monumento, Guedes está vestido como o personagem Mandaloriano, da saga Star Wars. Um dos sócios-fundadores da empresa, Rafael Ferri, compartilhou a imagem em suas redes com a singela mensagem: “Obrigado, ministro”. Poucas vezes na história do país se viu um encantamento tão grande do mercado financeiro com um governo em particular. Como se vê, a paixão é cega.

Via ainda aposta nas lojas físicas

As lojas físicas estão com os dias contados, certo? Não é bem assim. A Via Varejo, agora chamada apenas de Via e dona das marcas Casas Bahia, Ponto (ex-Pontofrio) e Extra, quer manter nos próximos meses a média de abertura de 20 lojas por mês – e isso mesmo na crise e sem a pandemia ter sido totalmente contida. Uma das prioridades da empresa é expandir as operações para além dos principais eixos econômicos do país. Segundo a empresa, a maioria das unidades fica nas regiões Norte e Nordeste.

Vale e Pão de Açúcar decepcionam

A primeira leva da safra de balanços não agradou o mercado financeiro. O resultado mais decepcionante veio do Grupo Pão de Açúcar, que teve lucro líquido de R$ 4 milhões entre abril e junho. O problema é a base comparativa. No mesmo período do ano passado, o número foi de R$ 86 milhões. Já a Vale reportou lucro líquido de US$ 7,8 bilhões – abaixo das projeções dos analistas, que estimavam ao menos US$ 8,5 bilhões. Ontem, a cotação das duas empresas recuou na B3, a Bolsa de São Paulo.

Prova de vacinação para a volta ao escritório

As big techs, como são chamadas as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos, decidiram exigir prova de vacinação para a volta dos funcionários aos escritórios. No Google, a medida se estende às sedes de outros países. Facebook e Twitter seguiram na mesma linha. A medida foi tomada depois de funcionários relutarem em retornar ao escritório sob o argumento de que temem o contágio. Com a confirmação de que o colega ao lado está protegido, eles não teriam motivos para ficar em casa.

RAPIDINHAS

  • A decisão da ginasta americana Simone Biles de abandonar as competições na Olimpíada de Tóquio por estar deprimida foi apoiada por patrocinadores. A Visa afirmou que a atleta foi “incrivelmente corajosa”. Para a marca de shakes Core Power, Biles mostra que “sua força vai além dos tatames”.
  • O vasto apoio que Biles recebeu – de patrocinadores, atletas, fãs e mídia especializada – expõe uma grande mudança na sociedade. Até pouco tempo atrás, falhar no esporte era inadmissível, um sinal de fraqueza. No esporte brasileiro, vários atletas foram perseguidos ao não conquistar medalhas. A sociedade amadureceu.
  • O judoca português Jorge Fonseca, medalha de bronze em Tóquio, inaugurou uma nova era de cobranças por patrocínios esportivos. “Dedico a medalha aos dirigentes da Adidas e Puma por dizerem que eu não tinha capacidade para ser seu representante”, disse após receber o prêmio. “Sou bicampeão do mundo, terceiro na Olimpíada. O que mais preciso fazer?”
  • A crise causada pela pandemia afetou o poder de compra, mas não o desejo de presentear os pais no segundo domingo de agosto. Uma pesquisa realizada pela Tim em sua plataforma de enquetes mostrou que 79% dos filhos têm intenção de comprar mimos em uma das datas mais importantes para o comércio. Vestuário e perfume são os itens preferidos.

309 mil

postos formais de trabalho foram gerados no Brasil em junho, segundo dados do Caged. Mesmo assim, o ritmo de criação de vagas continua lento

“A economia está retomando o crescimento em V e produzindo um ritmo de criação de empregos acelerado”
  • Paulo Guedes, o sempre otimista ministro da Economia

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade