Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Mercado já vê Guedes e Ciro Gomes juntos na tributação de dividendos

Na Fintwit, a comunidade do mercado financeiro no Twitter, Guedes tem sido comparado, em tom de galhofa, a Ciro Gomes


postado em 07/07/2020 04:00 / atualizado em 07/07/2020 08:01

O ministro da Economia pode ter seu apoio irrestrito no mercado financeiro revertido caso a reforma tributária crie imposto sobre dividendos(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 22/5/19)
O ministro da Economia pode ter seu apoio irrestrito no mercado financeiro revertido caso a reforma tributária crie imposto sobre dividendos (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 22/5/19)
A intenção do ministro Paulo Guedes de incluir a taxação de dividendos (parte do lucro da empresa que é distribuída aos acionistas) na reforma tributária vai demolir o apoio irrestrito do mercado financeiro à agenda econômica do governo Bolsonaro. Boa parte dos corretores, analistas e gestores do mercado de ações não aceita a ideia de novos impostos e argumenta que não faz sentido um governo que se diz liberal – pelo menos essa é a mensagem que Guedes tenta transmitir para a sociedade – bancar a proposta. Na Fintwit, a comunidade do mercado financeiro no Twitter, Guedes tem sido comparado, em tom de galhofa, a Ciro Gomes, tradicional defensor da taxação de dividendos. Recentemente, Guedes chegou a mencionar que a alíquota seria de 20%. Segundo cálculos da Receita Federal, isso poderia gerar uma arrecadação extra de pelo menos R$ 24 bilhões anuais. Os debates sobre o tema deverão esquentar nos próximos dias.

Hapvida expõe dados de 6,4 milhões de clientes

Os vazamentos na internet de dados de clientes de grandes empresas precisam ser combatidos de maneira mais eficiente. A incidência de novos casos assusta. O mais recente, revelado pelo site Olhar Digital, aponta que a operadora de planos de saúde Hapvida expôs informações de 6,4 milhões de clientes, como nome completo, endereço e CPF. Uma pesquisa mundial feita pelo Instituto Ponemon mostrou que os consumidores brasileiros são os mais suscetíveis a sofrer violações desse tipo.


Caderneta de poupança registra novos recordes

Muitos analistas disseram que o baixo rendimento significaria o fim da competitividade da caderneta de poupança, mas ela continua invencível na preferência dos brasileiros. No primeiro semestre, sua captação líquida foi de R$ 84,4 bilhões, valor recorde para o período. O resultado de junho também foi o maior da série histórica iniciada em 1995, com a entrada de R$ 14,43 bilhões. Uma das explicações para o desempenho é o auxílio emergencial, que colocou novos recursos no mercado.

'

''O turismo vai voltar, mas será diferente. Acho que veremos uma redistribuição dos lugares para onde se viaja''

Brian Chesky, fundador do Airbnb


11,4%

foi quanto subiu o faturamento da indústria em maio na comparação com o mês anterior, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O número reflete a retomada das atividades depois das paralisações em diversas plantas


App chinês Lalamove avança no Brasil

Não vai demorar muito paras as grandes cidades brasileiras serem invadidas por entregadores do aplicativo chinês Lalamove. Há um ano no Brasil, a empresa só emplacou na crise do coronavírus, quando passou a crescer 100% a cada mês. Atualmente, a Lalamove faz 7 mil entregas por dia, mas a meta é chegar a 100 mi l até o fim do ano. Por enquanto, são 50 mil entregadores cadastrados nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, mas as cidades de Belo Horizonte, Brasília e Curitiba estão na mira.

RAPIDINHAS

A equipe inglesa Williams, a última empresa familiar da Fórmula 1 e um dos ícones do automobilismo mundial, está à venda. A pandemia do coronavírus agravou as finanças da companhia, que passa por solavancos desde 2014. Listada na bolsa de Frankfurt, na Alemanha, a Williams vale hoje metade de uma década atrás. Seu último título na F1 foi em 1997.

A McLaren, fabricante britânica de carros esportivos e com longa trajetória na Fórmula 1, também está em dificuldades. Desde o início do ano, cortou 1,2 mil empregos e recentemente recorreu a um empréstimo de quase R$ 1 bilhão para honrar compromissos. O último título da McLaren na F1 foi em 2008, com o inglês Lewis Hamilton.

A Cogna, antiga Kroton e maior empresa de educação do mundo, protocolou o registro de IPO (oferta pública inicial de ações) de sua subsidiária Vasta na bolsa americana Nasdaq. Metade do dinheiro captado na operação irá diretamente para o caixa da Cogna, que pretende usar os recursos para futuras aquisições.

Alguns indicadores retratam com precisão a retomada da economia. É o caso das vendas por meio de maquininhas de cartão de débito e crédito. Em junho, as transações desse tipo subiram 16% em relação a maio. O mais surpreendente é o dado comparativo com um ano atrás, quando não havia coronavírus: alta de 10,3%.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade