Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

CPI in memoriam para investigar Bolsonaro, o "grande suspeito"

Na véspera da CPI, a PGR ofereceu denúncia contra o governador do Amazonas, Wilson Lima, e mais 17 pessoas. Desvios em contratos de respiradores


28/04/2021 04:00 - atualizado 28/04/2021 07:19

O senador Omar Azis é o presidente e o relator da comissão é Renan Calheiros, investigado por suspeita de propina(foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
O senador Omar Azis é o presidente e o relator da comissão é Renan Calheiros, investigado por suspeita de propina (foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)


Enfim, temos a CPI para investigar o presidente. Renan Calheiros é o relator, Jáder Barbalho o primeiro suplente e o presidente é o Omar Aziz. Insuspeitos vão investigar o “grande suspeito”. Entre os gerontes do Senado, houve o cuidado de escolher os de passado ilibado.

O objetivo real é tentar evitar que Bolsonaro seja reeleito. A pauta já estabeleceu que devem comprovar que o presidente é um genocida que matou gente, empregos e empresas. A tese já está pronta; só falta convencer o povo.

Afinal, provas nem são necessárias. Com o aval do Supremo, até provas ilícitas pode, se forem amplamente divulgadas e não forem contestadas, como ensinou a Barroso o ministro Lewandowski.

A CPI se instala depois de uma semana de novas agressões à Constituição. Depois de o Supremo, governadores e prefeitos passarem um rolo compressor em direitos fundamentais do pétreo art. 5, 24 governadores ignoraram o art. 84 e propuseram acordos com o presidente Biden. Os Estados Unidos já tiveram 13 colônias, agora se ofereceram 24.

Também na semana passada Fachin prorrogou por 60 dias a investigação de que Renan teria recebido R$ 32 milhões e Jáder, R$ 4,3 milhões, segundo depoimento do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado(MDB).

Esta semana, o presidente inaugurou asfalto novo na Bahia, e era um pavimento muito espesso – não havia sido retirada a maior parte para propina. Aí, cai a ficha: fechado o propinoduto, é preciso livrar-se de quem fechou a cornucópia. Afinal, na tese de Lewandowski a Barroso, combater a corrupção dá mais prejuízo ao país que o que o dinheiro público que se recupera.

Na véspera da CPI, a PGR ofereceu denúncia contra o governador do Amazonas, Wilson Lima, e mais 17 pessoas. Desvios em contratos de respiradores. Aí se entende que “ficar em casa até ficar com falta de ar” é para justificar contratos de respiradores. Tratamento imediato deve ser combatido, porque não gera respiradores.

O remédio é baratinho e tão antigo que já nem paga patentes, por isso a narrativa ganha a companhia de laboratórios. Taí um bom tema para a CPI, se decidir rejeitar palanque eleitoral e respeitar a memória dos que foram sacrificados.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade