SIGA O EM

Ex-governador do Rio Sérgio Cabral é preso pela PF

Um dia depois de o ex-governador Anthony Garotinho ser preso no Rio de Janeiro, o também ex-governador Sérgio Cabral foi preso em casa na manhã desta quinta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1086757, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/17/824400/20161117073439431072u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 17/11/2016 07:25 / atualizado em 17/11/2016 07:44

Estado de Minas


São Paulo - A Polícia Federal, em ação conjunta com o Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal, deflagrou nesta quinta-feira a Operação Calicute para investigar o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro. O prejuízo estimado é superior a R$ 220 milhões.

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) foi preso preventivamente. O peemedebista estava em sua casa, no Leblon, zona sul da capital, e foi levado pela PF sob gritos de "ladrão" de cidadãos. Cabral é suspeito de receber propina para a concessão de obras públicas. Ele foi foi preso preventivamente, ou seja, sem prazo para ser liberado. A mulher dele, a advogada Adriana de Lourdes Ancelmo foi levada coercitivamente para depor.

O casal foi preso em casa, no Leblon, Zona Sul do Rio. As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro.

São investigados os crimes de pertencimento à organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outros. Também participam das diligências dezenove procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e cinco auditores fiscais da Receita Federal.

Em nota, a PF informou que a apuração em curso identificou fortes indícios de cartelização de grandes obras executadas com recursos federais mediante o pagamento de propinas a agentes estatais, incluindo um ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, além de outros fatos.

Em delação premiada no início deste ano, dois ex-executivos da Andrade Gutierrez afirmaram ter pago propinas por obras para o governo de Cabral.

Operação

Duzentos e trinta policiais federais cumprem 38 mandados de busca e apreensão, 8 mandados de prisão preventiva, 2 mandados de prisões temporárias e 14 mandados de condução coercitiva expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, bem como 14 mandados de busca e apreensão, 2 mandados de prisão preventiva e 1 mandado de prisão temporária expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

São investigados os crimes de pertencimento à organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outros. Também participam das diligências dezenove procuradores do MPF e cinco auditores fiscais da Receita.

A Operação Calicute é resultado de investigação em curso na força-tarefa da Operação Lava-Jato no Estado do Rio de Janeiro em atuação coordenada com a força-tarefa da Operação Lava-Jato no Paraná.

Com Agência Estado





Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Flamariom
Flamariom - 17 de Novembro às 11:12
Parabéns à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao Juiz que emitiu o mandado de prisão contra o larápio e ex-governador do RJ, Sérgio CABRAL. Com essas ações da lava-jato, o Brasil está se tornando um exemplo mundial, no sentido de que roubar, passar a mão no dinheiro público que deve ser gasto prioritariamente com saúde, educação e segurança, não vale pena. Temos que mudar a lei no Brasil, e tornar esses ladrões do dinheiro púbico inelegíveis eternamente, proibindo-os de exercer qualquer atividade pública. Ladrão uma vez, sempre ladrão.
 
Antônio
Antônio - 17 de Novembro às 09:35
Na política pode prender todos os representantes do "povo" que se cometera menos de meio por cento de injustiça. E esses que não meteram a mão diretamente, estou falando do meio por cento, já deveriam ser presos só por aceitar as mordomias ilegais que recebem as custa de nossos impostos.
 
Ivam
Ivam - 17 de Novembro às 09:21
Depois que o estado do RJ entra em estado de calamidade pública é que as autoridades resolvem fazer o seu papel, ou seja, fiscalizar, provar e punir. Tem que chegar ao fundo do poço primeiro para as autoridades fazerem algo que é nada menos que a obrigação. Ah, se fosse um vendedor ambulante já estaria preso sem direito a nada.