SIGA O EM

Aécio anuncia reação do PSDB contra crise

O PSDB busca maior empatia com o eleitorado nas eleições municipais de 2016, além de sinalização para o mercado financeiro.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 959392, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Jair Amaral/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'O documento ser\xe1 uma revis\xe3o da plataforma de campanha presidencial de A\xe9cio em 2014', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/11/13/707480/20151113085441133378i.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 13/11/2015 09:31 / atualizado em 13/11/2015 09:56

Agência Estado

Jair Amaral/EM/D.A Press
Brasília - Criticado pela aliança com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e por ser pouco atuante na retomada da economia, o PSDB resolveu agir nesta semana. Rompeu com o peemedebista, negociou a aprovação de pautas econômicas com o governo e já começa a anunciar a divulgação de documento com propostas para o ano que vem.

O PSDB busca maior empatia com o eleitorado nas eleições municipais de 2016, além de sinalização para o mercado financeiro.

"Vamos apresentar ao país um diagnóstico da gravidade da crise e do que nos espera para o ano que vem, mas principalmente propostas na área social, em razão da gravidade da crise pela qual passam hoje milhões de famílias brasileiras", afirmou Aécio Neves (PSDB-MG), presidente do partido.

O documento será uma revisão da plataforma de campanha presidencial de Aécio em 2014, com propostas como pacto federativo e reforma tributária, além de enfoque social. A Executiva da legenda se reúne em duas semanas para fechar detalhes, e a apresentação da carta deve ser feita no início de dezembro em pronunciamento do próprio senador, que prometeu uma "fala forte".

A estratégia integra uma tentativa de recuperar o protagonismo do debate econômico, perdido desde a derrota nas eleições presidenciais de 2014. Em um ano de crise econômica, tucanos chegaram a apoiar algumas das chamadas "pautas-bomba" no Congresso. Algumas delas em contradição com a defesa histórica feita pela sigla, como o fim do fator previdenciário - medida aprovada pelo governo Fernando Henrique Cardoso.

Há duas semanas, os tucanos assistiram ao PMDB lançar um documento com propostas para a economia que destoavam das defendidas pelo PT. É dentro dessa estratégia que se explica a sinalização com o governo na negociação direta pela aprovação de pautas do ajuste fiscal. A oposição anunciou acordo para aprovar a Desvinculação de Receitas da União (DRU) com alíquota de 25% na terça-feira. O pacto foi celebrado com um aperto de mãos entre os líderes José Guimarães (PT-CE) e Bruno Araújo (PSDB-PE).

Mais uma negociação acontece em torno da repatriação de recursos brasileiros no exterior, apoio que tem sido discutido diretamente entre Aécio Neves e os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Jaques Wagner (Casa Civil). O texto recebeu voto contrário dos 48 deputados tucanos na Câmara, mas deve contar com o apoio dos senadores, caso o governo consiga desfazer as mudanças do relator Manoel Júnior (PMDB-PB), que concederam anistia para crimes de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. O PSDB deseja que a proposta se restrinja à evasão de divisas.

De acordo com Aécio, o apoio às pautas econômicas são uma demonstração do compromisso do PSDB com as questões que vão além do governo Dilma e são cruciais para o País. "Não vamos fazer como o PT que, quando era oposição, encontrava vício de origem em tudo que vinha do Palácio, como a Lei de Responsabilidade Fiscal e o Plano Real."

No front político, o primeiro passo para a mudança de atuação foi o rompimento com Cunha, anunciado oficialmente pelo líder Carlos Sampaio (PSDB-SP). Até então, os tucanos trocavam apoio a Cunha pela promessa de encaminhamento do processo de impeachment de Dilma.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
TULIO
TULIO - 13 de Dezembro às 01:41
Toma vergonha nessa cara ex, vai trabalhar nas suas empresas e pára de falar mentiras !!!
 
marcelo
marcelo - 12 de Dezembro às 01:54
Poderia tbm falar alguma coisa sobre Samarco, rompimento de barragem, etc. Esse playboy q se diz mineiro e nunca teve um registro na carteira de trabalho, tinha a obrigação de se manifestar. O maior desastre ambiental do Brasil, atingindo cidades mineiras, de uma empresa operando no Estando que ele governou por 2 mandatos.
 
Antônio
Antônio - 03 de Dezembro às 17:04
Poderia começar explicando os desvios de bilhões da saúde e educação mineira. Poderia explicar como se usa recurso público para fazer aeroporto particular. Como se consegue arquivar todos os processos que foram lançados contra ele sem que se julgasse o mérito.
 
Antônio
Antônio - 03 de Dezembro às 17:04
Poderia começar explicando os desvios de bilhões da saúde e educação mineira. Poderia explicar como se usa recurso público para fazer aeroporto particular. Como se consegue arquivar todos os processos que foram lançados contra ele sem que se julgasse o mérito.
 
SERGIO
SERGIO - 01 de Dezembro às 09:58
O país já experimentou explosão da dívida pública do psdb e a tragédia de agora do pt: já se encerrou esse ciclo de neoliberais entreguistas dos juros mais altos da galáxia. Está na hora de alguém que pense no Brasil dentro de um contexto mundial: a única que consegue fazer isso é Marina Silva, que poderia estar muito bem representando o país em Paris e não essa daí que promete acabar c o desmatamento e a coisa só aumenta...
 
Diego
Diego - 27 de Novembro às 20:17
E sobre as barragens no seu governo senador carioca, nada? E sobre a lista de Furnas, nada? E sobre o aeroporto de Claudio nada? E sobre a farra dos aviões pra visitar sua então namorada ou a família no Rio , além da carona pra amigos, também nada? E sobre o helicóptero famoso, nada? Demagogo!!!!
 
leonardo
leonardo - 09 de Dezembro às 09:03
Tem outro aeroporto que ninguém fala: ele construiu com dinheiro público do Governo de Minas Gerais em Montezuma(MG) a 750km de BH, quase na Bahia. Lá ele tem a empresa Perfil Agropecuária.
 
José
José - 13 de Novembro às 19:55
E sobre as barraqgens que autorizou que fossem construída e depois também autorizou a renovação ! ! ! - - - - Nada ? ? ?
 
José
José - 13 de Novembro às 19:52
Nada como um dia atrás do outro e com aproximação de eleições ! ! ! - - - - Até confessar erros eles fazem, MAS NEM TODOS OS """"""ERROS""""" ! ! ! Cabe ao povo dizer se acredita ! ! !
 
geraldo
geraldo - 13 de Novembro às 16:17
Logo Quem!
 
Druso
Druso - 13 de Novembro às 16:04
Vá trabalhar, vagabundo!
 
Miguel
Miguel - 13 de Novembro às 15:41
Acho que nas eleições todos os políticos deveriam passar pelo detector de mentiras antes de candidatar.....rs
 
Miguel
Miguel - 13 de Novembro às 15:39
A oposição mais fraca e covarde da história Brasileira! Possivelmente porque tem rabo preso!!! Com tudo que está acontecendo no país, não conseguem mobilizar a população e os partidos para destituir a presidente do cargo!!!!Enquanto isso, o país afunda a cada dia, e a população é que fica com ônus!
 
geraldo
geraldo - 13 de Novembro às 15:33
Agora sim. Tá voltando a ser o Aécio de 5 anos atrás. Ultimamente tava febril de "impitima" e nada mais. Aécio desde quando foi deputado, passando por governador sempre teve bom relacionamento com o PT.Oposição sim, mas não ao Brasil.
 
Letho
Letho - 13 de Novembro às 15:20
Hummmmmm, tô gostando de ver. O grande jornal dos mineiros agora publica comentários críticos ao Aecim. Que mudança, hein. Deixa a Andrea Neves ver isso.
 
Aloisio
Aloisio - 13 de Novembro às 15:06
Se fosse uma oposição decente, sem oportunismo, combateria dentro das divergências politicas mas apresentando possiveis soluções para o que está errado. O invés disso não trabalham, só fofocam e fazem lavagem cerebral em uns imbecis destilando ódio contra as pessoas. Pobre Brasil
 
Marcos
Marcos - 13 de Novembro às 14:20
Esses PTranhas não se cansam de tentar transformar o país numa ditadura do proletário pra essa turma do comunismo caviar desfrutar. Mas estamos atentos e aqui não vai virar nem Cuba e nem Venezuela com querem. Quebrar a Petrobrás já deu para se reeleger, agora a população está atenta e não vamos admitir outra fraude eleitoral.
 
Diego
Diego - 27 de Novembro às 20:18
Que papo idiota cara. Fica parecendo que você está na década de 60 ainda. Daqui há pouco vai falar que o povo come criancinha, vira o disco. Esse discurso já deu também.
 
Marcos
Marcos - 13 de Novembro às 14:14
Engraçado a MP 664 inconstitucional foi proposta do governo Dilma e votada na surdina. Trouxe perdas de garantias de anos conquistas dos trabalhadores como pensão por morte (reduziu o benefício pela metade com limite para acabar), auxilio doença entre outras conquistas foi do governo Dilma que retirou. Não sou advogado do Aécio, mas ele votou contra essa canalhice.
 
Diego
Diego - 27 de Novembro às 20:20
Marcos, seja coerente. Eleitores de Aécio reclamaram durante toda a campanha que o Governo dá boa vida demais para as pessoas. A nova legislação da pensão por morte botou moralidade ao processo, simplesmente ser contra porque não foi o seu candidato que fez o projeto é absurdo. Igual o seguro desemprego. Se por um lado, o numero de empregados aumentava cada vez mais, o numero de pedidos no seguro também aumentava. O governo fechou a torneira, esta reclamando do que? Você então defende que as pessoas dêem o golpe no seguro desemprego e na pensão?
 
Carlos
Carlos - 13 de Novembro às 14:03
Aécio que gosta de diagnostico é medico que nada sabe. Apresente soluções concretas antes ja que foi diagnosticado a patologia econômica? Você continua mal aluno na área, por isso tomou muitas bombas em seu curso de graduação!
 
Carlos
Carlos - 13 de Novembro às 14:00
como ter empatia com povo se antes o PSDB tem de criar "sinalização para o mercado financeiro"??? o mercado financeiro só quer margem de lucros nada mais? Se querem ser civilizados politicamente e economicamente essa agenda é contraditória na origem!
 
leonardo
leonardo - 13 de Novembro às 13:23
RECEITA DOS TU.CA.NOS: o P.S,D.B vai propor a retirada do Brasil dos BRICS e a entrada na ALCA para ser mais refém ainda dos EUA. Os tu.ca.nos também devem indicar ao Governo Federal que contraia empréstimo bilionário junto ao FMI e ao Banco Mundial . Ah, vão pedir a revogação da Lei da Domésticas pois as partroas ricas não estão suportando a carga!!!
 
Flávio
Flávio - 13 de Novembro às 13:01
Tomou uma dura da globo e do empresariado por causa do "quanto pior, melhor"!
 
Katia
Katia - 13 de Novembro às 12:15
Cansou da política do "quanto pior, melhor"?
 
vitor
vitor - 13 de Novembro às 12:12
É só tirar o pt do poder, dar certificado de incompetência para dilma e encarcerar lula e seus apadrinhados de preferência em Guantanamo já que gosta tanto de cuba.
 
joao
joao - 13 de Novembro às 11:51
Nenhuma expectativa de algo benéfico ao país vindo dessa turma também.
 
Eusimar
Eusimar - 13 de Novembro às 14:31
Exatamente, disse tudo.
 
Tarcisio
Tarcisio - 13 de Novembro às 10:48
Agora sim. Método neoliberal: aumento dos juros para 45 % ao ano, inflação de 12 % ao ano, dívida interna de 70 % do PIB, desemprego de 20%, entrega do resto do patrimônio público para os amigos. A crise vai acabar rapidinho. Ah, esqueci: volta da escravidão para melhorar a situação das empresas e dos tão sofridos empresários. Parabéns PSDB.
 
Francisco
Francisco - 16 de Novembro às 03:21
Eusimar, para os 40 milhões de brasileiros incluídos pelo Governo do PT a diferença foi enorme. Só não concorda com isso quem, por algum motivo, não quer admitir ou, então, não está bem informado.
 
Eusimar
Eusimar - 13 de Novembro às 14:30
Sem querer defender PSDB ou qualquer partido: qual a diferença para o que estamos vivendo agora?
 
geraldo
geraldo - 13 de Novembro às 10:02
A mudança do PSDB mostra que a estratégia do 3º turno não deu os resultados esperados. Daí começar a pensar nas campanhas para as eleições de 2016 e 2018. A raiva está se diluindo, porque além de embotar o cérebro embota também o eleitor. Deus salve o Brasil!