14°/ 24°
Belo Horizonte,
23/AGO/2014
  • (16) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Menino encontrado morto no RS havia pedido ajuda ao Ministério Público

Correio Braziliense

Publicação: 16/04/2014 07:39 Atualização: 16/04/2014 13:33

Garoto havia pedido para morar com outra família (Divulgação / Polícia Militar - RS)
Garoto havia pedido para morar com outra família
Bernardo Boldrini, 11 anos, encontrado morto na última segunda-feira, chegou a procurar o Ministério Público por conta própria pedindo para não morar mais com o pai e a madrasta. E indicou duas famílias com as quais gostaria de ficar. Em janeiro, o menino esteve no MP de Três Passos, no Rio Grande do Sul, e relatou detalhes de sua rotina, marcada pela indiferença e pelo desamor na casa em que vivia. O pai, o médico Leandro Boldrini, 38 anos, a madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini, 32, e uma terceira pessoa estão presos, acusados de participação na morte da criança.

O juiz da Vara da Infância e da Juventude do Fórum de Três Passos, Fernando Vieira dos Santos, 34 anos, chorou ao lembrar que o caso do menino passou pelas mãos dele no processo movido pelo Ministério Público do município. O garoto pediu ajuda ao Centro de Defesa da Criança e do Adolescente, órgão ligado à prefeitura, e a queixa chegou ao MP, que a transformou em um processo. A ação acabou na mesa de Santos, que intimou as partes. Como não havia registro de violência física, o magistrado optou por tentar preservar os laços familiares, suspendendo o processo por 60 dias para dar chance de uma reaproximação.

A negligência afetiva em relação a Bernardo chegou ao conhecimento do MP em meados de novembro. Na ocasião, um expediente foi instaurado para apurar o caso. A promotora da Infância e da Juventude de Três Passos, Dinamárcia Maciel de Oliveira, pediu informações a órgãos da rede de proteção, como o Conselho Tutelar e a escola em que o menino estudava, e fez levantamentos sobre parentes que poderiam assumir a guarda do menino.

No início do ano, Bernardo foi levado ao MP por um agente da rede de proteção. Apesar de ter negado sofrer maus-tratos e violência, disse que o pai era indiferente e que a madrasta implicava com ele. No fim de janeiro, a promotora ingressou com ação na Justiça pedindo que a guarda provisória fosse dada à avó materna, que mora em Santa Maria (RS). Desde então, nenhuma informação sobre problemas na relação familiar chegou ao MP.

Bernardo Uglione Boldrini desapareceu no dia 4 deste mês, em Três Passos. De acordo com o pai, ele teria ido a cidade de Frederico Westphalen com a madrasta para comprar uma tevê. Na volta para Três Passos, o menino teria dito que passaria o fim de semana na casa de um amigo. Como no domingo ele não retornou, o pai começou a procurá-lo na casa de amigos e acionou a polícia. Cartazes com fotos de Bernardo foram espalhados em Três Passos, Santa Maria e Passo Fundo.

Na noite da última segunda-feira, o corpo do menino foi encontrado na zona rural de Frederico Westphalen. O pai de Bernardo, Leandro Boldrini, é médico e atua como cirurgião-geral no hospital do município. Ele também é proprietário da Clínica Cirúrgica Boldrini. Bernardo morava com o pai, a madrasta, e uma meia-irmã, de um ano — de quem relatou ser proibido de se aproximar. A suspeita é de que o menino tenha sido morto com uma injeção letal. Ele estudava no turno da manhã do Colégio Ipiranga, uma instituição particular. O ginásio do Colégio Ipiranga, onde Bernardo estudava, recebeu o velório do corpo do menino. Ele será sepultado no mesmo cemitério onde está enterrada a mãe, que morreu em 2010, em Santa Maria. Segundo a polícia, ela se suicidou dentro do consultório de Leandro, mas parentes ainda questionam a versão.
Tags:

Esta matéria tem: (16) comentários

Autor: adao santos
Ha mais ou menos 50 anos atras um amigo, que inclusive foi exilado nao porque fosse terrorista mas por ser um sindicalista, disse o Brasil so tera conserto quando houver uma justica que funcione, e agora penso vai demorar muito pois o que vemos e lamentavel, triste vidas ceifadas meu Deus. | Denuncie |

Autor: adao santos
Eta Brasilzinho danado a rede de protecao so proteje bandido chega dar nojo, o cidadao de bem nao e considerado por quem deveria proteje-lo e acaba pagando com a vida. | Denuncie |

Autor: leonardo fernandes
Cade o CNJ ai gente???? | Denuncie |

Autor: leonardo fernandes
Meu pai tem uma açao no TRF1 ja vai para 14 anos e não tem uma alma bondosa para resolver o valor da aposentadoria dele lá em brasilia. É desse jeito que funciona a Justiça Brasileira. | Denuncie |

Autor: leonardo fernandes
A vida do cidadão brasileiro não esta valendo mais nada . Quando vão mexer com corrupção no governo é rapidinho pra prender, demoram para julgar e depois pra soltar é mais rapido ainda, ta ai o mensalão do PT. Só para lembrar que o STF emendou o feriado de semana santa hj quarta feira. | Denuncie |

Autor: leonardo fernandes
Essas brechas na justiça que tem que acabar. Legislação não protege a vitima, esta parecendo mais aquelas denuncias da Maria da Penha que não tomam providencias e matam a mulher. Justiça devia fazer o papel dela e não de psicologo. Para alguns casos o MP é rapido, para outros só a Justiça Divina. | Denuncie |

Autor: Katia Oliveira Santos
Espero que a avó dessa criança represente contra o juiz no conselho nacional de justiça e contra a promotora no conselho nacional do ministério público. Essa omissão que gerou a morte de uma criança não pode ficar impune. | Denuncie |

Autor: Eduardo Gomes
A nossa Justiça vive de passado, está tão atrasada que não sabe se posicionar nos acontecimentos atuais. | Denuncie |

Autor: Edilson Soares
Que mundo é esse que estamos vivendo, pais,esposo, esposa, bandidos e outras mais, vivemos ao lado sem saber quem é realmente, pais matam seus próprios filhos, esposo mata a própria mulher e outras barbaridades, Deus só não acaba com esse mundo, porque ele só existe na ficção, já estar castigado. | Denuncie |

Autor: Alexandre Alves
Pois é meritíssimo, vamos ver se você vai conseguir viver com essa culpa nas costas. Sua negligência propiciou o sofrimento e a morte de um inocente. Que o nosso Bom Pai acolha esse menino em sua infinita bondade. Bernardo, o seu sofrimento entre os homens acabou! | Denuncie |

Autor: José Andrade
Estarrecedor. Ainda tentou pedir ajuda, mas não havia estrutura para socorrê-lo. | Denuncie |

Autor: Marcio Correa Filho
Parabéns ao juiz e a justiça... espero que durmam bem pelo excelente trabalho. Se tivessem sido apenas realistas teriam salvo uma vida! Deixem de ser hipócritas e façam seu trabalho! Só isso que a população quer! | Denuncie |

Autor: Ricardo gonçalves de souza
Mais uma vez a imcompetencia dos orgão de proteção ao menor ,MP e pior do juiz.Este caso parece com os dois irmãos em SP que o pai e madrasta esquartejou e jogou no lixo os corpos.Nos dois casos as criança foram pedir ajuda e que aconteceu a morte deles!Vergonha esta justiça do Brasil! | Denuncie |

Autor: Marcio Antonio
O caso é exemplar... A justiça protege criminosos menores de idade e desasiste aos que deveria proteger. Depois da m... pronta o que adianta o juiz se arrepender de não permitir a desgraça da criança a qual deveria resguardar sua vida e seus direitos. | Denuncie |

Autor: Nil matrix matrix
Precisamos fazer uma reflexão a respeito do destino do ser e da dor. Seguir o ensinamento do mestre que apesar de 2014 anos atrás, continua atualizado. "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei." Fora disso só sofrimentos e decepções. | Denuncie |

Autor: Katia Oliveira Santos
Essa rede de proteção das crianças não vale um tostão sequer. Se o menino procurou, por conta própria, e relatou sua situação, por cautela ele deveria ter sido retirado da família biológica e ter sido entregue à avó, até decisão final. Agora não adianta chorar, seu juiz. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.