Jovem branco se declara afrodescendente e é aprovado por meio de cota em concurso

O Itamaraty afirmou que a definição de cor baseia-se na declaração do candidato, mas disse que vai analisar o caso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/09/2013 14:20 / atualizado em 11/09/2013 14:35

Agência Brasil

O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou nesta quarta-feira à Agência Brasil que analisa o caso do estudante Mathias de Souza Lima Abramovic, que passou na primeira fase do processo seletivo do Instituto Rio Branco, que forma diplomatas. Abramovic se autodeclarou afrodescendente e foi selecionado na cota destinada ao grupo. Porém, a seleção do estudante na cota é alvo de questionamentos no Itamaraty.

Reprodução/Facebook
Abramovic aparentemente não tem características afrodescendentes: é aloirado com olhos claros. O Itamaraty informou que a definição de afrodescendente não é técnica e baseia-se exclusivamente na declaração do estudante. O edital do processo seletivo também não descrimina os critérios para concorrer como afrodescendente. A cota racial é válida apenas na primeira etapa do concurso, que seleciona os 100 candidatos com maiores notas.

Na primeira fase, as cotas reservam um adicional de dez vagas para afrodescendentes e duas para deficientes, totalizando 112 candidatos que continuarão na disputa. Ao final, apenas 30 ficarão até a última etapa do concurso. O Itamaraty informou que é a primeira vez que ocorre um caso com o de Abramovic.

O edital especifica que os candidatos afrodescendentes devem autodeclarar a opção no ato da inscrição. Para as pessoas com deficiência, as reservas de vagas vão até a última etapa (são quatro no total) e os candidatos aprovados passam por perícia médica.
Tags: