SIGA O EM

Com seis casos confirmados, Diamantina tem surto de malária

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, área de garimpo é tratada como local de provável infecção. Autoridades emitiram alerta a municípios vizinhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1096613, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Secretaria de Estado de Sa\xfade/ divulga\xe7\xe3o ', 'link': '', 'legenda': 'Munic\xedpios da \xe1rea ampliada de alerta para vigil\xe2ncia da mal\xe1ria em Minas Gerais', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/01/04/837044/20170104132432769345o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 04/01/2017 13:19 / atualizado em 04/01/2017 21:01

Mateus Parreiras

 

Um surto de malária identificado no município de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, trouxe alerta para as autoridades sanitárias estaduais e preocupa a população. No dia 19 de dezembro foram confirmados pelos técnicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES) seis casos de pessoas infectadas pelo Plasmodium vivax, uma das cinco espécies de protozoários que infectam o homem com a doença e o mais comum dos micro-organismos.

Em todo o estado de Minas Gerais foram registrados sete casos em 2016. Além dos seis de Diamantina, outro paciente desenvolveu a doença em Simonésia, na Zona da Mata. No ano de 2015 inteiro, foi registrado apenas um caso, em Lima Duarte, também na Zona da Mata. O último tratado em Diamantina foi um caso importado, em 2012, segundo o Datasus. O local que é tratado pela Diretoria de Vigilância Ambiental/Superintendência de Vigilância Epidemiológica Ambiental e Saúde do Trabalhador/Subsecretaria de Vigilância e Proteção à Saúde como o Local da Provável Infecção (LPI) é o garimpo de Areinha, que fica a 140 quilômetros do centro de Diamantina e tem uma população que chega a 2 mil garimpeiros, muitos deles vivem na sede do município.

Todos os doentes estão sendo tratados com medicamentos específicos contra a malária, mas já receberam alta da Santa Casa de Misericórdia de Diamantina. “A área de alerta inicial são os (10) municípios de Diamantina, Couto Magalhães de Minas, sob jurisdição da SRS de Diamantina e Olhos D’Água da SRS de Montes Claros de acordo com as informações preliminares da equipe da SES/MG que encontra-se no local”, informa o alerta sobre o caso divulgado pela SES. O Garimpo Areinha é formando por pequenos garimpos que se estendem por 40 quilômetros ao longo do Rio Jequitinhonha. Não é uma atividade legalizada, pois o rio é tombado naquele trecho, mas há uma disputa judicial que envolve até mesmo questões humanitárias, dada a situação precária em que as famílias de garimpeiros que trabalham no Areinha vivem.

Já foram alertados todos os municípios de limite com o município de Diamantina e as áreas de municípios que possuem divisa ou estão ao longo do rio Jequitinhonha onde há atividade do garimpo. A nova equipe da prefeitura de Diamantina marcou para hoje uma reunião com a SES para se colocar a par das medidas que podem ser tomadas para garantir a segurança da população e o tratamento de possíveis doentes.

Até o momento, segundo o último informe da SES, houve o deslocamento de equipe para investigação e busca ativa de casos no local provável de infecção. Profissionais de saúde dos municípios estão sendo capacitados para o diagnóstico da malária. Medicamentos, kits diagnóstico e de medicamento específico e insumos para o tratamento dos casos estão sendo enviados, bem como material informativo sobre a malária para ser distribuído na área do provável local de infecção.

Está previsto também a adoção de medidas imediatas de prevenção e controle da malária no local, entre elas a borrifação com inseticidas dos LPI. Foi emitido também um alerta para todas as Unidades Regionais de Saúde e para o Ministério da Saúde alertar outros estados sobre a transmissão da malária na área de Garimpo de Areinha, já que há trabalhadores de várias regiões do estado e do país naquele local. Uma videoconferência para os profissionais de saúde sobre a vigilância e tratamento da malária também foi agendada para todas as Unidades Regionais de Saúde.

A malária é uma doença febril aguda. Das cinco espécies causadoras da malária humana, o Plasmodium falciparum, o mais letal, e o Plasmodium vivax, são os mais comuns no Brasil. Em poucos dias de infecção o P. falciparum propicia quadro grave, por isto, todo suspeito de malária deve, de imediato, ser submetido ao exame laboratorial. Já o Plasmodium vivax apresenta um quadro de clínico mais brando, de febre, mal estar, cefaleia, porém se não tratado o paciente pode levar a complicações e óbitos. Neste ano duas pessoas morreram de malária em Minas Gerais, uma no município de Uberaba, no Triângulo Mineiro e a outra em Pouso Alegre, no Sul de Minas. 

Os sintomas iniciais são comuns as diferentes espécies de plasmódio. O quadro clínico típico é caracterizado por febre, calafrios, fraqueza, cefaleia, mal-estar. É necessário o exame laboratorial, além disso, avaliação do histórico de deslocamento do paciente suspeito como o diagnóstico diferencial nos casos com febre, particularmente naqueles com história de viagens a áreas de risco. O diagnóstico correto só é possível pela demonstração do parasita ou antígenos relacionados no sangue periférico do paciente.


A malária ocorre de forma endêmica, principalmente na Região Norte do Brasil (nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), em outros países amazônicos, no continente africano e outras áreas tropicais. No Brasil, existe transmissão residual de malária no Piauí, no Paraná e em áreas de bioma da Mata Atlântica nos estados de São Paulo, Rio de janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Nessa área não endêmica, o Brasil registra menos de 1% do total de casos do país. Porém, a letalidade por malária é até 100 vezes maior do que a detectada em área endêmica.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600