SIGA O EM

Praça ABC vira campo de guerra; polícia diz que confusão começou depois de mudança de perfil do folião

Sprays de pimenta, bombas de gás e tiros de borracha foram usados pela polícia, que afirma ter sido agredida com pedras e garrafas de vidro. Algumas pessoas ficaram feridas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 999853, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'T\xfalio Santos/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Um vendedor de bebidas, credenciado pela prefeitura, foi atingido na perna por uma bala de borracha', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/09/732704/20160209101040518482o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 09/02/2016 09:46 / atualizado em 09/02/2016 14:00

Tulio Santos / , Paulo Henrique Lobato /




O carnaval na Savassi, um dos principais pontos de encontro dos foliões em Belo Horizonte, terminou em confusão na madrugada desta terça-feira. Pouco antes de 1h, policiais militares e foliões transformaram a Praça ABC, na esquina das avenidas Getúlio Vargas e Afonso Pena, num campo de batalha, com usos de sprays de pimenta, bombas de gás e tiros de borracha. Pedras e garrafas de vidro também viraram armas. Algumas pessoas ficaram feridas.
Túlio Santos/EM/D.A Press


“Por volta das 20h dessa segunda-feira, percebemos que o perfil dos foliões no local começou a mudar. As marchinhas davam lugar ao funk. Havia muitos carros com o som alto. A corporação interveio em princípios de tumultos. Já na madrugada, a PM foi acionada por moradores, que reclamaram de badernas. Os militares pediram aos donos dos veículos que diminuíssem o volume das músicas. Alguns arremessaram garrafas e pedras contra os policiais”, disse o capitão Flávio Santiago.
Veja também matéria da TV Alterosa.

Dezenas de viaturas e até um helicóptero se deslocaram para a Praça ABC. O pânico tomou conta do lugar. Houve gritaria e correria. Um vendedor de bebidas, credenciado pela prefeitura, foi atingido na perna por uma bala de borracha. Uma colega dele, que também negociava cervejas e refrigerantes, se feriu na testa com um estilhaço de bomba de gás.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Eduardo
Eduardo - 11 de Ferveiro às 20:33
Meus parabéns à PMMG! A prioridade é essa: restabelecer a ordem! Baderneiros, pichadores, ladrões e toda essa corja de cambada disfarçada de foliões devem sentir o peso do braço da Lei!
 
Marcus
Marcus - 10 de Ferveiro às 15:40
O Imperador " Júlio Cesar , disse dê ao p ovo pão e circo". me espanta muito que nas manifestações na praça da liberdade se ver poucos Jovens....Porque eles comparecem pouco? Porque a maioria que vai foram pacas pintadas, foram nas manifestações das diretas já...etc...O que estão fazendo com a maioria dos nossos Jovens...Lavagem celebra, doutrinação do socialíssimo utópico?. ..Não sei!!!!!???
 
EVANDRO
EVANDRO - 10 de Ferveiro às 12:01
Cada geração pior que a outra, cada carnaval pior que o outro, essa é a vida de um país sem cultura, dizer que o carnaval é cultura é o mesmo que dizer que é um povo mal educado, essa é a vida dos jovens brasileiros, arruaças, badernadas, drogas e sexo. Parabéns à PMMG.
 
EVANDRO
EVANDRO - 10 de Ferveiro às 11:54
A polícia agiu corretamente, contra esses baderneiros, arruaceiros e drogados a polícia está certa em descer o cacete e fazendo prisões.
 
Gilberto
Gilberto - 10 de Ferveiro às 06:42
Quando a policia não atua é omissa, covarde, ineficiente etc. Se atua é violenta , despreparada e tal. Uns pedem que o exercito atue, se atua AH! é a volta do regime militar, os direitos dos manos armam o seu circo. O negócio é, fez baderna: Desce o pau! Eu NUNCA tive qualquer problema tanto coma polícia nem com o exército, mesmo no regime militar. Cidadão correto e honesto não tem problemas com a lei.
 
Jose
Jose - 09 de Ferveiro às 21:23
E qual o problema com o outro perfil? Não podem expressar sua marchinha também?
 
Paulo
Paulo - 10 de Ferveiro às 16:04
Não só podem, como devem, Jose! Mas desde que respeitem o direito dos outros. O direito, a liberdade de cada um termina onde começa o do outro... Sujar a rua, incomodar com barulho os moradores da região, jogar pedras na PM, como foi contado, não é expressar sua marchinha não...
 
Ronaldo
Ronaldo - 09 de Ferveiro às 21:20
Carnaval da vergonha, esses vagabundos acham que podem tudo, não respeitam ninguém, e se acham no direito de fazer de tudo (roubar, usar drogas, quebrar carros, ônibus, metrô, Lojas Etc...) parabéns a policia militar, por tentar manter a ordem. mais infelizmente esses vagabundos são acobertados pelos nossos políticos, que cada ano que passa fica pior o carnaval... vergonha nacional.
 
Ferdinando
Ferdinando - 09 de Ferveiro às 20:04
é sempre assim, quando a favela desce a festa vira guerra.
 
alvaro
alvaro - 09 de Ferveiro às 19:22
Estes zé ruelas arruaceiros, tem que ficar em seus buracos, agora acham que podem tudo nas praças e nos bairros da zona sul, e cada dia aumenta a frequência desses sem noção, e o povo que mora nessas regiões não tem mais direitos de ir e vir, são assaltados desrespeitados,urinam em todo lugar, son alto, brigas, bebidas drogas, jogam pedras, são donos das vagas de veículos, e o fim
 
FELIPE
FELIPE - 09 de Ferveiro às 17:45
Será que essa turma terá a mesma disposição na hora de ir pra rua reinvindicar as mudanças que o país precisa ? E esse bar que funciona na esquina ? Que peixada é essa ? Aluga 50m e explora 500 do espaço público e ainda põe música ao vivo todo final de semana .
 
Adriano
Adriano - 10 de Ferveiro às 13:41
Felipe, este bar que você menciona nem alvará tem. A música precisa ser executada com atenuantes acústicos, ou seja, em área interna. A PBH faz vista grossa. Qual será o motivo? É a corrupção comendo solta.
 
André
André - 09 de Ferveiro às 16:58
Já fui muito no carnaval. Quando o Brasil tinha emprego e oportunidade para todos. Hoje a confusão vira baderna e quebradeira. Está evoluindo para um completo caos gerenciado pelo PT.
 
Ana
Ana - 09 de Ferveiro às 16:48
iTambém venho cumprimentar o trabalho da PM. Só quem vive aqui sabe o que estão transformando a Savassi. Meu prédio foi pichado; minha garagem virou mictório e quase fui linchada ao sair com meu carro. Dias de horror. Festa da carne é o significado de carnaval. Perde-se o pudor, a educação, a civilidade.
 
Eduardo
Eduardo - 09 de Ferveiro às 16:47
Parabéns a PM, até quem fim ouviu os cidadãos de bem. Carnaval organizado tem hora para começar e para encerrar. Após as 20hs baderneiros com som alto são infratores da lei da paz e do silêncio. Os moradores não merecem. Tá corretíssima a ação tem que descer a porrada na bandidagem mesmo!
 
jota
jota - 09 de Ferveiro às 15:43
Quebra o cacete. Infelizmente estes vagabundos, mal educados, baderneiros só entendem esta língua. A língua do cacete. Transformam tudo em algazarra, balbúrdia, depredação, sujeira. É um bando de aparecidos, que necessitam provocar zorra para se auto afirmarem. Na verdade são um bando de aculturados, deseducados e sem perspectivas.
 
Daniel
Daniel - 09 de Ferveiro às 15:11
Carnaval é isso aí! Deveria ser proibido esse tipo de aglomeração de pessoas em via pública. Deveria ter lugares fechados e pré-determinados para esse tipo de comemoração .
 
VALTER
VALTER - 09 de Ferveiro às 14:12
Inteligência não combina com Polícia Militar, que está apenas preparada pro confronto, já que o mais sensato é evitá-lo. Se houve foco no planejamento, antes da "festa" a PM teria que mostrar presença ostensiva e dar o recado sobre a forma que essas pessoas estavam se comportando. Nota Zero!!
 
Facioedino
Facioedino - 09 de Ferveiro às 15:35
Vá lá então e mostre como se faz policiamento em qualquer tipo de festa. Com certeza não haverá brigas, drogas. Você é o cara INTELIGENTE. Vá lá e resolva.
 
Facioedino
Facioedino - 09 de Ferveiro às 13:27
Eu acho que a polícia deveria ficar de fora disto, deixar o pau quebrar e na hora da confusão deixar os representantes do direitos dos manos e de quem acha que a polícia está atrapalhando ir lá resolver a situação. Pois no dia que um mal for na casa destes conversadores de meia tigela e assaltá-los ou agredi-los; aí sim chamarão a polícia para intervir em seu favor. Está tudo mudado, há uma inversão de valores.
 
Facioedino
Facioedino - 09 de Ferveiro às 13:24
Eu acho que o que vale neste País atualmente é a vontade de uma minoria em comparação a maioria. Pois o que se pode ver no carnaval não são músicas carnavalescas, e sim funk, forró. Aí uma minoria de arruaceiros acha que podem tudo, após ingerirem bebidas alcoólicas e drogas ficarem fazendo arruaças. A população ordeira aciona a polícia e quando estes vão ao local são recebidos com palavrões, pedradas, garrafadas. Aí vem um destes defensores dos manos e diz que é carnaval, pode tudo, que a polícia deve ficar quieta e aceitar.
 
Andre
Andre - 09 de Ferveiro às 13:21
BH mostrou que tem grande potencial para fazer um lindo carnaval popular de rua. O maior problema é que após certo horário, a favela desce ( marginais), pois nem todos que moram lá são. Ai acaba com tudo. O que falta para eles infelizmente chama EDUCAÇÃO. E com o nosso judiciário comprado e falido não tem com a PM fazer nada.
 
caiser
caiser - 09 de Ferveiro às 13:08
Que notícia boa. Como o carnaval é legal. Levem seus filhos. O Brasil é país do futuro.......
 
sebastião
sebastião - 09 de Ferveiro às 12:38
Uma desgraça chamada FUNK ,espalhada no Brasil por algum demônio, vem acabando com o sossego do povo a noite. Aliás, até que a desgraça não tem culpa, se quem a pratica, tivesse princípios morais, índole e dignidade. Em todas as cidades, essa praga avançou, tirando o direito do povo dormir.
 
antonio
antonio - 09 de Ferveiro às 12:35
É a "gloriosa e eficiente"polícia militar entrando de vez na folia !!! O belo horizontino ainda não engoliu o carnaval .
 
Antonio
Antonio - 09 de Ferveiro às 11:46
Fico pensando como não foi feita a retenção desses veiculos que, com certeza, tinham seus condutores alcolizados. A lei seca não vale no carnaval? Deveria ter feito todo mundo soprar o bafometro.
 
Adriano
Adriano - 09 de Ferveiro às 11:31
Parabéns e obrigado à PM por restabelecer a ordem. Não era carnaval. Era um baile com funk com carros de som em volume extremamente alto. Era grande o perigo de crimes, dada a grande quantidade de marginais que circulavam pelas imediações e podiam ser vistos pelas janelas dos diversos edifícios residenciais no entorno. Estamos reféns em nossas próprias casas. A prefeitura de BH se preocupa somente em arrecadar impostos, sem se preocupar com quem realmente os paga através de IPTU exorbitante, quando fornece alvará a bares promotores de balbúrdias, causa principal de todo este cenário.