SIGA O EM

Bloco Cintura Fina chama atenção para a Lagoinha e a antiga boemia de BH

Grupo estreia na Praça do Peixe fazendo homenagem aos 'Leões da Lagoinha', famoso bloco que existiu entre 1947 e 1975. Dissidência ajudou a fundar a Banda Mole

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 05/02/2016 23:55 / atualizado em 06/02/2016 00:02

Pablo Pires Fernandes /Estado de Minas

Lagoinha, bairro histórico da boemia de Belo Horizonte. E na sexta-feira de carnaval, o bloco Cintura Fina saiu, pela primeira vez, nas ruas onde o samba e a malandragem fizeram história na capital. Era pouca gente, uns 80 animados foliões se aglomeraram na Praça do Peixe, mas a banda era fina. Batuque em cima e sopros bem arranjados desfizeram a ideia de improvisação de um bloco estreante.

Eram quase 20h quando o bloco subiu a Rua Bonfim. Apesar de pouca gente, a felicidade estava estampada nos rostos de todos. Jairo Nascimento, presidente da Associação Cultural Santo André, carregava uma faixa com o nome de um bloco que fez história naquelas ruas: O Leões da Lagoinha.

A agremiação existiu entre 1947 e 1975, quando uma dissidência se voltou para ajudar a fundar a Banda Mole. “Estamos resgatando o carnaval aqui”, diz, feliz com a presença de forasteiros no bairro. “O Cintura Fina é um casamento que deu certo. Teve pouco tempo, mas tem a participação da comunidade”, comemora o veterano, que promete desfilar com 150 instrumentistas no ano que vem.

A bailarina e atriz transexual Cristal Lopes, defende a confraternização e a diversidade. “O Cintura Fina é para afirmar que cada um tem um gênero e que deve ser respeitado. Temos que lidar com a sexualidade e a diversidade numa boa, sem a ideia de pecado e a Lagoinha é um ótimo lugar para isso”, argumenta.

A banda era de um ecletismo absurdo. Tocava de Balão Mágico a Billy Jean, do Michael Jackson. Mas, estacionados em frente a uma padaria-lanchonete, a turba seguia partituras musicais estritamente. Encostado no portão, Afonso da Cruz, autônomo e morador do bairro, assistia da porta de casa o bloco passar com o filho. Disse que se lembra dos tios saírem vestidos de mulher no Leões da Lagoinha, descendo a Rua Itapecerica. E comemora o retorno do samba ao bairro. “É bom ver as pessoas juntas, é uma coisa que une a comunidade”, diz.

Rosângela dos Reis, moradora do complexo histórico há 48 anos e uma das idealizadoras do bloco ressalta a importância de chamar a atenção para o bairro, tão esquecido, mas tão essencial para a história da cidade. “É muito bom que as ruas sejam ocupadas aqui”, argumenta.

Tiago Macedo, idealizador do Cintura Fina, explica que o nome presta homenagem a um personagem do bairro. O Cintura era um malandro, como Tomba-Homem e da linhagem do carioca Madame Satã, velha guarda da cafetinagem e outras milongas mais. “Os moradores abraçaram a ideia do bloco, a associação do bairro e os Leões também”, fala, feliz, compartilhando com o repórter uma cerveja nos copos lagoinha. “A Lagoinha esteve no centro da vida da cidade e ficou marginalizada, ofuscada”, contextualiza. Ele diz que este primeiro desfile foi importante e que, no ano que vem, vai ser brilhar mais.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600