SIGA O EM

Prefeito de Mariana cobra doações de Eddie Vedder e artistas mineiros

Duarte Júnior diz que dinheiro prometido ainda não chegou para vítimas de desastre ambiental

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 21/01/2016 06:00 / atualizado em 21/01/2016 07:37

Daniel Camargos /

O prefeito de Mariana, Duarte Júnior, reclama que doações prometidas não foram destinadas para as populações desabrigadas de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, povoados mais atingidos pela lama de rejeitos oriunda do rompimento da Barragem do Fundão, da Samarco. Os US$ 100 mil (cerca de R$ 400 mil) doados pela banda Pearl Jam e os R$ 439 mil arrecadado em shows promovidos em BH e São Paulo por artistas como Caetano Veloso, Criolo e Jota Quest foram destinados a organizações não governamentais (ONG’s), que atuam na Bacia do Rio Doce.

“No dia dos shows, disseram que o dinheiro iria para Mariana, mas a conversa mudou. O que nos deixa chateado é que usaram o nome de Mariana”, argumenta o prefeito. Du, como é conhecido, afirma não desejar que todos os recursos sejam canalizados para as vítimas da cidade, mas reclama que a população foi desprestigiada. “Não usassem o nome de Mariana então”, afirma.

Em 20 de novembro, a banda grunge norte-americana fez show no Mineirão e o vocalista Eddie Vedder pediu punição aos responsáveis. Dez dias depois, a banda anunciou a doação de US$ 100 mil “às comunidades impactadas pela tragédia no Brasil”. O dinheiro, entretanto, não chegou a nenhuma entidade. A Vitalogy Foundation, braço do grupo responsável pelas ações sociais, entrou em contato com três ONGs brasileiras pedindo documentação antes de repassar o dinheiro: a Ibio, a Comissão Nacional para o Fortalecimento das Reservas Extrativistas e dos Povos Extrativistas Costeiros Marinhos (Confrem) e o Instituto Terra. As três entidades afirmaram ao EM que enviaram a documentação exigida e aguardam resposta da fundação. A reportagem entrou em contato com a Vitalogy, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

O dinheiro arrecadado no show Sou Minas Gerais, realizado em 8 de dezembro, com a participação de Criolo, Caetano Veloso, Jota Quest e outros artistas conseguiu R$ 340 mil. A edição paulista do show arrecadou outros R$ 99 mil.

De acordo com a produtora Carol de Amar, o dinheiro já foi enviado ao Greenpeace. “Em toda nossa divulgação deixamos claro que o dinheiro não iria para nenhum órgão público”, afirma. O Greenpeace detalha que as doações serão usadas em pesquisas independentes para avaliar os impactos do rompimento da barragem da Samarco na Bacia do Rio Doce.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
denio
denio - 21 de Janeiro às 17:08
O prefeito quer o dinheiro na conta da prefeitura de Mariana e todos sabem o que provavelmente acontecerá. O greenpeace é uma piada, não faz nada a não ser protestar e gritar. Não retira um animal seguer das ruas, não limpa nem um metro de praia suja, não faz nada, só blá blá blá !!!! Isso não resolve nada, as baleias continuam sendo mortas ou nos parques aquaticos escravizadas, a amazonia continua sendo queimada e desmatada, esgotos despejados nos oceanos e etc..etc...etc.. Doar dinheiro ao Greenpeace é sustentar um monte de espertalhões , farsa.
 
dener
dener - 21 de Janeiro às 16:55
Ele tá doidinho pra por a mão na grana. Porque será? Coisa de politíco, falou em grana os olhos crescem.
 
Arthur
Arthur - 21 de Janeiro às 15:30
E esse prefeito achando que a grana ia passar por ele ou por algum órgão público!!Não acompanhei os artistas nacionais, mas o Pearl Jam pesquisou quais Ong%u2019s têm o melhor desempenho com doações, e questionou os fãs brasileiros através do Twitter e do Facebook qual a percentagem da doação cada uma das três Ong%u2019s deveriam receber. A banda é de fora e já sabe que não pode deixar nada na mão desses caras (políticos brasileiros). Podem procurar na conta oficial da Banda nas redes sociais.
 
UBIRAJARA
UBIRAJARA - 21 de Janeiro às 13:45
Não é admissível que uma entidade como o greenpaece utilize o dinheiro doado por pessoas que queriam ajudar os atingidos, não financiar pesquisas, ficará desacreditada. Caba aos artistas também cobrarem e não direcionar em ververbas pra essas entidades. Nesses casos não cabe burocracia.
 
domicio
domicio - 21 de Janeiro às 13:19
Tudo ladrão,os artistas e o grennpeace.
 
Andre
Andre - 21 de Janeiro às 12:38
BRASILLLLL!!!!! Usam o nome de uma tragédia para arrecadar grana e depois ninguem sabe de nada. Sempre a mesma coisa. Turma dos espertttttoooooosssss !!!!!! Muda Brasil, deixem de ser corruptos....
 
Denis
Denis - 21 de Janeiro às 12:13
Essas ONGs, vão acabar direcionando as verbas a projetos utópicos e sem fundamentos, enquanto quem realmente precisa fica desassistidos.
 
Rafael
Rafael - 21 de Janeiro às 12:12
Tomara mesmo que o dinheiro não vá para os cofres públicos e sim para ONGs especializadas... A Vitology e o Greenpeace estão mais que certos. Essa quantidade de dinheiro na mãos de políticos totalmente despreparados virá pó em segundos...
 
Jorge
Jorge - 21 de Janeiro às 10:47
Pelo jeito não vai chegar nada nas mãos de quem necessita...Vergonha...usaram o povo...essa ONG verde...Pesquisa??? O tanto de órgãos que estão pesquisando e gerando dados, vão chover no molhado...que enganação.
 
Gilmar
Gilmar - 21 de Janeiro às 10:37
Tem coelho nesse mato..!! Vão dizer que o PT está com o dinheiro. A crise realmente é de caráter..!!!
 
RODRIGO
RODRIGO - 21 de Janeiro às 10:26
ÊTA BRASILZÃO!!!! "O Greenpeace detalha que as doações serão usadas em pesquisas independentes para avaliar os impactos do rompimento da barragem da Samarco na Bacia do Rio Doce". KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
 
sandra
sandra - 21 de Janeiro às 09:50
Safadeza pura, falou Greenpece, mais importante as pesquisas do que casa, comida e assistencia aos desabrigados? So´muda a forma de roubar ne
 
Ramon
Ramon - 21 de Janeiro às 09:23
Há muitos me isolei , neste país só picaretas !
 
Marcos
Marcos - 21 de Janeiro às 09:13
O Brasil inteiro é uma corrupção, enterrem logo o Brasil de vez por que esta fedendo demais!!!
 
Lucas
Lucas - 21 de Janeiro às 08:38
É pra rir né?! Uma instituição dizer que 400 mil reais serão destinados para "pesquisas independentes para avaliar os impactos do rompimento".
 
vania
vania - 21 de Janeiro às 08:30
É. ONG´s . ONde podemos Ganhar......