SIGA O EM

Polícia já está à procura do responsável por matar morador de rua a chutes em BH

Morador de rua de origem indígena é chutado e pisoteado na cabeça no Centro da capital e morre depois de ser levado ao HPS.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 16/01/2016 06:00 / atualizado em 16/01/2016 08:22

Andréa Silva / , Cristiane Silva


Morreu ontem no começo da noite o morador de rua de origem indígena chutado e pisoteado na madrugada no Centro de Belo Horizonte.  Câmeras de segurança de lojas na Rua 21 de Abril, onde ocorreu o crime, registraram as cenas de violência sem justificativa. O corpo do morador de rua, ainda sem identificação, foi removido para o Instituto Médio Legalo (IML). A polícia continua à procura do agressor, mas até o fim da tarde ainda não havia identificado o autor do ataque. As imagens mostram o momento em que a vítima, que tinha o hábito de dormir no local, chega cambaleante, se ajeita embaixo de uma marquise e se deita. Pouco depois das 2h, quando o morador de rua estava dormindo, um rapaz se aproximou e começou a agredi-lo com chutes no rosto e pisadas na cabeça. São cenas de extrema violência. O agressor chegou a desferir uma sequência de 12 chutes no rosto do indigente.


Também ficou registrado que o autor da agressão é um homem branco, de boa aparência, barba curta, com idade entre 25 e 30 anos. Ele usava bermuda, camisa escura, boné, chinelos e levava uma mochila nas costas. A vítima, com idade e identidade desconhecidas, é conhecido no Hipercentro pelo apelido de Índio, devido a sua origem étnica, e não tinha documentos. Segundo o sargento Sandro Márcio, da 6ª Companhia do 1º Batalhão da PM, o morador de rua é uma pessoa pacífica e tem histórico apenas de problemas com alcoolismo.

Após o ataque, as câmeras captaram o rapaz indo embora, no sentido da Estação Central do metrô. A vítima permaneceu no local, inconsciente. Além das agressões, as filmagens flagraram um outro andarilho se aproximando do ferido e furtando sua sacola. A vítima agonizou por aproximadamente cinco horas até ser socorrida. Somente às 7h35, quando a movimentação na rua era maior foi que a Polícia Militar e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram chamados. A vítima, com idade aproximada entre 55 e 65 anos, tinha afundamento do crânio.

SENTIMENTO DE ÓDIO O sargento Sandro Márcio analisou todas as cenas da agressão e informou, que em princípio, trata-se de um crime  motivado por intolerância. “Nenhuma hipótese por ser descartada. Mas, pelo o que vimos nas cenas, foi um ataque covarde e cruel cometido por um jovem, bem-apessoado, que agiu por um sentimento de ódio contra uma pessoa em situação de rua”, disse o militar.

O militar disse não ter dúvidas de que o rapaz atacou o morador de rua com a intenção de matá-lo. As imagens mostram o agressor, em dois momentos, esperando carros passarem para continuar pisoteando a cabeça da vítima. O andarilho foi socorrido para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS). A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou que ele passou o dia respirando com ajuda de aparelhos e morreu pouco antes das 20h. Além de procurar o assassino, caberá à Polícia Civil tentar identificar a vítima por meio da coleta de impressões digitais. A polícia também vai buscar alguma testemunha que tenha visto a agressão.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600