SIGA O EM

ONU cobra que população afetada por tragédia em Mariana tenha acesso a água segura

Mais de um mês após o evento, centenas de milhares de pessoas dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo ainda sofrem com interrupções no abastecimento de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 970951, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Lama de rejeitos que vazou da barragem de Fund\xe3o contaminou o Rio Doce', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/08/715258/20151208130945645682e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 08/12/2015 13:03 / atualizado em 08/12/2015 18:22

Paulo Henrique Lobato /

Leandro Couri/EM/D.A Press

Trinta e três dias depois do estouro da barragem de rejeitos de minério da Samarco, em Mariana, a Organização das Nações Unidas (ONU) voltou a criticar as autoridades brasileiras. Há pouco, o relator especial da entidade para o direito humano à água segura e ao saneamento básico, Léo Heller, cobrou do poder público medidas para que a população afetada pela contaminação dos rios tenha acesso à água segura e ao saneamento.

"Mais de um mês após o evento, milhares de pessoas dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo ainda sofrem com interrupções no abastecimento de água. (…) Relembro ao governo brasileiro que a lei internacional dos direitos humanos estabelece que o Estado tem a obrigação de intervir em situações como esta, proporcionando acesso à água segura e suficiente, bem como a alternativas para o saneamento básico”, alertou o relator especial das Nações Unidas para o direito humano à água segura e ao saneamento básico.

O especialista recorreu ao chamado princípio da precaução para que o governo brasileiro adote medidas preventivas que beneficiem as vítimas. “O governo deve fortalecer o monitoramento da água bruta e tratada, aperfeiçoar o tratamento de água e divulgar informação clara à população para proteger assim seus direitos humanos à água segura e ao saneamento”, concluiu Heller.

Ele acrescentou que relatos mostram que moradores das cidades cortadas pelo Rio Doce, o maior curso d'água exclusivamente do Sudeste, com 853 quilômetros de extensão, enfrentam longas filas para conseguir água potável em postos de distribuição.

Uma dessas cidades é Galileia, no Leste de Minas, onde houve um surto de diarreia depois que o abastecimento foi suspenso e a população passou a consumir água retirada de minas, de outros cursos d'água e distribuída pela Samarco.

“Como medida de emergência, as autoridades públicas vêm distribuindo água em alguns pontos, e as empresas de mineração têm levado água engarrafada às áreas afetadas. No entanto, várias pessoas continuam expressando sua insatisfação com a distribuição de água, julgada insuficiente e desorganizada”, Léo Heller.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Carlos
Carlos - 08 de Dezembro às 18:42
Revitalização Imediata Sendo necessário FAZER COM punir Multas ALTÍSSIMAS PARA TODAS; AS INDÚSTRIAS E CIDADES Já começaram a UTILIZA - LÓ o Rio Doce COMO REDE DE Esgoto E DEJETOS Indústrias. Com o MOME Novo TIETÊ do Rio Doce, o qual ESTÁ MORTO. A Solução Começar A PLANTAR arvores Nativas DE CADA REGIÃO, ha 100 metros das 2 (Duas Margens) em 943 quilômetros de Bento Rodrigues- (MG) a Cidade REGÊNÇIA- (ES) chegando, Termino Rio Doce; O Mar de Lama com Resido Toxica Camada MUITO FINA: Entra na Areia. Com Parceira DE TODAS ÀS COOPERATIVAS Agropecuárias TAMBÉM COM AJUDA DE TODOS OS fazendeiro.