SIGA O EM

Casal se emociona ao ver objetos cheios de lama em reportagem do Estado de Minas

A reportagem visitou o distrito de Paracatu de Baixo e registrou objetos que foram levados pela lama, como ferro de passar roupa, imagens de santo, pinguim de geladeira e outras coisas que pertenciam aos antigos moradores do lugar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 968929, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Pedro Ferreira/EM/D.A.Press', 'link': '', 'legenda': 'Imagem de Nossa Senhora das Gra\xe7as encontrada na lama', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/05/714549/20151205074350189005u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 05/12/2015 06:00 / atualizado em 05/12/2015 07:45

Pedro Ferreira

Pedro Ferreira/EM/D.A.Press
Paracatu de Baixo – O casal Luciene Araújo Lopes da Silva, de 37 anos, e José Geraldo Marcelino, de 42, que tem esperança de recuperar o álbum de casamento, realizado há 15 anos, se emocionou nessa sexta-feira ao rever, em fotografias feitas pelo Estado de Minas, o que sobrou do passado deles. A reportagem visitou o distrito de Paracatu de Baixo e registrou objetos que foram levados pela lama, como ferro de passar roupa, imagens de santo, pinguim de geladeira e outras coisas que pertenciam aos antigos moradores do lugar.

O lavrador reconheceu o pinguim de louça que ficava em cima da geladeira da mãe dele, a aposentada Leontina Divina Marcelina, de 78. Luciene nem reconheceu que o que sobrou das paredes da sua antiga casa. “Olha lá, as paredes eram pintadas de azul por dentro e ficaram barro puro”, apontou a dona de casa. “Meu banheiro. As cerâmicas verdes eram lindas, todo mundo falava”, comentou.

Uma imagem de Nossa Senhora das Graças, “pisando numa cobra”, esclarece o casal, também era da casa de Leontina, mãe de José Geraldo. A imagem foi parar longe de onde ficava a casa da aposentada, sem a cabeça, que foi encontrada ao lado. “Olha, o periquito de plástico também era da minha mãe. Ficava ao lado de Nossa Senhora Aparecida”, disse José Geraldo. “Esse ferro elétrico era meu”, apontou Luciene, para outra foto.

Do cofre em cerâmica, em formato de porco, só restou a cabeça no meio da lama. “Era de Arlinda, irmã de José Geraldo”, conta Luciene.

Uma bandeira de Nossa Senhora Aparecida também foi reconhecida na foto pelo casal. “Dona Leontina é festeira de Nossa Senhora Aparecida. Ela ganhou essa bandeira de presente no dia 12 de outubro. De certo, alguém deixou lá de novo para ela pegar”, comentou a nora. (PF)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600