SIGA O EM

Após rompimento de barragem, cães se recusam a abandonar casas

Muitos caninos fogem de tentativas de resgate e parecem vigiar escombros do que sobrou da tragédia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 968118, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Cachorros flagrados h\xe1 uma semana pelo EM continuam em vig\xedlia nos restos de um dos im\xf3veis de Paracatu de Baixo. Sem o que comer, muitos dos c\xe3es t\xeam matado aves', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/04/714193/20151204074447661278e.caes', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 968119, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Tulio Santos/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/04/714193/20151204074706392024a.caozinho', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 04/12/2015 06:00 / atualizado em 04/12/2015 08:07

Pedro Ferreira - Enviado Especial

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Mariana – Passados 28 dias da tragédia em Mariana, muitos animais domésticos insistem em permanecer nos escombros das casas atingidas pela lama. É como se tomassem conta do lugar e aguardassem o retorno dos seus donos. No que sobrou de uma residência no povoado de Paracatu de Baixo, dois cães pretos de raça indefinida fogem de quem se aproxima na tentativa de resgatá-los, mas retornam mais tarde, retomando seu “posto de vigilância”. Eles foram fotografados pelo Estado de Minas nos dias 25 e 27 de novembro. Ontem, um deles permanecia no lugar onde antes era a sala do imóvel, como se velasse o passarinho que morreu sufocado pela lama, sem poder fugir, preso em uma gaiola ainda pendurada na parede.

Ainda é muito difícil se aproximar da casa onde vivem os cães, pois a lama ainda não tem consistência suficiente para suportar o peso de uma pessoa. Em outros pontos, o chão de rejeito de minério já secou e parece intensificar ainda mais o calor do sol. Ontem, apenas um dos cachorros estava de sentinela.

Ao perceber a presença de pessoas do outro lado córrego, ficou em estado de alerta. Em pouco tempo, o animal deixou os escombros e fugiu cabisbaixo para dentro de um antigo pomar, onde vivem galinhas e patos que se alimentam de carambolas, mangas e outros frutos maduros que caem.

Tulio Santos/EM/D.A Press
Um segundo cão buscou refúgio nos escombros de outra casa. Não parecia agressivo, mas assustado. Percebendo-se flagrado, fugiu para as ruínas de um terceiro imóvel, onde foi recebido por outro cão de pelagem marrom, que também parecia tomar conta do lugar, em pé, na porta, prestando atenção ao que acontecia do lado de fora.

Próximo dali, nos fundos de uma casa destruída, um gato buscava proteção debaixo do telhado de um galinheiro, onde a lama não chegou. Assim como ele, galinhas e os galos se afastam diante da aproximação de pessoas que eles sabem não ser suas donas. É como se fugissem de um predador, talvez de um outro mar de lama.

Solidariedade vai diminuindo

Percorrendo as ruas de Paracatu de Baixo, a sensação é de estar numa cidade-fantasma. O silêncio só é quebrado pela cantoria dos pássaros e pelo barulho do pequeno córrego de água lamacenta que passa em frente à igreja. Mais distante, aonde a lama não chegou, mora o lavrador Genilvado Teotônio, de 29 anos. Segundo ele, ainda há muitos cães vagando pelas ruas, apensar dos esforços para capturar os bichos e e levá-los para abrigos. Antes, disse, protetores de animais deixavam ração para cães e gatos, mas esse movimento diminuiu e cachorros agora estão matando galinhas e patos para comer.

“Até as cestas básicas sumiram para a gente”, reclama Genivaldo, que vive com a mulher, o filho de 2 anos, a mãe, um irmão e dois cães na mesma casa. Fazem parte de uma das cinco famílias que permanecem em Paracatu de Baixo. Genivaldo conta que os dois cães pretos fotografados pelo EM são do único comerciante do lugar, Carlos Barbosa, que perdeu tudo e está morando em um hotel em Mariana. “Carlos esteve aí, mas a cadela e o cachorro que é filho dela não querem sair de jeito nenhum da casa. Recolheram o gato, mas os cachorros ficam lá. Fizeram até armadilha para pegar alguns cachorros por aí, mas eles fogem e depois voltam”, disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcos
Marcos - 04 de Dezembro às 10:35
É um comportamento típico dos gatos que se apegam mais ao local do que às pessoas. No caso dos cachorros, com certeza estão esperando pelos seus donos, que se aparecerem serão acompanhados pelos bichos, alegremente. |MP|
 
Thiago
Thiago - 04 de Dezembro às 09:09
É muito perverso o que esta Samarco fez. O CEO e diretores dessa empresa deveriam necessariamente serem obrigados a sentir na pele o que a ganância deles fez aos desafortunados moradores e seus respectivos animais domésticos. Mas não, no Brasil respondem todos em liberdade, barganhando com o governo situações para fugir ao máximo das responsabilidades e seguir suas vidas como se nada tivesse acontecido. Está na hora de uma guerra civil no Brasil. Todos contra os políticos, empresários e bandidos (que na prática são sinônimos). Temos que acabar com quem destrói o Brasil há 515 anos!!!