SIGA O EM

Dilma chega a Minas na manhã desta quinta para sobrevoar área de desastre

Seis dias depois do desastre em Bento Rodrigues, a presidente finalmente visitará o povoado devastado pelo rompimento das barragens e Valadares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2015 06:00 / atualizado em 12/11/2015 07:33

Flávia Ayer

Quase uma semana depois do maior acidente ambiental da história de Minas Gerais, com reflexos no Espírito Santo, a presidente Dilma Rousseff (PT), mineira de Belo Horizonte, finalmente aparecerá em Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana devastado pelo rompimento de duas barragens da mineradora Samarco (controlada pela Vale e BHP Billiton). A petista desembarca hoje pela manhã em Belo Horizonte, de onde segue para um sobrevoo em Mariana. Ela visitará também Governador Valadares e Colatina, no Espírito Santo, duas cidades atingidas pela tragédia.

Com ela virá a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que fará uma vistoria nas áreas afetadas pelo desastre. Ontem, em reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), a ministra classificou o acidente como “catástrofe ambiental” e não descartou a punição da Samarco pelos danos à biodiversidade. Relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) indica que 50 milhões de metros cúbicos de lama foram jogados na bacia hidrográfica do Rio Doce.

Desde a tarde de quinta-feira, quando ocorreu a tragédia, que resultou em oito mortes (há 19 desaparecidos e mais de 600 desabrigados), Dilma esteve em Alagoas, recebeu o príncipe e a princesa do Japão no Planalto e reuniu-se com uma série de ministros. Na sexta, ela mandou como seu representante o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, que sobrevoou a área.

No sábado e domingo, não teve nenhum compromisso oficial e nem assim abriu espaço na agenda para visitar as vítimas do acidente. A ministra das Mulheres, Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, foi a Mariana no domingo prestar solidariedade aos atingidos pelo desastre. Na segunda-feira, a presidente participou de cerimônia de entrega da Ordem do Mérito Cultural, condecoração entregue a personalidades da área. Na terça, quando os danos do acidente atingiram até o Espírito Santo, Dilma foi ao Rio de Janeiro entregar unidades do Minha casa, minha vida, em Nova Friburgo, além de visitar obras e participar de reunião sobre as Olimpíadas na capital carioca. Ontem, ela ficou o dia todo em reuniões com ministros.

Segundo o prefeito de Mariana, Duarte Júnior (PPS), ele foi informado que Dilma vai encontrá-lo hoje, às 9h, mas não indicou o local. Ele vai pedir apoio para que Samarco, Vale e BHP Billiton assumam as responsabilidades com as vítimas e o suporte às finanças locais. “Mariana é um município minerador e pedirei que, de alguma forma, nossa arrecadação não caia”, afirmou.

COBRANÇA À SAMARCO Ontem, a presidente disse ao ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, que a Samarco, Vale e BHP têm de arcar com todos os custos para recuperar municípios atingidos pelo desastre, já que isso não seria de competência do governo federal. A principal discussão será em torno do abastecimento de municípios que captam água do Rio Doce. Na campanha presidencial de 2014, a Vale Energia S.A., do grupo Vale, doou R$ 2,5 milhões à petista.

Apesar de cobrar responsabilidade das empresas, o único posicionamento oficial da presidente sobre a tragédia ocorreu no dia seguinte ao rompimento. Em sua página no Facebook, ela informou que recebeu “com pesar a notícia”. “Presto minha solidariedade às vítimas e a seus familiares. É preciso apurar com rigor as causas e responsabilidades do acidente”, escreveu. Houve ainda a liberação do FGTS para os atingidos pelo desastre.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
alair
alair - 12 de Novembro às 10:21
Não basta um desastre só. tem que vir mais um lá de Brsília.
 
walmir
walmir - 12 de Novembro às 09:57
Ontem esteve em VALADARES um governador, que nao decidiu nada, nao ajudou, nao teve ideia alguma, em resumo nao fez nada, veio apenas APARECER. Hoje vira outra dita presidente(Nao governa), nao decide nada, nada sabe nada, nao tem ideia, em resumo veio pegar LAMA para levar para sua Coleçao em Brasilia.
 
Antonio
Antonio - 12 de Novembro às 09:55
Demorou, hem?
 
Luiz
Luiz - 12 de Novembro às 09:34
Dilma, a lama de corrupção do seu governo é muito maior do que a lama da Samarco. Pode verificar.
 
Wagner
Wagner - 12 de Novembro às 09:26
Grande diferença esta ocupante do Planalto fazer visita ou não. A única serventia que certamente falará alguma coisa sem nexo para que possamos rir bastantes e veicular nas redes sociais. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
FERNANDO
FERNANDO - 12 de Novembro às 09:24
Se a aeronave dela cair, não terá contaminação. Lama com lama dá lama.
 
Marcelo
Marcelo - 12 de Novembro às 09:20
Essa aí tem preocupações maiores com a lama que invadiu seu governo! Uma mulher totalmente sem noção, só fala asneiras e cada vez parece mais senil!!!
 
walmir
walmir - 12 de Novembro às 09:14
A sra. DILMA (presidente) assim como seu antecessor, nao veio antes a regiao, porque nao sabia de nada, como ainda nao sabe de nada, aprendeu a liçao muito bem com o LULA(sabe de nada). Bom ela vir aqui em Valadares, porque assim ela leva para sua coleçao mais um pouco de LAMA, pois ela esta acostumada nos aqui nao...
 
lorena
lorena - 12 de Novembro às 08:47
FICA A LIÇÃO, GOVERNANTE TEM QUE AGIR RÁPIDO. FICA A DÚVIDA E O QUE FOI EXATAMENTE ESTE CHOQUE DE GESTÃO NOS 12 ANOS QUE O P...B ESTEVE ADMINISTRANDO O ESTADO? OU A BARRAGEM FOI CONSTRUÍDA RECENTEMENTE... ESTADO OMISSO É RECEITA PARA CATÁSTROFE
 
watchtowerbrasil
watchtowerbrasil - 12 de Novembro às 08:33
Para que esses sobrevoos? e porque só depois das críticas? Esse país é mesmo um grande teatro e nós seremos, e seremos mesmo sem perspectiva de melhora, os bobos da corte.