15°/ 23°
Belo Horizonte,
20/AGO/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Casos de dengue crescem quase 1.000% sobre 2012

Valquiria Lopes -

Publicação: 26/02/2013 06:00 Atualização: 26/02/2013 06:45

Faixas em vários bairros alertam para o avanço da doença em BH (Alexandre Guszanche/EM/D.A.Press)
Faixas em vários bairros alertam para o avanço da doença em BH


 

O aumento de quase 1.000% no número de casos confirmados de dengue em BH neste ano, em relação aos 57 confirmados no mesmo período de 2012, está exigindo reforço nas ações de combate ao mosquito Aedes aegypti. Os 605 exames positivos até 20 de fevereiro, que também superaram os 585 casos de 2012 inteiro, levaram a prefeitura a contratar mais 200 agentes, que se somarão aos 287 convocados em dezembro e aos 1.467 que já estavam no cargo.

Nas visitas domiciliares eles farão monitoramento do vetor, retirada dos focos, além de orientar moradores. Especialista e população, no entanto, cobram ações mais enérgicas e acreditam que as medidas de prevenção foram tardias. “Um dos motivos para o aumento de casos é a circulação do vírus den tipo 4. Mas as medidas preventivas não foram tão eficazes como nos últimos anos, quando houve menos casos”, afirma o professor da Faculdade de Medicina da UFMG Unaí Tupinambás.

“Vivemos uma epidemia, mas ainda há tempo para controlar a infestação. Pelo menos, a prefeitura está reforçando o número de agentes”, disse, lembrando que a tendência do número de casos ainda é de crescimento. “E ainda estamos com sorte porque não está chovendo tanto em BH”.

A gerente de Controle de Zoonoses, Silvana Tecles Brandão, explica que apesar dos níveis pluviométricos deste ano terem sido mais baixos do que no ano passado, eles foram suficientes para a eclosão de ovos acumulados em criadouros. Além disso, as altas temperaturas favoreceram o desenvolvimento da larva, que chega à fase adulta em ciclo rápido de oito dias.

Outro fator é a entrada do vírus den 4. “Até então, quem adoeceu por dengue foi por outros vírus. Temos uma população completamente suscetível ao tipo 4”, explica Silvana.

Outras ações

Além dos novos funcionários, a secretaria está colocando faixas nos 83 bairros que apresentaram Liraa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti) maior que três.  Até agora 212 foram afixadas. Essas regiões, bem como os bairros que vêm tendo grande número de casos notificados da doença nos postos de saúde são alvo também de ações de mobilização e de mensagens via carro de som.

Sujeira

Apesar do esforço, ainda há muito o que ser feito. Do supermercado onde trabalha no bairro Santa Tereza, a estoquista Fabiana de Brito Reis, de 30 anos, vê a situação de um lote vago tomado por mato e lixo na esquina da Avenida do Contorno com Rua Hermílio Alves. Para ela, que já sentiu na pele os efeitos da dengue, a sensação é de incômodo. O local foi um dos escolhidos na Região Leste para receber o alerta da prefeitura sobre o alto índice de infestação da doença. Ele fica em frente ao Mercado Santa Tereza, de onde Fabiana observa a sujeira. “Dá muito medo ver que o lixo fica aí espalhado, podendo esconder focos do mosquito da dengue e ninguém se preocupa com a saúde das pessoas”, conta Fabiana, que contraiu a doença há cerca de um ano. “Não desejo isso para ninguém. Foi uma experiência pavorosa, que não consigo esquecer”, diz a estoquista, que ficou 10 dias na cama.

Apesar de reconhecer que prevenção e limpeza são deveres de todos, a repositora cobra ações mais enérgicas do poder público. “O dono do lote tem a responsabilidade de manter o local limpo, mas a prefeitura deve estar o tempo todo atenta e fiscalizar para que locais como estes não fiquem se tornem pontos de infestação”.


Aumento de 190% no país

Levantamento do Ministério da Saúde mostra que do início de janeiro até 16 de fevereiro foram registrados 204.650 casos de dengue no país, um aumento de 190% sobre o mesmo período do ano passado. Segundo o ministério, 84,6% estão concentrados em oito estados. Apesar do aumento do número de ocorrências, o levantamento mostra uma redução de 44% dos casos graves e de 20% de mortes provocadas pela doença. Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, é clara a situação de epidemia em alguns estados e municípios. O ministro atribuiu a expansão da doença a mudanças climáticas, como excesso de chuvas, seca e calor, e também à circulação de um novo tipo de Dengue, chamado DEN24. A maior concentração da doença está no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás, e São Paulo.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Antônio Antônio Macedo Filho
Vejam o descaso do governo estadual e municipal! Administram somente com estatisticas mentirosas. Esse é a forma de governar PSDBISTA E ALIADOS. Neste ano quase não choveu e a dengue aumentou. Cadê o MP para fiscalizar os contratos terceirizados da prefeitura e Governo do Estado. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.