SIGA O EM

HISTÓRIA, ATUALIDADES

Conflitos políticos na América Latina

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1074533, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': 'Protesto para fim das Farc', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/23/807124/20160923152920141782e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1074534, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': 'Soldado brasileiro com crian\xe7as haitianas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/23/807124/20160923153056316647u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1074535, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': 'Navio durante a Guerra das Malvinas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/23/807124/20160923153121641581u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1074536, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': 'Presidente dos EUA, Barack Obama, e Raul Castro reunidos ap\xf3s o fim o desembargo', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/23/807124/20160923153140979074o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 23/09/2016 15:18 / atualizado em 23/09/2016 15:38

Lívia Machado

No dia 2 de outubro, a população colombiana participará de um referendo para sancionar ou rejeitar um acordo de paz selado entre o governo e a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias Colombianas (Farc). Para que haja o efetivo abandono das armas e a reintegração civil e política dos membros do grupo, muita coisa ainda precisa ser implementada, mas o acordo é um passo importante e inédito para o fim da guerra civil colombiana, que já dura 52 anos.

As Farc surgiram em 1964, como um movimento guerrilheiro de cunho socialista. Descontente com a situação econômica e social da Colômbia, o grupo tenta criar esferas de poder paralelo e, para isso, utiliza táticas de guerrilha como sequestros, mortes e pressões diplomáticas.

Atualmente, as Farc são muito criticadas pelas ações terroristas e por serem sustentadas pelo tráfico de drogas. A Colômbia é o maior produtor mundial de cocaína e o país sofre forte atuação do narcotráfico desde 1980. O envolvimento do movimento guerrilheiro com o tráfico de drogas teve início na década de 1990 e fez com que as Farc se tornassem milionárias.

Outros conflitos na América Latina

Apesar da guerra civil colombiana ser o mais antigo, existem outros sérios conflitos políticos na América Latina.

O Haiti, por exemplo, está sob intervenção da ONU desde 2004. A Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), liderada por soldados brasileiros, busca restabelecer a segurança e a normalidade política e institucional do país. A Missão atua, ainda, no apoio à reconstrução do Haiti, que foi atingido por um terremoto devastador em 2010.

Outro país latino-americano que tradicionalmente passa por conflitos políticos (apesar da recente abertura econômica) é Cuba, que desde 1960 sofre com um embargo comercial imposto pelos Estados Unidos, o que dificulta o comércio da ilha com diversos países.

O boicote americano deve-se à aproximação que Cuba teve com a União Soviética no contexto da Guerra Fria. Em dezembro de 2014 foram declaradas as primeiras medidas para o fim do embargo, como a autorização de vendas e exportações de alguns itens para Cuba e a simplificação de processos para americanos viajarem para o país. Apesar do embargo não ter sido totalmente finalizado, foi o início de um processo de abertura econômica.

Durante a década de 1980, a Argentina entrou em um conflito armado com o Reino Unido, pelo controle das Ilhas das Malvinas, um arquipélago localizado no sul do Oceano Atlântico. Os britânicos saíram vitoriosos e, ainda hoje, têm domínio sobre a região. Alegando proximidade geográfica, a Argentina continua reivindicando a posse do território, mas o Reino Unido diz que isso é inegociável. A suspeita é que haja muito petróleo no subsolo das ilhas.

Artigo produzido por Percurso Pré-Vestibular e Enem



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600