SIGA O EM

QUÍMICA

Tabela periódica ganha quatro novos elementos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1050054, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/06/29/778163/20160629161123864627o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1050055, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/06/29/778163/20160629154034777198i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 29/06/2016 10:22 / atualizado em 29/06/2016 16:11

Lívia Machado


Quem já estava familiarizado com a tabela periódica, pode se preparar para estudar mais um pouquinho. Neste ano, a União Internacional de Química Pura e Aplicada confirmou a descoberta de quatro novos elementos (113, 115, 117 e 118), que completam a sétima fila da tabela. Os novos elementos foram identificados nas últimas décadas por cientistas russos, japoneses e americanos.

A proposta é que eles recebam os nomes de moscovium, nihonium, tennessine e oganesson, homenageando, respectivamente, Moscou, Japão, o estado americano de Tennessee e o cientista russo Yuri Oganessian, de 83 anos. Os nomes foram indicados pelas equipes responsáveis pelas descobertas, mas podem receber comentários do público até o dia 8 de novembro de 2016, para só então serem oficialmente batizados.

Os quatro novos elementos são transurânicos, ou seja, são elementos químicos artificiais, com número atômico superior ao do urânio (92), vindo depois dele na tabela periódica (na natureza só existem elementos com número atômico até 92). São altamente radioativos e só se mantêm estáveis por alguns milésimos de segundos, o que dificulta o estudo de suas propriedades químicas e de como podem ser usados na prática. Sua descoberta, no entanto, pode tornar possível a síntese de outros elementos superpesados mais estáveis, que podem ter aplicações na medicina, na computação, entre outras áreas.

Apesar de só terem sido oficialmente reconhecidos agora, alguns destes elementos foram descobertos há mais de 10 anos. Eles foram criados em laboratório, com o uso de aceleradores de partículas, que possibilitam a fusão de átomos de outros elementos.

AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI
 Propriedades

O elemento 113 pertence à família IIIA (Família do Boro), tem estado sólido e propriedades de um metal. Tem elevada instabilidade, sendo utilizado, por enquanto, somente em pesquisas científicas. É o primeiro elemento sintético produzido no Japão.

O elemento 115 faz parte da família VA (Família do Nitrogênio), tem propriedades de um metal e estado sólido. Ele existe por menos de um segundo, antes de se decompor em átomos mais leves, e é altamente radioativo. Foi relatado pela primeira vez em 2004, por cientistas russos.

Já o elemento 117, pertencente à família VIIA (Família dos Halogênios), tem propriedades de um ametal. Também tem estado sólido e elevada instabilidade. Foi descoberto somente em 2010, por uma equipe formada por russos e americanos.

O elemento 118, por sua vez, pertence à família VIIIA (Família dos Gases Nobres) e tem a maior massa atômica de todos os elementos sintetizados até agora. Foi descoberto em 2006, apresenta baixa reatividade e é altamente radioativo.

Artigo publicado por Percurso Pré-Vestibular e Enem 



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600