SIGA O EM

Testes para avaliar desempenho dos alunos incentivam busca de qualidade pelas escolas

No nível superior, Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC) ajuda a regular a expansão de instituições

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1001149, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cristina Horta/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Estudante de fisioterapia, Leandra participa de projeto com idosos e diz que se sente preparada para o mercado de trabalho', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/14/734050/20160214073707407352a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1001150, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Arte EM', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/14/734050/20160214073743843544e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 14/02/2016 06:00 / atualizado em 14/02/2016 07:54

Márcia Maria Cruz /Estado de Minas

Cristina Horta/EM/DA Press
Os indicadores educacionais elevam a qualidade do ensino brasileiro, nos níveis fundamental, médio e superior. Criados para avaliar o desempenho dos estudantes, os índices contribuem também para apontar caminhos pedagógicos e melhorias na infraestrutura das instituições de ensino. No ensino fundamental, um dos principais indicadores é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb); no ensino médio, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); e no ensino superior, o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC). “Os índices são referência para o mercado como um todo e para o aluno. Todos os anos a gente comemora, porque os cursos sempre evoluem”, diz o diretor de Operações do Ânima em Minas, Átila Simões da Cunha, ao comentar a posição do grupo no IGC. Gerenciando o Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH) e o Centro Universitário Una, o grupo obteve as primeiras colocações em número de cursos com avaliações 4 e 5 – sendo que a maior nota é 5 e a menor 1 .  Os indicadores foram estabelecidos pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de novembro de 1996, e, no caso do ensino superior, ajudam a regular a oferta e expansão das instituições no país.


O Ideb é calculado com base no aprendizado dos alunos (em português e matemática) e no fluxo escolar. O índice passou a ser aplicado depois que o Brasil se tornou signatário da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – entidade que acompanha avaliações semelhantes em todo o mundo. Para atingir a média educacional dos países da OCDE, o Brasil precisa alcançar Ideb igual ou superior a 6 no ano de 2022. Essa conta depende do desempenho dos estados, dos municípios e das escolas. O ponto de partida foi 3,8 em 2005. “É o índice que dá para as escolas brasileiras o patamar em que elas estão. Bem ou mal, é o indicador que mostra se a instituição está na média, se piorou ou se melhorou”, afirma o professor e pedagogo Hamilton Werneck, que viaja o Brasil realizando palestras sobre o tema.

Em 2013, Minas superou a meta de 5,9, alcançando um índice de 6,2, mas essa não é a realidade de todos os estados brasileiros. “O segredo são os professores que estão nas instituições há muito tempo e não mudam. Eles conhecem os pais dos alunos e toda a comunidade os conhece”, afirma o especialista. Ele aponta que um dos fatores que levam ao mau desempenho das escolas é a descontinuidade do trabalho, quando há um fluxo grande de professores. Além da permanência, o índice mostra a importância da formação continuada desses profissionais.

Como o Ideb aponta caminhos no ensino fundamental, no nível seguinte do aprendizado o indicador é o Enem. Além de avaliar a qualidade do ensino médio, o exame se tornou a principal porta de entrada para o ensino superior. As notas são usadas para ingressar nas universidades públicas por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e para obtenção de bolsas de estudo no Programa Universidade para Todos (ProUni) nas instituições particulares. Na avaliação do consultor Raison Pinheiro, o resultado da implementação do Enem é positivo. Ele aponta em quais conteúdos as escolas devem focar. O consultor ressalva que, quando passou a ser usado no Sisu, se tornou mais competitivo. Outro ganho é que o Enem oferece parâmetros de comparação para avaliar o ensino em períodos estendidos. A fim de elevar a posição no ranking, as escolas precisam criar projetos pedagógicos para desenvolver as competências e habilidades dos estudantes. Por cobrar conteúdo extenso, outro resultado indireto é fomentar no estudante a cultura de estudar em casa com regularidade. Só assim ele dará conta de fazer as provas.

Arte EM

Provas em três eixos

O diretor de Operações do Grupo Ânima em Minas, Átila Simões, acredita  que os indicadores educacionais contribuam para a melhoria das instituições de ensino superior preocupadas com a qualidade. Na década de 1990, os cursos superiores eram avaliados por meio do Exame Nacional dos Cursos. O Provão, como era conhecido, se tornou mais complexo e conta hoje com três eixos.

O primeiro eixo avalia o desempenho dos alunos. Ao final do curso, eles fazem o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Já o Indicador de Diferença dentre os Desempenhos Observado e Esperado (IDD) permite identificar a evolução do aluno ao longo da graduação. Pela primeira vez, foi possível comparar as notas do Enem com as quais o aluno ingressou na universidade com o desempenho dele ao se formar, por meio do Enade. O Ministério da Educação (MEC) avalia os cursos de três grandes áreas de conhecimento (saúde, engenharias, ciências aplicadas e humanas) a cada triênio. Ainda não foi divulgada a portaria com os cursos que serão avaliados este ano, mas espera-se que sejam os da área de saúde.

O segundo eixo capta a avaliação subjetiva dos alunos acerca da infraestrutura, do projeto pedagógico e da possibilidade de ampliar a formação. A possibilidade de participar de projetos de extensão e de iniciação científica, entre outras atividades de pesquisa e extensão, demonstra a qualidade de uma instituição de ensino. É o que faz a estudante do 8º período de fisioterapia do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH) Leandra Carla da Silva Gonçalves, de 25 anos, que participa como estagiária da Escola da Maturidade. O projeto de extensão oferece para pessoas da terceira idade aulas de gastronomia, espiritualidade, canto, arte e cultura, memória, espanhol e pilates. “Com projetos como esse, a universidade nos deixa preparados para o mercado de trabalho. Nos tornamos profissionais altamente capacitados”, diz. O terceiro eixo avalia a qualificação dos processos a partir das titulações (especialização, mestrado, doutorado) e o regime de dedicação (parcial ou integral).

O Grupo Ânima lidera o IGC entre os centros universitários particulares de Minas. São 152 cursos nos dois centros universitários, o UniBH e o Centro Universitário Una. Quase a totalidade dos cursos (96%) tem desempenho entre 3, 4 e 5 na avaliação, sendo 44% com as avaliações 4 e 5. O índice vai de 1 a 5. “A Una mudou de faixa. Estamos no 4 e o UniBH está caminhando para o 4”, informou Simões. Ele destaca que os dois centros apresentam evolução em todas as edições do IGC.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600