SIGA O EM

Cursos ligados a saúde, engenharia e formação de professores levam 70% do Fies

Graduações já receberam prioridade no último edital do programa federal. Em 2016, financiamento estudantil vai priorizar cidades com menor IDH

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 973689, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/DA Press - 12/03/2015', 'link': '', 'legenda': 'O percentual de alunos com financiamento em cada curso foi reduzido e a previs\xe3o de desconto permanece em 5%', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/15/717238/20151215072402178230e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 15/12/2015 06:00 / atualizado em 15/12/2015 07:24

Estado de Minas



Ramon Lisboa/EM/DA Press - 12/03/2015

Brasília –
Cursos das áreas de saúde, engenharia e formação de professores, apontados como prioritários pelo Ministério da Educação, ficarão com 70% das vagas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para o 1º semestre de 2016. Essas graduações já receberam prioridade no último edital do programa federal, mas sem uma definição da reserva de vagas. Ontem, a pasta publicou no Diário Oficial da União portaria com cronograma para adesão de instituições privadas à primeira edição do financiamento estudantil no próximo ano, além de regras para a seleção. A definição do número de vagas por escola, local de oferta e turma só ocorrerá posteriormente. A última edição do Fies ofertou 61,5 mil vagas – em 2015, foi um total de 313,9 mil novos contratos.


Do total de vagas por microrregião, 45% destinam-se a cursos da área de saúde, 35% aos de engenharia e 20% aos de licenciatura, pedagogia e normal superior. Dos cursos reservados para a área de saúde, 35% das vagas são para medicina.Das vagas reservadas para a área de licenciatura, 25% serão destinados aos cursos de física, química e língua estrangeira; 25% aos de sociologia, artes e filosofia; 15% aos de geografia, história e educação física; 15% aos de matemática, biologia e português; 15% aos de pedagogia e normal superior e 5% às demais licenciaturas.


Em 2016, cidades com menor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) terão prioridade na distribuição de vagas do Fies. Além do IDMH, será considerada para a distribuição de vagas a demanda por educação superior, calculada a partir de dados do Enem, a demanda por financiamento estudantil, calculada a partir de dados do Fies no ano de 2015, e a disponibilidade orçamentária do programa.
Estão mantidos critérios como pontuação mínima no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – 450 pontos e nota na redação acima de zero –, renda familiar per capita até 2,5 salários mínimos e conceito do curso, ou seja, terão prioridade graduações com melhores indicadores de qualidade.

LIMITE DE ALUNOS
O prazo de adesão das escolas particulares começou ontem e se encerra na próxima segunda-feira. O MEC manteve a previsão de 5% de desconto para os financiamentos em relação ao valor das mensalidades e reduziu o percentual de alunos com financiamento em cada curso. Por exemplo: na edição anterior, um curso com nota 5 (indicador mais alto na escala de qualidade) poderia ter 100% de seus alunos com financiamento do programa federal. Agora, esse percentual caiu para 50%. Cursos com nota 4 poderiam ter até 75% dos alunos com Fies; agora o limite máximo é de 40%.Recife e Porto Alegre.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600