SIGA O EM

Criatividade de professores favorece aprendizado e motiva estudantes

Desafio dos que lecionam é é encontrar novas formas que caminhem com as disciplinas abordadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 939887, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Para Guilherme Ant\xf4nio Lara, professor de matem\xe1tica do Chromos Pr\xe9-Vestibular e Pr\xe9-Cefet, as piadas e brincadeiras para relaxar s\xe3o boas, j\xe1 que os alunos precisam de um momento', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/10/17/697915/20151014182950963913u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 17/10/2015 06:00 / atualizado em 14/10/2015 19:16

Estado de Minas

Leandro Couri/EM/D.A Press

A sala de aula com quadro-negro e giz colorido já não atrai os professores e muito menos os alunos. É necessário inovar e criar um mundo mais dinâmico para prender a atenção de todos. O desafio é encontrar novas formas que caminhem com as disciplinas abordadas, o que favorece tanto o aprendizado quanto a atenção e o desempenho dos alunos.

Filmes, piadas, músicas, jogos, dinâmicas, tecnologias, exemplos cotidianos e momentos de descontração são ferramentas usadas pelos educadores para que os alunos saiam motivados a buscar questionamentos. Segundo Giorgio Lacerda, professor de história e filosofia do Colégio Pitágoras Cidade Jardim, é importante lembrar que a aprendizagem passa, primordialmente, pelo papel do professor e pelo desenvolvimento do aluno. O ensino não está na tecnologia em si ou em outros recursos. Eles são apenas instrumentos que tornam a aula mais prazerosa e eficiente.

O professor de física Ennio Alberto Filho, do Colégio Pitágoras Cidade Jardim, tenta maneiras diversas de explicar o conteúdo. “Uma vez por semana, exibo um filme sobre algum tema que possa relaxar os alunos, mas sem quebrar o ritmo da aula ou prejudicar o andamento da matéria”, diz. Já o professor de matemática do Chromos Pré-Vestibular e Pré-Cefet Guilherme Antônio Lara Camargos, quando entra em sala, já diz para a turma que nem ele nem a matemática são a coisa mais chata do mundo. “Para isso, vou inserindo exemplos do cotidiano, de forma que o aluno possa relacionar a atividade e tornar o conteúdo mais prazeroso. Além disso, hoje, eles são virtualmente muito ativos. Então, os jogos virtuais são ótimos para prender a atenção deles.”

Para as alunas do Chromos Pré-Vestibular Lorena Gaspar e Bárbara Perisco, os professores têm buscado cada vez mais maneiras de chamar a atenção e ensinar o conteúdo de forma eficiente. “Brincadeiras e músicas são ótimas formas de descontração, e as aulas mais interativas são as melhores formas de a gente aprender e fixar o conteúdo”, ressalta Lorena. “Os professores não deixam a gente se cansar. Conversam, apresentam vídeos, filmes e provas antigas para fixação”, explica Bárbara.

Depois que o Enem passou a ser a porta de entrada das universidades federais, a preocupação com o exame aumentou. “Não basta apenas focar o que cai no Enem, e sim o conteúdo como um todo. É importante motivar o aluno para que possa fazer a prova tranquilamente”, ressalta Camargos. Para alunos que têm dificuldade, os preparatórios oferecem aulas extras e monitorias. “Quanto maior for o suporte extra dado aos alunos, maior a chance de eles assimilarem os conteúdos. Vale lembrar que, na era digital, nós, professores, nos tornamos também monitores e plantonistas, tirando dúvidas não só na sala de aula, como também nas redes sociais e por e-mail”, observa Lacerda.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600