SIGA O EM

MEC cria grupo para incluir negros e indígenas em cursos de pós-graduação

Medida está em portaria publicada na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/09/2015 12:40 / atualizado em 15/09/2015 12:42

Agência Brasil

O Ministério da Educação criou um grupo de trabalho para propor ações de inclusão de negros, pardos, indígenas e estudantes com deficiência em programas de mestrado e doutorado. A medida está em portaria publicada na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União.

Além do mestrado e doutorado, a portaria pretende incluir esses estudantes em programa de mobilidade internacional. O grupo tem o prazo de quatro meses para concluir as atividades.

O grupo de trabalho será formado por representantes de secretarias do Ministério da Educação, pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República e organizações como o Fórum Nacional de Educação Inclusiva, a Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, a Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena, a Educafro e a Associação Nacional de Pós-Graduando.

A coordenação será de responsabilidade da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Rodrigo
Rodrigo - 15 de Setembro às 13:22
Sou contra essas iniciativas. Esse coitadismo acerbado que ronda o país. Dar tudo. Sou contra. Sou pobre, estudei em escola pública, estudei em casa. Corri atrás, trabalho até tarde, pago impostos. Ao contrário dos deficientes que precisam de ajuda devido a limitação, o resto (índio, negro, pardo, homosexual etc) são capazes da mesma forma de conseguir com os mesmos meios que os demais.