Publicidade

Estado de Minas

Fies deve manter criação de vagas em 2016 com regras

Ministério da Educação tem prometido ofertar cerca de 330 mil vagas ano que vem


postado em 06/09/2015 08:19 / atualizado em 06/09/2015 09:18

Incertezas e dificuldades técnicas ainda persistentes no programa de financiamento estudantil do governo, o Fies, têm aumentado preocupações do setor de ensino privado para 2016. Segundo fontes do setor, o Ministério da Educação tem prometido ofertar cerca de 330 mil vagas ano que vem. Apesar da tensão envolvendo a aprovação do orçamento do próximo ano, a pasta tem afirmado que os recursos para tais vagas estão garantidos.

Embora o próprio setor receba com certo ceticismo as perspectivas para o próximo ano, a oferta de vagas num ritmo próximo ao de 2015 (foram 314 mil vagas este ano) tende a ser sustentada pela inclusão de regras que permitem reduzir o gasto por aluno. Uma delas é a redução da prática de financiar o valor integral dos cursos. Além disso, pessoas no setor ainda esperam que o MEC implemente também no ano que vem um controle dos reajustes das mensalidades no programa.

Algo comum antes das reformas deste ano, o financiamento integral passou, neste segundo semestre, a ser feito apenas para alunos com até 0,5 salário mínimo de renda mensal familiar per capita. O diretor executivo do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), Rodrigo Capelato, avalia que esses casos serão raros porque há entre esses alunos de baixa renda grupos de notas menores e o MEC impôs uma nota mínima no Exame Nacional do Ensino Médio para que se obtenha o Fies.


A maior dúvida, porém, é a possibilidade de controle de preços no Fies. Depois de uma série de processos judiciais movidos pelas empresas de ensino, o MEC decidiu autorizar que as instituições reajustem em até 8,5% as mensalidades de 2015 na comparação com 2014. Não há ainda uma definição sobre 2016 e uma parte do setor acredita em novos controles. Há quem acredite, porém, que há um compromisso com evitar o controle de preço. "O MEC afirma apenas que pedirá explicações sobre os reajustes quando eles forem excessivos", diz Elizabeth Guedes, diretora executiva da Associação Brasileira para o Desenvolvimento da Educação Superior (Abraes).

Atrasos em pagamentos também tem ocorrido. As parcelas referentes a agosto não foram pagas ainda e a expectativa é de um pagamento dos atrasados junto com a parcela de setembro.

Há ainda cerca de 300 mil alunos do Fies que ainda não foram regularizados desde o primeiro semestre. São casos de estudantes que já tinham financiamento em anos anteriores e a instituição tentou um reajuste de mensalidade mais alto do que a limitação imposta pelo governo: no começo, o limite era de 4,5% de aumento de preço ante 2014, depois ele passou a 6,41% e, agora, para 8,5%. Instituições de ensino relatam uma série de problemas técnicos para regularizar a situação dos alunos em meio a essas mudanças. "O pior é ter aluno estudando de graça porque está matriculado e a instituição não recebe", reclama um executivo.

A expectativa é de que a situação desses estudantes seja regularizada. Em troca de poder reajustar as mensalidades em até 8,5% e receber as parcelas pendentes, instituições terão que abandonar os processos movidos na Justiça contra o MEC.

Para o próximo ano, porém, cria-se um novo problema. Instituições que reduziram os preços de mensalidades logo no início da disputa com o MEC pelos reajustes podem querer compensar as perdas. Esse movimento poderia pressionar para cima os desembolsos com o Fies num ano que já promete ser duro para os ajustes orçamentários.

Distribuição de vagas


Empresas de ensino também começaram uma disputa com o MEC por conta dos critérios usados neste segundo semestre para distribuir as vagas do Fies. O órgão admitiu ter incluído um critério de seleção dos cursos ainda desconhecido: passou a usar a fatia de participação que as empresas tinham no Fies em anos anteriores.

A inclusão desse novo critério fez a Anima Educação questionar a distribuição das vagas na Justiça, num processo em andamento que já teve uma decisão liminar favorável para a empresa. Segundo pessoas no setor, o MEC está considerando a possibilidade de desistir desse critério ano que vem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade