SIGA O EM

Universidades do interior superam instituições como UFMG na procura por vagas pelo Sisu

Na UFSJ, o número de inscritos passou de 11.874, quando tinha vestibular próprio, para 39.805

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/01/2014 06:00 / atualizado em 17/01/2014 01:21

Junia Oliveira /

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 6/8/13

A abrangência nacional do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) inflou não apenas a disputa na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mas também acirrou a concorrência nos câmpus do interior do estado. Com aumento na quantidade de inscritos na maioria das instituições, algumas delas viram a procura quase quadruplicar, ao mesmo tempo em que outras tiveram queda expressiva na busca por cursos de décadas de tradição. De forma geral, a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) foi a mais concorrida do estado, com 38,06 candidatos na busca por uma das vagas. Já o curso com a maior disputa foi medicina da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Ofertado pela primeira vez no Campo das Vertentes, teve 153,69 candidatos por vaga e desbancou inclusive o mais almejado da UFMG – administração, que registrou 134,92 estudantes em busca da mesma cadeira.

Na UFSJ, o número de inscritos passou de 11.874 no início do ano passado, quando a instituição ainda tinha vestibular próprio, para 39.805. Outro curso que acirra a disputa é medicina do câmpus de Divinópolis, com 119,29 candidatos por vaga. As duas opções do curso mais procurado acabaram diluindo a concorrência, que chegou a 384 candidatos por vaga na unidade do Centro-Oeste mineiro no Sisu do segundo semestre do ano passado. A carreira médica esteve no topo desde o primeiro dia de inscrições, quando a quantidade de inscritos chegou a 3,6 mil – a UFSJ fechou o Sisu com 2.863 inscrições para Divinópolis e 2.459 em São João del-Rei. “É muito dinâmico. De um dia para outro, o estudante vê que está muito distante da nota de corte e parte para outro, por isso, o número final acaba diminuindo”, comenta o coordenador da Comissão Permanente de Processos Seletivos da universidade, José Trindade da Silva.

Medicina foi também o curso mais procurado de Minas, desta vez na Universidade Federal de Alfenas (Unifal), no Sul do estado. Foram 5.875 inscritos. Em algumas universidades, no entanto, o aumento das opções dadas pelo Sisu significou queda no número de inscritos e de candidatos por vaga. Na Federal de Uberlândia (UFU), o número de pessoas que optaram pelo câmpus no Triângulo Mineiro caiu de 62.042 para 41.790 este ano. A instituição atribui o resultado à diminuição do número de vagas ofertadas e ao ingresso de universidades como a UFMG.

Na Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba, surpreendeu a queda drástica na quantidade de interessados do curso mais tradicional da instituição, o de medicina, com mais de 60 anos de existência e que pela primeira vez não foi o mais concorrido. A disputa, que nos últimos anos nunca esteve abaixo de 100 candidatos por vaga, ficou em apenas 16,92. Foram apenas 677 inscritos na busca por uma das 40 vagas. No vestibular 2013 (este foi o primeiro ano da UFTM no Sisu), foi registrada concorrência de 132 candidatos por vaga, com 5.317 inscritos. Os recordes foram no Vestibular de Inverno de 2012, com 6.699 candidatos (167 por vaga) e no de Inverno 2013 (164,72 por vaga). A procura de forma geral aumentou, passando de 10.269 inscritos para 13.887. A reitora em exercício, Ana Lúcia de Assis Simões, acredita que a explicação esteja na lógica do Sisu “Quem percebeu que não tinha chance migrou para outros cursos ou instituições. No contexto do Sisu, a nota de corte passa a ter mais importância que a relação candidato/vaga e é o grande diferencial. Em contrapartida, outros cursos tiveram aumento na procura. Percebemos certo equilíbrio nessa relação”, diz Ana Lúcia.

APROVAÇÃO Selecionado para o curso de história na UFSJ, Adelmo José da Silva Filho, de 18 anos, vai garantir hoje mesmo a matrícula. Ele conta que, embora considere o Sisu um sistema democrático, o vaivém das notas de corte deixa o candidato inseguro. “Fiz inscrição no primeiro dia e, ao longo da semana, vi que a pontuação só subia. Dá um certo desespero, mas apesar disso, é um bom sistema, porque valoriza mais as aptidões, em vez de pôr peso nas matérias de maior dificuldade de cada área”, diz. A concorrência em São João surpreendeu. “Até o ano passado, a nota de corte em história ficava entre 450 e 500 pontos. Este ano, subiu para 670. Foram 18,5 candidatos por vaga. Levei um susto, mas felizmente consegui ser aprovado”, comemora.


ENQUANTO ISSO... ...MATRÍCULAS ABERTAS

Começam hoje as matrículas da primeira chamada dos aprovados no Sisu. Os alunos têm até terça-feira para confirmar a vaga. Os selecionados devem verificar, junto à instituição em que foi aprovado, o local, horário e procedimentos. Em algumas delas, como a UFSJ, a pré-matrícula será feita pela internet e os documentos devem ser enviados pelos Correios. Na UFMG, ela é presencial. O Departamento de Registro e Controle Acadêmico (DRCA) publicou as escalas de atendimento, na internet (www.ufmg.br). Pelo nome, o candidato confere a data e o horário para comparecer ao DRCA. E terminam hoje as inscrições para Programa Universidade para Todos (ProUni). Até o início da noite de ontem, o número de candidatos a bolsas passava de 1 milhão. Em todo o país, são oferecidas 131.636 bolsas integrais e 59.989 parciais (50%), em 25,9 mil cursos. O resultado da primeira será divulgado segunda-feira e da próxima convocação, em 3 de fevereiro, no site http://siteprouni.mec.gov.br.

 

Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.